Cinema por quem entende mais de mesa de bar

#RetrospectivaButeco – Melhores Cenas com Música de 2015

0

10- “Fuck the Police”, em Straight Outta Compton – A História do NWA

Gray pode ter adaptado a cena de maneira exagerada em relação à vida real, mas que cena! A polícia de Detroit ameaçou prender os membros do NWA caso cantassem “Fuck the Police” em um show na cidade. Resultado? Eles cantaram, deu a maior bagunça e foram presos minutos depois. A maneira como o diretor nos transmite a tensão e envolvimento no local, a ousadia dos cantores e o caos que seguiu tudo isso foi simplesmente eletrizante. (Dani Pacheco)

https://www.youtube.com/watch?v=C6hHBZJyi60


- Advertisement -

9- “Fireworks”, em A Entrevista

Quando um filme usa canções pop como recurso principal para criar situações embaraçosas ou hilárias, como no caso de A Entrevista, é basicamente impossível não rir até a barriga doer. “Fireworks” ainda aparece uma segunda vez na trama, mas aí seria dar spoiler demais…

https://youtu.be/J9Pm7IKBDHs


8- Maluco da guitarra em Mad Max: A Estrada da Fúria

O que não é doido em Mad Max? Sério mesmo. O universo extremamente original e insano introduzido para nós em 1979 adicionou um ingrediente bizarro no filme de 2015: um homem que fica em um dos caminhões de Immortan Joe e não faz nada além de tocar guitarra. Ele praticamente funciona como uma trilha sonora da produção, especialmente nas cenas de batalha entre o vilão e os heróis. Ideia genial de George Miller. (Dani Pacheco)

https://www.youtube.com/watch?v=1DcqnkzGEFQ


7- “Kiss from a Rose”, em Férias Frustradas

“Durante a viagem de carro até o parque, o personagem de Ed Helms começa a cantar “Kiss from a Rose” para fugir um pouco do tédio. Poderia ser um momento único, mas os roteiristas perceberam nessa música a chance de uma catarse no terceiro ato, quando todos estão se divertindo na Montanha-russa.”


6- Encerramento de Whiplash

Os minutos finais de Whiplash são tão ou mais tensos quanto todas as aulas que o personagem de Miles Teller teve com o terrível professor vivido por J.K. Simmons. Como a vingança é um prato que se come frio, o aluno dedo-duro levou a pior e entrou numa verdadeira fria. O que acontece na sequência é uma verdadeira lição de talento/transpiração e superação. Não é a toa que o longa-metragem é um dos melhores lançamentos nos cinemas brasileiros em 2015.