Review: American Gods s01e01 - "The Bone Orchard" | Cinema de Buteco
Destaques Séries e TV

Review: American Gods s01e01 – “The Bone Orchard”

review american gods s01e01

Ainda não li o romance de Neil Gaiman que deu origem a série American Gods. O livro é bastante elogiado, ganhando inclusive uma nova edição no ano passado pela editora Intrínseca. Como se trata de Gaiman, dificilmente poderia acontecer o contrário. Independente de ler ou não, o importante é que o Cinema de Buteco terá análises semanais da série, começando pelo review do s01e01 – “The Bone Orchard”.

Lançado em 2001, o livro começou a ser seduzido pela televisão há alguns anos antes da Starz conseguir produzir e lançar a série. Havia o interesse da HBO, que acabou desistindo – o que é uma pena, considerando a qualidade das obras do canal. Pelo que é visto nesse piloto, a parte de efeitos especiais não recebeu tanto dinheiro assim, embora o trabalho do diretor David Slade tenha sido o suficiente para abafar os recursos escassos.

Shadow Moon (Ricky Whittle) acaba de deixar a prisão quando recebe a notícia da morte de sua esposa (Emily Browning). Durante a viagem para o velório, ele conhece o misterioso Wednesday (Ian McShane) e faz um trato de trabalhar para o sujeito. Uma série de eventos surreais começa a acontecer ao redor de Shadow Moon, que ainda não tem a menor ideia de onde se meteu.

McShane é o nome de respeito no elenco desse primeiro momento e faz uma bela participação. Nada para roubar a atenção e desviar o foco do protagonista, mas aparece bem o suficiente para conquistar o público. Gostei também do Leprechaun gigante (Pablo Shreiber) e seu truque com as moedas douradas. São personagens que torço para conhecer um pouco mais ao longo do desenvolvimento dessa temporada.

O castigo é uma coisa bem cruel. Coisa de karma, né? Você sai da prisão e descobre que a esposa morreu. Daí você fica na pior, choramingando a sua perda até que se sente pior depois que descobre que o seu melhor amigo também morreu no mesmo acidente que tirou a vida de sua esposa. Nessas horas, a cabeça da gente não permite pensar no que diabos os dois estavam fazendo juntos, mas tem sempre a viúva bem informada para aumentar a sua dor. No caso, a série faz isso com uma boa dose de humor negro, já que a esposa de Moon morreu fazendo um boquete. Imagine que merda ser Shadow Moon…

Se será ou não um sucesso, não posso dizer ainda, mas garanto que American Gods receberá muita atenção por uma das cenas mais grotescas da televisão nos últimos anos (concorrendo até com a morte de Glenn em The Walking Dead). A personagem Bilquis aparece transando com um gordinho e prova, de uma vez por todas, que quem come é a mulher. Enquanto pede que o balofo a idolatre, a moça faz vai sugando o cara lentamente. Ela se torna uma gigante em cima dele, que some por dentro de sua ppk gulosa.

Pausa para reflexão: usei o termo “ppk gulosa” num review.

“The Bone Orchard” é um bom começo para uma obra promissora e que figurou entre as estreias mais aguardadas de 2017 na televisão. Vamos torcer para a produção dar conta da pressão de adaptar um livro de Neil Gaiman em tempos que a qualidade das séries é MUITO cobrada pelo público, acostumado a coisas como Game of Thrones. A expectativa é alta!

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.