Crítica: Pânico (2022)

O anúncio de uma nova sequência sempre gera um mar de dúvidas, e com Pânico não seria diferente: “Será que vai ser bom?”, “Precisa de um filme novo?”, “A fórmula apresentada em 1996 cabe em 2022?”, “Quais possíveis motivações um assassino ainda desconhecido teria?” e a principal delas “Como conceber um novo filme sem a direção marcante de Wes Craven, que faleceu em 2015?”. Todas essas perguntas deixam o espectador em uma mistura de animação e receio.

Entretanto, sob a direção de Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillet (dupla responsável pelo ótimo Casamento Sangrento, de 2019), Pânico surpreende positivamente. Depois do filme de 2011, que ainda divide opiniões, apesar de ser mais aceito do que Pânico 3, de 2000, a franquia ganha fôlego tomando a corajosa e sensata decisão de colocar no centro da história um novo grupo de jovens. Mais informados, inclusivos e conscientes, eles descobrem que o assassino pode, sim, ser qualquer um.

A sempre tão aguardada cena de abertura traz um diálogo que tira sarro da crítica ao slasher. Filmes como A Bruxa, Hereditário e Corrente do Mal são lembrados, mas é o modo como a conversa é conduzida que traz o gosto da nostalgia, ao mesmo tempo em que percebemos que há algo de novo no ar.

E o que há de novo em Pânico, quinto filme da franquia?

Bom, pra começar, não se trata necessariamente de uma perseguição a Sidney Prescott (Neve Campbell), que desde adolescente, de tempos em tempos, vê a sua vida se transformar em um mar de sangue, enquanto alguém muito desocupado resolve sair matando as pessoas ao seu redor e tenta chegar à própria Sidney. Ela sempre escapa, ao lado da jornalista Gale Weathers (Courteney Cox) e do policial Dewey Riley (David Arquette), e é a final girl mais popular dos anos 90.

O trio remanescente está em Pânico e é essencial, mas dessa vez, acompanhamos a história de Sam Carpenter (Melissa Barrera), que se vê obrigada a voltar a Woodsboro para proteger a irmã mais nova, Tara (Jenna Ortega, de A Babá: Rainha da Morte). Sam tem um segredo que mexe com o cenário do primeiro filme e é capaz de abalar toda a narrativa.

Dewey cresce ainda mais nesse filme e protagoniza uma das melhores cenas de toda a franquia. Carregando todo o peso e as marcas de quem viveu (e sobreviveu) cada onda de ataques e de um romance cheio de altos e baixos, o policial aposentado se mostra, mais uma vez, um personagem consistente e carismático. Entre o trio original, é ele quem mais se dedica aqui e mostra porquê aquele policial desajeitado do primeiro filme permanece no elenco principal da franquia. É possível também perceber a falta que Randy (Jamie Kennedy), morto em Pânico 2, faz ainda hoje. Algumas mortes são mais difíceis para o público superar.

Campbell e Cox não entregam nada de novo em suas personagens e trabalham como um funcionário acostumado à rotina diária do emprego. Isso não significa que elas não façam bem o trabalho, apenas que não percebemos uma entrega significante.

O elenco mais novo se dedica e nos dá as emoções da juventude sem cair na armadilha dos estereótipos. Além de Barrera e Ortega, que lideram com garra o núcleo jovem do filme, tem também Dylan Minnette (O Homem nas Trevas), Jasmin Savoy Brown (série Yellowjackets), Jack Quaid (série The Boys) e Mason Gooding (série Love, Victor).

Colocando o dedo na ferida na hora de falar do atual cenário do terror e também da indústria e dos fãs, o filme consegue carregar uma dose tolerável de humor sem virar um pastelão. O roteiro de James Vanderbilt e Guy Busick atinge o objetivo ao entregar, na medida certa, os sustos e os dramas de cada personagem, permitindo que o espectador conheça um pouco mais de cada um. Além disso, trata o público com muito respeito e nos permite apreciar todo esse novo ar sem nos tirar a sensação de cumplicidade.

Contando com todos esses elementos e com diversos momentos de luta corporal e muitas facadas, o filme chega ao posto de melhor sequência da franquia e só não supera o original. É assustador, divertido e instigante, o que faz com que cumpra o seu papel.

Pânico é, sim, uma homenagem muito competente ao trabalho de Wes Craven, mas é também um presente aos fãs da franquia e do gênero. É um encontro de gerações, em que a mais velha percebe que já não é mais a protagonista, mas se dispõe a caminhar ao lado da nova.

 

2022Matt Bettinelli-OlpinNeve CampbellPânicoTyler Gillet
Comentários (0)
Fazer Comentário