Crítica: Falando com Deuses – Mostra de SP

 

38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo #33

Quando escrevo sobre antologias, costumo começar meus textos comentando a irregularidade inerente ao formato: normalmente, filmes formados por vários segmentos independentes têm um ou outro “capítulo” mais consistente em meio a uma série de curtas decepcionantes que, por serem maioria, acabam prejudicando irremediavelmente a experiência como um todo. Mas no caso deste Falando com Deuses, projeto organizado pelo mexicano Guillermo Arriaga (ex-roteirista dos filmes de Alejandro González Iñárritu e diretor de Vidas que se Cruzam), nem mesmo essa “desculpa” pode ser utilizada, já que não há um segmento sequer que seja minimamente interessante para salvar o projeto.

Na teoria, Falando com Deuses se propõe a reunir cineastas de diversas regiões ao redor do globo para falar das religiões predominantes em cada uma delas. Dividido em nove segmentos – “Os Deuses”, dirigido por Warwick Thornton (Austrália), sobre as religiões aborígenes; “O Homem que Roubou um Pato”, dirigido por Hector Babenco (Brasil), sobre a umbanda; “A Sala de Deus”, dirigido por Mira Nair (Índia), sobre o misticismo indiano; “Sofrimentos”, dirigido por Hideo Nakata (Japão), sobre o budismo; “O Livro de Amós”, dirigido por Amos Gitai (Israel), sobre o judaísmo”; “A Confissão”, dirigido por Álex de la Iglesia (Espanha), sobre o catolicismo; “Nossa Vida”, dirigido por Emir Kusturica (Sérvia), sobre o cristianismo ortodoxo no leste europeu; “Kaboki”, dirigido por Bahman Ghobádi (Iraque), sobre o islamismo; e, finalmente, “O Sangue de Deus”, dirigido pelo próprio Arriaga (México), sobre o ateísmo (que, antes que eu me esqueça, não é uma religião) -, o longa acaba sendo, porém, uma coletânea de clichês raciais, étnicos e geográficos formada por roteiros homogeneamente ruins e histórias que não vão a lugar nenhum.

Martelando o estereótipo de cada povo retratado (mulher na índia ainda precisa de dote e só casa com um homem “arranjado” por sua família, muçulmanos passam o dia se ajoelhando em direção à sua Meca e pedem permissão a seus líderes antes de qualquer decisão, brasileiros moram na favela, gostam de futebol e frequentam o terreiro, etc), o projeto falha miseravelmente já ao não conseguir responder sua pergunta central: o que leva aqueles personagens (e os povos que representam) a adotar aquelas religiões? O que aquele negro pobre busca encontrar no terreiro de umbanda? E aquele trabalhador sérvio, que esperança encontra ao frequentar seu templo? Ou ainda, o que leva o personagem de Demian Bichir a não acreditar em nada e, nos minutos finais de sua vida, aparecer com aquela história envolvendo o “suicídio de Deus”?

A resposta é que nem os responsáveis por Falando com Deuses parecem saber ao certo o que, especificamente, querem dizer sobre a religiosidade humana – ou ao menos é essa a sensação que temos ao tentar acompanhar suas péssimas histórias.

Falando com Deuses (Words with Gods, México, 2014). Escrito e dirigido por Guillermo Arriaga, Hector Babenco, Álex de la Iglesia, Bahman Ghobadi, Aos Gitai, Emir Kusturica, Mira Nair, Hideo Nakata e Warwick Thornton. Com Yaël Abecassis, Demian Bichir, Richa Chadda, Inma Cuesta, Chico Diaz, Emilio Echevarría, Yilmaz Erdogan, Juan Fernández e Sarai Givaty.

2014Álex de la IglesiaAmos GitaiBahman GhobadiChico DiazDemian BichirEmilio EchevarríaEmir KusturicaFalando com DeusesGuillermo ArriagaHector BabencoHideo NakataInma CuestaJuan FernándezMira NairMostra de SPRicha ChaddaWarwick ThorntonWords with GodsYaël AbecassisYilmaz Erdogan
Comentários (0)
Fazer Comentário