Ultimos Dias

Gus Van Sant é um dos diretores que mais apareceram aqui no Cinema de Buteco e era algo impossível de se imaginar que o mês do rock passaria em branco sem a homenagem que o diretor fez para um dos maiores nomes da música mundial. O João que me desculpe (os frequentadores do Buteco sabem o quanto ele é fã do trabalho de Van Sant), mas tenho que tomar a liberdade de falar sobre Ultimos Dias, também conhecido como a ficção que retratou os últimos dias da vida de Kurt Cobain, o líder do Nirvana. Mas é preciso dizer para os desavisados que não se trata de uma adaptação literal. O personagem não se chama Kurt Cobain e em nenhum momento se ouve músicas da banda.
Uma das marcas de Gus Van Sant sempre foi retratar a solidão consumindo os seus personagens. Seja pela culpa (Paranoid Park) ou por dificuldades em se relacionar com outras pessoas (Gênio Indomável). Logo o encontro do diretor, que também assina o roteiro, com o fim da vida e o legado do maior gênio musical dos anos 90, não poderia ser um par mais que perfeito. Muitos daqueles que se dizem fã da música do Nirvana, torceram o nariz para o resultado final do filme. O que se esperava por muitos era um filme que mostrasse um pouco daquela vida louca que Cobain vivia, como era seu relacionamento com a esposa maluca, os pais, e principalmente no seu vício em drogas. Gus Van Sant, sabiamente fugiu de todas essas expectativas em torno do projeto e concentrou a história (um dos filmes com menos diálogos que já assisti) na solidão e paranóia de um homem. Uma opção que acabou tornando o filme um pouco alternativo demais para a geração que não conheceu os dramas de um homem e que se apaixonaram apenas pela música. O que desagrada a maioria, é um prato cheio para aqueles que acompanham a trajetória de Gus Van Sant.
Ultimos Dias é um filme pesado. Não é daqueles que você consegue assistir em um dia comum, é preciso esperar por um daqueles momentos em que nada deu certo e você esta amargando uma fossa no conforto da sua cama. Quando apenas a sua parede serve de segurança, aquela companhia que não vai te abandonar nunca. Como já havia mencionado, são poucas as falas e toda a ação se concentra na “fuga” de Blake (em brilhante atuação de Michael Pitt) da realidade e das pessoas. Curioso notar que Van Sant evitou o uso de entorpecentes pelo personagem e sequer quis dar detalhes demais para o momento fatídico em que Blake/Kurt se mata. Talvez para preservar um pouco de sua parte criativa no desenvolvimento do projeto. Mas a verdade pode ser vista como por culpa da adaptação da biografia escrita pelo jornalista Charles Cross, o Mais Pesado que o Céu. O projeto se arrasta há bons anos, mas a expectativa é que ele seja rodado até 2014. O motivo seria pela lugubre comemoração dos 20 anos da morte do cantor.
Enquanto não existe um filme “oficial” da vida do cantor, Ultimos Dias é uma obra que merece ser assistida por todos aqueles que são orfãos da boa música dos anos 90.

Author: Tullio Dias

Oferecer opiniões embasadas sob efeito das doses de caipirinha é um dos grandes trunfos do editor-chefe e crítico do Cinema de Buteco. Publicitário formado, atualmente cursa um MBA em Comunicação e Marketing Digital, tudo isso enquanto bola maneiras de torturar aqueles que ousam ignorar Era Uma Vez no Oeste na lista de melhores filmes da história.

Share This Post On

Comentários

  1. vitor silos disse:

    Não sou muito fã do Guns Van Sant não, o único filme que eu realmente gosto dele é Elefante, não vi Milk ainda não, falam muito bem mas não vi ainda.
    Tenho a mesmo opinião para Last Days que tenho em relação à maioria dos filmes dele, pretensioso. Acho a trilha sonora muito boa, é toda composta pela banda do Michael Pitt, Pagoda, tirando isso e a ótima atuação dele (como sempre), não gostei muito não.

    abraço

  2. João disse:

    licenças são sempre concedidas pra vc tt!
    o filme é fantástico e pitt é lindo. putz *.*

  3. Vitor disse:

    Muito bom seu texto! DEu muita vontade de ver o filme! Se vc, 2T, é o Túlio, nos conhecemos na Saraiva ontem, falando de Lanterna Verde! Abraço! Vitor

  4. asinglearte disse:

    Hello, pois é, gostar dos filmes de Gus Van Sant é um pouco complicado, pois ele tem seus momentos e seus diferentes filmes, a grande maioria de seus filmes é muito pessoal, muito como esse, que não me agrada como a grande maioria de seus filmes.

    É um prazer conhecer seu blog, estarei frequentando!