Crítica: X-Men: Primeira Classe, de Matthew Vaughn
Aventura Críticas de filmes de ação

X-Men: Primeira Classe

XM-mag-300x199 X-Men: Primeira ClasseAS PESSOAS COSTUMAM TER UMA GRANDE CURIOSIDADE ou até necessidade de saber como certas histórias começaram. As chamadas prequels ganharam força com o passar dos anos, especialmente após George Lucas lançar uma trilogia que se passava antes dos eventos apresentados na trilogia original de Star Wars. Existem vários outros exemplos, a maioria sem muita qualidade para superar o original. X-Men: Primeira Classe , de Matthew Vaughn, é um raro caso em que a pré-sequência é tão boa que supera todos os filmes anteriores. Ou seriam vindouros?

O primeiro ponto para se ressaltar no novo filme dos mutantes é que ele sobrevive sem Hugh Jackman, também conhecido como Wolverine. O baixinho revoltado é o coração de tudo que gira em torno dos X-Men. Muitos questionaram a capacidade de Vaughn de conduzir um filme sem um dos personagens mais importantes do universo dos discípulos de Charles Xavier, mas a curiosidade por um filme que mostrasse como foi que Magneto se transformou no mutante mais perigoso do mundo falou mais alto.

XM-mag-300x199 X-Men: Primeira Classe

Dos personagens clássicos, ou que também marcam presença nos três filmes originais, apenas o Professor X (James McAvoy), Mística (Jennifer Lawrence), Magneto (Michael Fassbender) e o Fera (Nicholas Hoult) dão as caras, mas são bem diferentes do que foi visto anteriormente. Durante a sequência do recrutamento é possível identificar alguns mutantes clássicos, mas nada que seja essencial para a trama.

XM-mag-300x199 X-Men: Primeira ClassePrimeira Classe apresenta um jovem (e galanteador) Xavier, prestes a se formar e a descobrir mais mutantes espalhados pelo mundo. Do outro lado da moeda, Sebastian Shaw (Kevin Bacon) desperta toda a fúria de um jovem judeu alto, pálido e magro, ao matar sua mãe. Os anos passam e Erik se torna decidido a encontrar o homem que lhe tirou tudo. Seu caminho se cruza com o de Charles e ambos unem forças para lidar com um inimigo em comum. Tudo isso resulta na primeira formação da equipe de mutantes mais amada do cinema e das histórias em quadrinhos.

Outro destaque da produção é a performance arrebatadora de Fassbender. Todo o elenco está ótimo, claro, mas X-Men: Primeira Classe seria um filme menor se não fosse pelo magnetismo do ator, que consegue ser versátil ao ponto de transitar entre a ação e o drama (as relações pessoais do personagem são tão profundas que renderiam um filme facilmente. bem ao contrário da infância de Xavier) com a mesma intensidade e dedicação. Kevin Bacon está surpreendente na pele do vilão, que nas poucas vezes que aparece, mostrou que seria um inimigo poderoso e inteligente.

Com a dosagem correta de humor (a sequência em que Xavier e Magneto tentam recrutar mutantes é hilária; aliás, após a inclusão de um grupo de adolescentes sem o menor controle sobre os seus poderes, o filme abandona um pouco do excelente teor adulto dos primeiros minutos), drama e sequências de ação, não é a toa que o filme surgiu como o grande destaque da temporada 2011. O diretor criou uma atmosfera que conseguiu ser atraente para o público já iniciado (que irão se deliciar com as surpresas) e também para os que desconhecem o universo dos X-Men. 

XM-mag-300x199 X-Men: Primeira ClasseTítulo original: X-Men: First Class
Direção: Matthew Vaughn (Kick-Ass)
Produção: Gregory Goodman
Simon Kinberg
Lauren Shuler Donner
Bryan Singer
Roteiro: Ashley Edward Miller
Zack Stentz
Jane Goldman
Matthew Vaughn
Elenco: James McAvoy (O Procurado)
Michael Fassbender (Bastardos Inglórios)
Rose Byrne (Star Wars Episódio II – Ataque dos Clones)
Oliver Platt (2012)
Kevin Bacon (Footlose)
Jennifer Lawrence (Inverno da Alma)
Lançamento: 03/06/2011
Nota:

 

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.