Destaques Listas

Top 10 – História real: filmes baseados em fatos (2016)

Histórias que acontecem todos os dias com diversas pessoas podem inspirar grandes narrativas. Nem por isso o desafio de transmitir diferentes emoções se torna menor. Selecionamos dez grandes filmes lançados em 2016 que foram inspirados em histórias reais.

10 – A Conexão Francesa

O filme de Cédric Jimenez é muito mais do que um simples jogo de gato e rato ou apenas uma história de policial incorruptível e traficante malvado, mas uma narrativa sobre o que cada pessoa pode ser e as várias faces que pode ter. Os personagens centrais da trama podem parecer totalmente opostos, mas ambos são inteligentes, persistentes, dedicados e competentes em seus respectivos segmentos, além de serem dedicados pais de família. (Graciela Paciência)

9- Cães de Guerra

A dupla (formada por Miles Teller e Jonah Hill) tem uma dinâmica muito boa, com uma “química” que convence e uma atuação que eleva os dois de alguma forma. Para Miles, foi uma das primeiras chances de brilhar em uma trama violenta (e falo em sentido de guerra, armas e minas terrestres, pois podemos ver muita violência em Whiplash), enquanto para Jonah foi a oportunidade de mostrar (como ele havia iniciado em Moneyball) que ele é mais do que o gordinho do besteirol, trazendo um personagem novo que, ainda que engraçado e inconsequente, conseguia se diferenciar daquilo que ele já mostrou nas telas.

A interação dos dois começa quando David (Miles) e Efraim (Jonah) se encontram em um funeral, e decidem sair para lembrar dos velhos tempos, quando eram melhores amigos de escola. Em meio às lembranças e às drogas, percebe-se que eles vivem em realidades muito diferentes.  (Path Tôrres)

8-Um Homem Entre Gigantes

Um Homem Entre Gigantes (Concussion, EUA, 2015) mostra como Bennet Omalu (Will Smith) descobriu uma doença no cérebro de um ex-jogador de futebol americano e isso levou a uma série de acontecimentos que não só afetaram o esporte mais popular dos EUA, como também sua vida pessoal e profissional. […] O ator está impecável na pele do protagonista: o sotaque africano é perfeito, como ele incorporou o comportamento dele durante a rotina de trabalho em autópsias é bastante comovente e todo o processo de transformação do personagem também fica bem claro. O restante do elenco também está muito bem, em especial os jogadores vítimas do ETC, mas quem realmente rouba a cena é Smith. Como deveria ter acontecido. (Daniela Pacheco)

7-Spotlight: Segredos Revelados

O longa brilha por ser uma adaptação fiel e emocionante sobre um dos casos jornalísticos mais marcantes da história (premiado com o Pulitzer em 2003) e por promover uma discussão não só sobre o tema abordado na tela, mas sobre nossa sociedade em geral: quantas coisas erradas nós vemos acontecerem, até mesmo conosco, e não fazemos nada sobre isso? Deixar coisas sérias imunes por causa de poder, medo e interesses é um dos grandes defeitos que temos e McCarthy apresenta isso muito bem aqui. Nós não somos necessariamente maus por isso, mas às vezes podemos fazer muito mais do que estamos fazendo e isso pode, sim, mudar o mundo em que vivemos e até mesmo nos proteger. (Daniela Pacheco)

6- O Regresso

O filme é inspirado na experiência do explorador americano Hugh Glass, que durante uma expedição, foi atacado por um urso e deixado para morrer por seu companheiro, John Fitzgerald, logo depois de ter assassinado seu filho. Glass sobrevive e atravessa um vasto território selvagem, à procura de vingança contra Fitzgerald. (Felipe Roarelli)

5-Sully – O Herói do Rio Hudson

Dotado de muita sensibilidade e narrado de uma maneira não linear, a obra resiste à curiosidade do público em querer ver principalmente a sequência do pouso milagroso do avião no rio Hudson. Aos poucos, Eastwood envolve seu público e mostra que a história do seu protagonista é tão ou mais interessante do que os seus feitos que salvaram a vida de todos os passageiros a bordo do avião. Filmaço. (Tullio Dias)

4- Steve Jobs

Steve Jobs é dividido em três partes com os lançamentos do Macintosh (1984), Next (1988) e o iMac (1998). Toda a narrativa se passa durante os três grandes eventos da carreira do visionário da Apple e temos que ficar espertos o tempo inteiro para acompanhar os diálogos, já que são através das conversas dos protagonistas que nós entendemos o que está e o que ainda vai acontecer, além de ter um pouco de ideia do que ficou no passado. Essa opção de Boyle dá todo o protagonismo da obra para o roteiro de Aaron Sorkin. […] O ritmo é tão elétrico que Boyle usa e abusa de planos sequência da personagem de Kate Winslet sendo uma sombra para Michael Fassbender. Tudo isso para nos fazer entrar no clima e sentir a pressão daqueles eventos. (Tullio Dias)

3- A Grande Aposta

Você pode não entender tudo – matemática econômica não é pra qualquer um -, mas a graça do filme está na maneira divertida e pessoal com a qual pelo menos tenta nos explicar como o mercado funciona. E a mensagem passada não podia ter ficado mais clara. (Daniela Pacheco)

2- Born to be Blue

O filme apresenta a época em que Baker precisou se afastar dos palcos para se recuperar de um acidente causado por seus vícios. Budreau mostra como o amor de uma mulher deu forças para que Baker se fortalecesse e recomeçasse a sua carreira. No entanto, sabemos que ele era um completo babaca genial, e logo coloca tudo a perder. (Tullio Dias)

1- Snowden – Herói ou Traidor

Edward Snowden tornou-se conhecido mundialmente ao revelar para a imprensa documentos secretos que provam a espionagem norte-americana envolvendo líderes internacionais e cidadãos comuns. Virou inimigo dos Estados Unidos, mas é impossível não se perguntar se o que ele fez foi um ato contra a nação ou a favor de todo mundo. Oliver Stone, que sabe tocar na ferida como ninguém dirige o longa. (Graciela Paciência)

Graciela Paciência

Graciela Paciência nasceu e cresceu em São Paulo. Por muito tempo acreditou que seu futuro estivesse na direção de videoclipes, mas agora prefere gastar seu tempo livre no cinema, em frente à TV ou na companhia de um bom livro. Gosta de Stephen King, clássicos e cinema europeu. Suas metas de consumo estão (quase) sempre atrasadas, mas o importante é seguir em frente.