Destaques The Walking Dead

Review: The Walking Dead s07e16 – “The First Day of the Rest of Your Life”

The First The Walking Dead s07e16 Day of the Rest of Your Life

Acabou-se o que era doce. Final da sétima temporada de The Walking Dead, o s07e16 – “The First day of the Rest of Your Life” cumpriu a promessa dos produtores e não se aproveitou de nenhum cliffhanger para se despedir dos fãs.

Talvez seja um tipo de resposta para quem criticou o (agora) incrível final da sexta temporada com o suspense envolvendo a morte de Glenn e Abraham. Como não podia deixar de ser, a season finale trouxe uma nova (e previsível) morte, além de conseguir posicionar tudo para uma oitava temporada eletrizante.

“The First day of the Rest of Your Life” apresenta o Santuário indo até Alexandria e sendo recebido com agressividade por Rick e cia. Ao mesmo tempo, Sasha é levada dentro de um caixão para convencer seus amigos a encerrarem qualquer menção de ataque a Negan. Durante a sua viagem, ela começa a ter pequenas alucinações com Abraham e Maggie, fruto da sua escolha de cometer suicídio e tentar atingir Negan depois de se transformar.

Sasha não é uma protagonista, sabe? Não é fácil aceitar que ela tenha um arco de histórias capaz de sensibilizar todo o público. É uma guerreira, uma personagem forte que conquistou fãs, mas ainda assim, me parece bem longe de conseguir aguentar o tranco de segurar a série nesse momento. De qualquer forma, a falta de “impacto” em sua morte foi compensada com belos momentos estrelados por Sonequa Martin-Green.

Apreciei o lado mórbido dela entrar num caixão viva e cometer suicídio, assim como os delírios com o ruivão Abraham e Maggie. Poderia ter sido algo inesperado para o público, assim como foi para Negan, mas a introdução deixou bem claro que esse seria o desfecho. Claro que não assistimos The Walking Dead pelo talento de seus roteiristas, né?

Ou teríamos ficado putos com a rainha da Sucata fazendo exatamente o que imaginávamos que ela faria ou acreditar que os sobreviventes do bem são imunes aos tiros dos Salvadores (como é que Carol e Ezequiel estavam atirando numa direção e então se viraram e mataram inimigos? Que tipo de inimigo é esse que não atira e espera pra ser morto?)? A montagem da sequência de luta entre Michonne e a doidinha foi outro momento caótico, no qual, de repente, as duas começam a se atracar mais uma vez. Nos quadrinhos esse foi um momento marcante e que deixou os leitores apreensivos numa proporção bem maior que na série.

Só não vou reclamar de Shiva atacando bem na hora em que Negan atacaria o Carlinhos porque entendo bem a necessidade de uma chegada triunfal da cavalaria do Reino. Às vezes é preciso abraçar os clichês e ser feliz.

O que não consigo aceitar calado é a falta de inteligência dos produtores, que continuam tentando nos empurrar conclusões nada convincentes para os conflitos dos personagens que aprendemos a amar há sete anos. Como é que podemos ficar “de boa” com Rosita não ter matado Dwight?

Entre erros e acertos, s07e16 funcionou bem para nos encher de esperança com uma oitava temporada com um ritmo melhor e episódios menos focados em construção de personagens. O que todo mundo quer agora é resoluções para a guerra contra o Santuário. Quero acreditar que teremos exatamente isso. Que venha outubro!

the-walking-dead-s07e16-the-first-day-of-the-rest-of-your-life Review: The Walking Dead s07e16 - "The First Day of the Rest of Your Life"

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.