Norma – Ópera de Bellini | Cinema de Buteco
Destaques Teatro Variedades

Norma – Ópera de Bellini

“A única forma da ópera manter a sua tradição, é por meio da transformação. O que não se movimenta, está morto”, afirma Pablo Maritano, que assina a concepção e a direção cênica da adaptação, sem cortes substanciais, da ópera Norma, de Vincenzo Bellini, que estreou no dia 21 de abril, no Grande Teatro do Palácio das Artes.

A ópera retrata um triângulo amoroso entre as sacerdotisas Druidas Norma e Adalgisa, e o pró-cônsul Romano Pollione. A trama se inspira em uma sociedade dividida entre os Romanos, que têm riqueza e poder, e os Druidas, desprovidos de tais propriedades e que sofrem com as decisões individuais e a corrupção.

normainterna Norma – Ópera de Bellini

Norma é uma das figuras religiosas mais importantes da comunidade e exerce papel altamente político. Ela tem a responsabilidade de orientar e aconselhar os Druidas sobre os conflitos com os Romanos. Junto ao seu pai e às suas sacerdotisas, ela representa uma esperança para o povo e uma ‘bússola’ moral. No entanto, um fato desconhecido a todos colocará em risco o povo Druida – Norma se apaixonou pelo general romano Pollione, com quem teve dois filhos. O amor entre os dois está em crise. Pollione se apaixona por Adalgisa, uma das sacerdotisas, e Norma descobre a dupla traição.

INSPIRAÇÃO NA CULTURA POP

A ideia dessa montagem da FCS é vincular à beleza da música de Bellini uma ambientação ousada, demonstrando que as óperas podem se deslocadas para qualquer período de tempo e os temas humanos, força motriz de toda história, possam ser utilizados em diferentes contextos. “A ópera é uma fantasia. Não importa se acontece no passado ou no futuro. Para que continue a existir, é preciso que tenha sentido, que esteja próximo da realidade. Somente a fantasia permite esse exercício”, afirma o diretor.

Para Pablo Maritano, a essência da ópera permanece a mesma, se forem observadas três condições: O desenho de uma versão ágil, o respeito à trama e a conservação da humanidade da história.

Nesse sentido, a montagem da FCS apresenta ao público um universo distópico, em um provável ano de 3.869, onde não existem indústrias ou agricultura e a condição climática força seus moradores a situações extremas. O cenário de Jô Vasconcellos e Mírian Menezes, aliado à iluminação de Fábio Retti, refletem a complexa sociedade devastada, obrigada a viver em um ambiente selvagem.

 

A figurinista Sayonara Lopes conta que nesse contexto, a escassez dita a vida dos indivíduos, que precisam reaproveitar e valorizar os restos, ideia incorporada à vestimenta e aos objetos ressignificados. Tanto os figurinos, quanto a caracterização, têm inspiração em elementos da cultura pop, especialmente nos filmes da série Mad Max, nos seriados Vikings e nos povos medievais de Game of Thrones.

INFORMAÇÕES

Data:
21, 25, 27 e 29 de abril, às 20h, e 23 de abril, às 19h
Endereço:
Grande Teatro do Palácio das Artes
Preço:
R$ 60,00 (inteira) | R$ 30,00 (meia-entrada)
Classificação:
10 anos
Informações:
(31) 3236-7400

Felipe Borba

Nasceu no Pará, cresceu no Maranhão e vive em Minas Gerais. Além de se considerar um explorador da natureza; Felipe é publicitário com especialização em Marketing Estratégico, é viciado em novas tecnologias, queria ser adotado pelo Neil Gaiman e tem mais livros do que dá conta de ler.