#ButecoInRio 2016 – 02: O encantamento continua e Barakah com Barakah, Eis os Delírios do Mundo Conectado e Histórias dos Dois Que Sonharam | Cinema de Buteco
Críticas de filmes Destaques Festival do Rio Premiações e Festivais

#ButecoInRio 2016 – 02: O encantamento continua e Barakah com Barakah, Eis os Delírios do Mundo Conectado e Histórias dos Dois Que Sonharam

ButecoInRio2016 #ButecoInRio 2016 – 02: O encantamento continua e Barakah com Barakah, Eis os Delírios do Mundo Conectado e Histórias dos Dois Que Sonharam

SE EU MORASSE NO RIO DE JANEIRO, CERTAMENTE IRIA AO CINEMA numa frequência muito maior. Após um encantamento inicial provocado pelo Cine Odeon, este segundo dia teve protagonismo do Roxy e do Cine Joia. Enquanto o primeiro é um cinema de rua poderoso e movimentado, muito além daquela imagem obsoleta construída sobre este segmento nos últimos anos, o segundo é aquilo a que daria a definição de cinema-de-rua-em-shopping, dotado de um charme mais singelo em sua única sala emparedada por uma cortina e ocupada por poltronas coloridas. O Festival do Rio está muito bem representado.

ButecoInRio2016 #ButecoInRio 2016 – 02: O encantamento continua e Barakah com Barakah, Eis os Delírios do Mundo Conectado e Histórias dos Dois Que Sonharam

2. Barakah com Barakah ★★★★

“Vocês viveram ao máximo, mas não defenderam os direitos da nossa geração.”

O desabafo de Barakah (Hisham Fageeh), direcionado ao seu avô, é o reflexo de um sentimento engasgado em muitas dessas “gerações” que, espalhadas pelo mundo, veem justamente aqueles que há algumas décadas tiveram que lutar aguerridamente por seus direitos ocupando atualmente o poder e utilizando-o, contraditoriamente, para a formação de uma conjuntura social mais conservadora, opressiva e que restringe os direitos dos que hoje são os jovens.

Claro, é simbólico que, entre os contextos concretos para a presença deste sentimento, os eventos de Barakah com Barakah aconteçam na Árabia Saudita, possibilitando, de dentro para fora, a exposição de como este é amplificado num cenário nacional severamente afetado pelo fundamentalismo religioso, alçado ao poder de modo a impor restrições duras às liberdades individuais, sobretudo, das mulheres – bem como, nos expõe o roteiro de Mahmoud Sabbagh (também responsável pela direção), dos muitos outros grupos sociais.

Os dois Barakahs – ou Barakah e Bibi (a belíssima Fatima AlBanawi) – são expoentes fortes da coletividade deste sentimento. Ele, um jovem apegado aos tradicionalismos e conformado prestador de serviços para um órgão estatal de aplicação das leis; ela, alguém que, embora influenciadora popular – sua conta no Instagram é notória – e “ocidentalizada” quanto aos hábitos, por temer jamais conseguiu desvencilhar-se dos estabelecimentos morais de sua família ou praticar uma subversão de fato, ainda que as incentive digitalmente. Duas personagens que, surpreendentemente carismáticas e críveis, afastam-se em termos de personalidade por razões evidentes, mas complementam-se precisamente por dividirem uma característica muito mais profunda e enraizada: o anseio da liberdade.

Tão somente em razão desta relação, Bibi assimila uma realidade mais humilde, afastada das redes sociais, todavia capaz de finalmente fazê-la sentir-se legitimamente acompanhada e compreendida; por sua vez, é a mesma razão a que conduz Barakah, enfim, a questionar o que o leva a praticar a imposição coercitiva de tantas leis, regras e convenções sem apoiá-las eticamente ou ao menos entendê-las – numa metonímia daquilo em que se transformaram as instituições de autoridade pública -, assim como a indagar contundentemente qual foi o caminho que levou seu país, outrora mais diverso e tolerante, a tornar-se um reduto de moralização, conservadorismo e centralização religiosa, no qual expressar-se livremente, trocar afeto, divertir-se ou, pasmem, “ser mulher” em público, são práticas ilegais. O conflito entre as características de dois seres humanos distintos, sua interação, foi o revelador de tal caráter em ambos. Mais do que isso, a legítima e intacta relação humana em prática foi a única maneira encontrada por aqueles dois indivíduos para, enfim, alcançarem uma forma honrada de luta contra aquele “círculo” ao qual todos estamos irremediavelmente sujeitos – por entendê-la e concebê-la desta forma, Barakah com Barakah é admirável e inspirador.

ButecoInRio2016 #ButecoInRio 2016 – 02: O encantamento continua e Barakah com Barakah, Eis os Delírios do Mundo Conectado e Histórias dos Dois Que Sonharam

3. Eis os Delírios do Mundo Conectado ★★★

O aguardado documentário de Werner Herzog rodeia a história da internet sob ao menos dez óticas distintas, porém complementares – desde sua criação, passando pelo otimismo da disseminação do conhecimento, até as consequências negativas de seus excessos na atualidade.

O nono segmento, por exemplo, suscita exatamente a discussão fundamental – deveria ser feita mais frequentemente, diga-se – sobre como, embora a virtualidade seja um instrumento imprescindível e de inegáveis avanços, sua apropriação se dá de maneira equivocada pela geração que a comanda na atualidade – e é perspicaz que o seja no mesmo cenário da sequência de abertura, uma celebração da criação da ferramenta. Há questões, no entanto, que mereciam mais espaço, sendo o caso do debate acerca da privacidade e da problemática alteração de noções de ética propiciada pelo anonimato e pela curiosidade mórbida impulsionados pelo uso coletivo da internet – temática que, embora abordada no quinto segmento, não é tratada com a profundidade necessária, tornando-se secundária em Eis os Delírios do Mundo Conectado. Esta conclusão surpreende, sobretudo, em decorrência de seu caráter destoante com o posicionamento de Herzog, que, em momentos distintos da produção, inteligente e ironicamente – mesmo divertidamente – direciona indagações pertinentes às visões mais otimistas da virtualidade, provocando uma reflexão quase flusseriana a respeito dos meios tecnológicos e dispositivos móveis enquanto extensões do corpo humano e da lógica invertida à qual estamos nos submetendo, tornando-nos dependentes e repetidores de tais extensões – que o digam os robôs planejados para a superação dos desempenhos humanos.

ButecoInRio2016 #ButecoInRio 2016 – 02: O encantamento continua e Barakah com Barakah, Eis os Delírios do Mundo Conectado e Histórias dos Dois Que Sonharam

4. Histórias dos Dois que Sonharam ★★★

A abertura metalinguística revela parte das intenções desta coprodução México-Canadá filmada sem cores: uma mixagem entre a ficção e o documentário que decidiu por ser assim com claras funções significativas. O cotidiano de uma família cigana oriunda da Hungria, residente no Canadá e sem noções definitivas quanto à permanência resulta numa amálgama de sofrimento, monotonia, senso comunitário e criação fabulosa humanamente traduzida por este Histórias dos Dois que Sonharam, distante de estereótipos ou atribuições comparativas e fiel à proposta cinematográfica naturalista.

Todavia, seus desígnios enquanto realização artística também guardam responsabilidade por atribui-la um certo sentimento de vazio, de indefinição quanto àqueles determinados a serem os objetos de estudo da narrativa; falta, talvez, certa objetividade neste tocante. Não ofusca, contudo, o interessante diálogo, organicamente arquitetado, inserido na relação entre o monótono cotidiano dos protagonistas, a simplicidade de suas rotinas, suas heranças de sofrimento e o abrigo na ficção, a elaboração de um “dia a dia alternativo”, os boatos lendários e histórias aumentadas a respeito da vizinhança – sem qualquer juízo de valor atribuído, substituindo inteligentemente o julgamento pela percepção e compreensão -, desenvolvendo um elo estreito entre o real e o inventado, possivelmente tanto quanto o vínculo familiar e comunitário que durante algum tempo acompanhamos.

“Palavras nos traem, e nós as traímos.”

 

Não deixe de nos acompanhar no Twitter e no Instagram para ter acesso às impressões imediatas do Festival.

Até amanhã.

Leonardo Lopes

Estudante de Jornalismo, cinéfilo, marxista e um aspirante à admiração da Sociologia. Ou nada disso.
Colunista do Cinema de Buteco e membro da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos.