Demolidor

Review: Demolidor s02e07 – “Semper Fidelis”

Demolidor Semper Fidelis
Chegamos à metade da temporada e certas conclusões podem ser tomadas. O segundo ano de Demolidor se sustenta como um produto melhor que Jessica Jones (ou no mesmo nível), embora não consiga superar o nível da estreia. A ausência de Wilson Fisk foi muito bem suprida por Frank Castle (Jon Bernthal e seu desabafo no final de “Penny and Dime” é digno de prêmios). A inclusão de Elektra e o romance de Matthew e Karen acrescentaram mais vida (e sensualidade) para a série. E em relação ao roteiro, tudo caminha sem pressa e promete entregar grandes revelações para os telespectadores no futuro, como podemos imaginar com a cena final de “Semper Fidelis”.

Em resumo: O ano dois de Demolidor está do caralho e quero uma série solo do Justiceiro.

“Semper Fidelis” apresenta principalmente os conflitos das duas vidas de Murdock e como uma está afetando a outra. Depois de ser omisso com seu companheiro de firma e se surpreender com a notícia de que Castle se declarou inocente e pediu um julgamento, Matthew se vê com a corda no pescoço pela impossibilidade de concentrar na defesa do novo (e polêmico) cliente. Suas atividades noturnas com Elektra continuam cobrando um preço alto e a tensão sexual entre os dois parece prestes a explodir a qualquer momento.

Assim. O triângulo amoroso de Demolidor é bem interessante. Matthew não fez efetivamente nada de errado ainda, mas a falta de sinceridade com Karen pode ter sérias consequências. É óbvio que ele se encontra dividido entre uma pessoa parecida com ele e com outra por quem se apaixonou. O Homem sem Medo está se deixando levar por suas duas identidades e abrindo espaço para que o Demolidor se envolva com uma e Murdock com a outra. Mesmo sem ações física, a cena que ilustra esse review apresenta um nível de intimidade que só pessoas muito apaixonadas uma pela outra conseguem, e isso, meu amigo, já pode ser visto como traição.

Há um novo debate sobre as ações do Justiceiro, desta vez entre Karen e Matthew. Ela não deixa de expressar que parte dela acha que as mortes foram justificadas e que ele de fato poderia ser inocente. Isso deixa o coroinha Murdock meio louco da vida, como se fosse incapaz de ter um relacionamento com alguém com essa opinião – mas ele passa as noites quebrando a cara de bandidos ao lado de uma ninja gostosa do mal.

Mais um belo episódio, mas que não entrega grandes emoções.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.