Destaques Listas

Os melhores filmes online ou lançados direto em DVD de 2016

1 Caipirinha2 Caipirinhas3 Caipirinhas4 Caipirinhas5 Caipirinhas (dê a sua nota)
Loading...

#5

Destino Especial (Midnight Special, Jeff Nichols, 2016) A trama apresenta um garotinho de oito anos, Alton (Jaeden Lieberher), que não pode sair à luz do dia. Durante muitos anos, ele viveu num local povoado por religiosos extremistas que depositavam toda a sua fé na ideia de que ele seria o salvador da humanidade. Roy (Michael Shannon) é o pai do garotinho e decide sequestrá-lo para evitar o pior. A partir desse momento, Destino Especial se transforma num road movie noturno intenso e fantástico. Gosto de ver o Nichols se aventurando por um terreno diferente, mas sem perder características que o tornaram um dos nomes a se acompanhar no cinema atualmente.


#4

Rastro de Maldade (Bone Tomahawk, S. Craig Zahler, 2015) A trama acompanha quatro homens de uma cidade localizada na fronteira dos Estados Unidos que saem para salvar a mulher do aleijado fazendeiro Arthur O’Dwyer (Patrick Wilson) de um grupo de índios “trogloditas”. Entre eles, além do marido, temos o xerife Franklin Hunt (Kurt Russell), o pistoleiro engomadinho John Brooder (Matthew Fox) e o delegado suplente Chicory (Richard Jenkins), todos silenciosamente buscando tirar da missão uma prova subentendida de sua eficácia no mundo violento ao seu redor – e já muito bem estabelecido na violenta e crua sequência de abertura da obra.


#3

melhores-filmes-de-terror-de-2016-the-invitation

The Invitation (Karyn Kusama, 2015) Estrelado por Logan Marshall-Green (Prometheus), The Invitation apresenta a história de um casal que é convidado para um jantar na casa de amigos e começam a perceber que algo muito estranho está acontecendo.

Ainda que inclua boas doses de suspense em sua narrativa, The Invitation dá medo. O tempo inteiro tememos pelo que vai acontecer com o casal protagonista e essa sensação aumenta depois de descobrirmos o que realmente está acontecendo. Não quero dar spoiler sobre esse detalhe específico, mas é um tema trabalhado brilhantemente em outros filmes de terror e que me deixa arrepiado.


#2

Um Cadáver Para Sobreviver (Swiss Army Man, Daniel Kwan, Daniel Scheinert, 2016) Quando alguém reclamar que Hollywood anda sem criatividade ou que esse ano foi ruim para o cinema, minha sugestão é: indique Um Cadáver Para Sobreviver para essa pessoa.

A comédia apresenta a uma fantástica aventura psicológica de um suicida que encontra conforto num cadáver, com quem passa a interagir e conversar. Paul Dano está arrepiante, como de costume, na pele de um homem danificado mentalmente e incapaz de conseguir lidar com a sua insignificância no mundo. Já Daniel Radcliffe tem uma das melhores atuações de sua carreira interpretando um cadáver desprovido de modos pós-vida.

Com todos essas qualidades, o longa acabou na segunda posição. Perdeu a nossa “caipirinha dourada” para outra obra encantadora.


#1


Sing Street (John Carney, 2016) Dirigido por John Carney, um cineasta que vem se revelando um verdadeiro mestre na arte de contar histórias de amor através da música,  o longa-metragem conquista o espectador facilmente com uma deliciosa mistura de comédia, aventura e romance. Sing Street conta a história de um garoto crescendo em Dublin, nos anos 1980. Ele encontra uma forma de fugir da sua família disfuncional ao montar uma banda e, de quebra, ainda tenta impressionar a garota por quem ele é apaixonado.

Acho que não precisa nem ter nascido na década de 80 para se apaixonar pela narrativa. Claro que a identificação maior é do público trintão, especialmente por Carney ter conseguido recriar tão bem o velho clichê de um garotinho apaixonado pela menina errada. Em alguns momentos lembramos diretamente em John Hughes e suas inestimáveis contribuições para o mundo do cinema. Lindo demais!

Lucas Victor

Estudante de Produção Multimídia, nerd e escritor de contos inacabados que ninguém lê. Percebeu que era cinéfilo aos 4 anos, quando estragou um vídeo cassette assistindo A Bela e a Fera sem intervalos, e desde então o vício só aumentou. Prefere DC à Marvel (fato pelo qual é extremamente criticado) e seu maior objetivo é escrever um episódio de Doctor Who.