Resenha: O Exorcismo é real e agonizante! | Cinema de Buteco
Buteco Literário Destaques Resenhas

Resenha: O Exorcismo é real e agonizante!

01-200x300 Resenha: O Exorcismo é real e agonizante!Com mais de 40 anos, o filme O Exorcista se transformou em um marco na história da filmografia de terror e é considerado uma obra atual bastante assustadora mesmo depois de tantos anos. Além de uma boa história, o filme foi marcado de acontecimentos bizarros desde as gravações até a exibição do filme nos cinemas. Fatos sobrenaturais aconteciam nos sets de filmagem e muitas pessoas passaram mal ao assistir. E se você ainda não sabe, o filme foi adaptado de um livro baseado em fatos reais, escrito a pedido de padres jesuítas para alertas as pessoas sobre o mal que existe entre nós.

 

Enquanto o filme pega pesado nos efeitos visuais, gerando maior parte do medo pela experiência sensorial, o livro consegue nos aterrorizar ainda mais por meio de uma narrativa que mescla uma história de terror suspostamente verídica com uma série de depoimentos e relatos, nos convencendo da veracidade dos fatos relatados. Se você já assistiu ao filme, conseguirá ver inúmeras diferenças entre a possessão real em relação ao filme e ao livro de ficção.

“(…) Um dos braços de Robbie se moveu quase imperceptivelmente sob a correia. Ele deslizou a mão para fora da amarra. Ninguém percebeu quando o garoto estendeu a mão pela lateral da maca e, de alguma forma, soltou uma das molas. Hughes gritou e lutou para se levantar, o braço esquerdo pendendo flácido. Sangue manchava a sobrepeliz e a estola. O garoto tinha cortado o braço de Hughes do ombro ao pulso. Foram necessários mais de cem pontos para fechar o ferimento”

Na obra relançada pela Darksidebooks em edição de luxo, o autor Thomas B. Allen aborda de maneira super imparcial e um tanto jornalística os registros e a visão dos estudiosos, desmistificando até alguns casos que foram dados como possessão, quando na verdade se tratava de uma doença como epilepsia, por exemplo. A maneira que o autor aborda toda a questão de possessão nos transmite confiança e nos faz acreditar cada vez mais nisso tudo.

“Escrevi este livro como um jornalista que tenta contar uma história da maneira mais direta e minuciosa possível. Nunca antes tinha sentido a necessidade de mostrar minhas credenciais dessa maneira. No entanto, queria que meus leitores soubessem que o que eles leram foi escrito por um agnóstico criado como católico, educado por jesuítas e que ainda se pergunta a respeito do significado de spiritus.”

01-200x300 Resenha: O Exorcismo é real e agonizante!

A história do livro acontece em 1949, passeando entre o imaginário e o real sem perder o ritmo da narrativa e conta a história de um jovem com o pseudônimo de “Robben”. O protagonista passa a ser o centro de uma série de atividades paranormais após receber um tabuleiro Ouija de presente de sua tia Harriet, que é envolvida com espiritismo. Uma semana depois, tia Harriet morre em Saint Louis e uma série de incidentes começam na casa da família. Após buscarem ajuda com um médico, psicólogo, vidente e pastor, a família percebe que precisam de uma ajuda divina e recorrem aos padres católicos para realizarem sessões de exorcismo.

O caminho pela cura é longo e a família passa por situações bastante complicadas a partir de então. São inúmeras sessões de exorcismos, inúmeros padres, ambientes e páginas de tirar o seu sossego. É muito interessante acompanhar o ritual de exorcismo e perceber que não se trata apenas de rezar, apontar uma cruz e jogar água benta.  No livro, um padre que vivia na cidade da família tenta realizar o ritual mas não obtém sucesso e acaba soltando as amarras que prendiam o garoto e se ferindo gravemente em seguida.

“O exorcista tinha acabado de dizer em latim ‘diga-me o seu nome, o dia e a hora da tua partida através de algum sinal’, quando começaram a aparecer arranhões em uma das pernas do menino: três linhas paralelas. Então, após a palavra horam (hora em latim), uma marca no formato de um X apareceu…”

Uma característica que enriquece ainda mais esta obra, é que um dos padres (Walter Halloran) registrou tudo em um diário e está disponibilizado na íntegra e sem edições do autor nas últimas páginas desta edição da Darksidebooks. Para você ter ideia, o livro O Exorcismo é considerado o mais completo relato de um exorcismo pela Igreja Católica desde a Idade Média. Os investigadores paranormais Ed e Lorraine Warren definiram a obra de Thomas B. Allen como “um documento fascinante e imparcial sobre a luta diária entre o bem e o mal”.

É preciso entender que esta não é uma história de terror como você está acostumado. O Exorcismo é uma não-ficção construído a partir de inúmeros depoimentos e documentos. Este relato jornalístico pode ser uma leitura tranquila ou pode te deixar bastante impressionado, como aconteceu comigo. A imparcialidade e o profissionalismo de B. Allen conseguiu me amedrontar e dar bastante aflição ao longo da leitura. Se você acredita ou não em demônios e possessão, este livro irá testar sua crença e deixa-lo reflexivo sobre o assunto.

01-200x300 Resenha: O Exorcismo é real e agonizante!
Este livro é agonizante e essencial para quem é fã de terror.

Autor: Thomas B. Allen é jornalista desde os anos 1950. Na década seguinte, foi contratado e pela divisão editorial da National Geographic, onde contribui como freelancer até hoje. Tem mais de quarenta livros publicados sobre os mais diversos temas, como política internacional, história dos Estados Unidos, guerras, espionagem, romances, vida selvagem e fauna marinha, incluindo alguns títulos sobre tubarões. Exorcismo é seu primeiro lançamento pela DarkSide Books.

Ficha Técnica

Título | Exorcismo
Autor | Thomas B. Allen
Tradutor | Eduardo Alves
Editora | DarkSide®
Idioma | Português
ISBN | 978-85-66636-98-7
Especificações | 272 páginas, Limited Edition

Felipe Borba

Nasceu no Pará, cresceu no Maranhão e vive em Minas Gerais. Além de se considerar um explorador da natureza; Felipe é publicitário com especialização em Marketing Estratégico, é viciado em novas tecnologias, queria ser adotado pelo Neil Gaiman e tem mais livros do que dá conta de ler.