Planeta Terror | Cinema de Buteco
Críticas de filmes

Planeta Terror

planetterror2 Planeta Terror

“VAI LEVAR ESSE MESMO? É tipo Sin City…”

Funcionários de vídeo-locadora são criaturas estranhas. Geralmente têm péssimo gosto cinematográfico, insistem em sugerir justamente aquilo que você não quer assistir, e ainda vem a moça do balcão tentando me fazer desistir de levar o DVD que tinha em mãos. Sim, moça, eu sei exatamente o que estou levando. E não, não é tipo Sin City. Embora na superfície as bizarrices do quase-noir xerocado dos quadrinhos possam suscitar esse tipo de comparação (vide o Frodo canibal ou o Assassino Amarelo), Planeta Terror é simplesmente um filme trash. Mas um trash da melhor qualidade.

Vocês estão cansados de saber: Planeta Terror é a metade de Grindhouse, parceria de Robert Rodriguez e Quentin Tarantino homenageando os toscos filmes que eram exibidos em sessões duplas nos anos 70. Fora dos Estados Unidos, resolveram separar os siameses. Resultado: Planeta Terror já chegou nas locadoras e À Prova da Morte, do Tarantino (justo ele, que engana tanta gente nos pôsters com o crédito “Tarantino apresenta”) nem estreou nos cinemas. Depois a culpa é da pirataria.

Planeta Terror se assume trash desde o primeiro minuto. Defeitos na imagem, cortes deselegantes e até um rolo de filme convenientemente perdido no meio da projeção são, obviamente, intencionais, assim como os diálogos de humor negro e a sanguinolência exacerbada. Não chega a ser um Fome Animal – com o qual guarda semelhanças, uma Paquita lá, uma Palomita cá -, mas tem nojeira suficiente para não ser recomendável almoçar durante a exibição. Tem zumbis, tem militares, tem doença altamente contagiosa: tudo aquilo que Extermínio tratava como sério é diversão pura nas mãos de Rodriguez. O elenco é afiado e traz Josh Brolin, Bruce Willis, Naveen Andrews (o Sayid de Lost), uma Rose McGowan perneta e Freddy Rodríguez no papel de El Wray, garoto malandro que acaba liderando a cambada contra a horda de zumbis. Assista longe da comida, das crianças e dos politicamente corretos.

Agora fica a questão: se no filme é claramente a perna direita que a gostosona da Cherry Darling perde e substitui por uma metralhadora, por que no material de divulgação ela manca da esquerda? Acho que é mais uma pra coleção do Photoshop Disasters.

>> Também publicado no Biselho

Lucas Paio

Lucas Paio é mineiro de Belo Horizonte, passou quatro anos na China e agora vive em Berlim, onde passa o tempo livre no cinema (os poucos que exibem filmes sem dublagem em alemão) e conhecendo a cerveja, digo, a cultura local.

Comentários

  1. não acredito que existam erros nao propositais neste filme!

    Perfeito… engraçado, divertido, assustado. Saiu nas locadoras agora em fevereiro… ja tinha visto ele duas vezes no PC e uma no cinema…
    Brutal demais!
    vale a pena!

  2. E Ouutra coisa Lucas!
    eu acredito piamente que a moça do Balcão que perguntou se vc ia realmente querer levar este filme, só falou isso pq ELA queria levar o filme para casa! aiuheuiheuheauieaeiuiehaeu dae aparece um …. COMENTARISTA DE BLOG… e Aluga a MERDA DO FILME QUE ELA IA LEVAR PRA CASA….
    até eu ficaria PUTO!

  3. ok… eu não vi…
    e pra falar a verdade, saber q vou ficar com nojinho não me deixou tãoooooooooo animada assim! rs
    só curiosa… mto! :S

    ótimo post, Lucas!
    =*