Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Resenha: Noturno – Scott Sigler

Se você gostou dos filmes Seven, Clube da Luta, O Silêncio dos Inocentes ou é um apaixonado por suspense policial e terror psicológico, como a série True Detective ou o livro Boneco de Neve, de Jo Nesbo, precisa ler Noturno, de Scott Sigler.

Separado em duas partes e com mais de 500 páginas, Scott Sigler navega entre um tom sombrio e o humor negro sem perder o fôlego e tirar a atenção do leitor. E se você gosta de bancar o detetivão durante suas leituras, com certeza vai ficar animado com a maneira que o autor nos coloca dentro da história por meio de rastros, dicas e mensagens deixadas para os policiais. E falando neles, essa dupla de protagonistas funciona muito bem. Bryan Clauser é um policial com alguns problemas e traumas (que vão sendo explicados ao longo da trama), enquanto Pookie rouba a cena com seu humor negro e bastante ácido, sendo o grande destaque do livro.

“Bryan tirou uma folha de papel do bolso. Desdobrou-a e a passou para Pookie. Ele olhou a imagem: um triângulo inacabado com um círculo cortando as linhas abaixo das ponta, um círculo menor no centro.”

- Advertisement -

A fórmula de Noturno é simples e ousada.

Os policiais precisam descobrir a relação dos símbolos presentes nas cenas dos crimes para solucionar o caso. E é aí que a obra de Scott Sigler se esbarra na fantasia: o protagonista Bryan Clauser sempre sonha estar presenciando os assassinatos. E sim, os assassinatos são super detalhados (dignos de um livro da Ilana Casoy), repleta de sangue e muito gore. Outro ponto muito bacana deste romance policial é que temos a narrativa paralela do adolescente Rex Deprovdechuk, que vive o mesmo drama do policial Bryan: pesadelos em que ele está participando dos assassinatos. A diferença entre eles, é que Rex tem uma conexão com as vítimas! ¯\_(ツ)_/¯

“‘Não sou’, disse Bryan. ‘Não sou um assassino.’
Pookie ergueu as sobrancelhas.
‘É? Tem certeza disso?’
Bryan abriu a boca para responder, mas não saiu som nenhum.
Porque quando parou para pensar, não tinha certeza alguma.”

Como disse no início dessa resenha, Noturno é uma obra que se esbarra na fantasia, podendo ser um problema para alguns leitores que não conseguem aceitar o gênero de fantasia urbana. Se na primeira parte do livro o autor cria um mistério e um estilo noir, na segunda ele joga tudo pro alto e nos apresenta um Noturno bem diferente. Temos super-poderes, monstros e muita ação. A ousadia do autor foi grande e admiro essa coragem!

Este livro foi uma verdadeira surpresa, pois mesmo com inúmeros clichês do gênero, consegui me surpreender. O número de páginas do livro não foi nenhum problema, já que o autor se preocupa bastante em descrever todas as cenas com muitos detalhes (parece até que foi escrito pensando em uma adaptação. O que seria muito massa!) e se aprofundar em todos os personagens, indo ao verdadeiro motivo de cada um agir de tal maneira. No final, na Nota do Autor, Scott diz que mesmo se esforçando para ser o mais exato possível neste livro, ele foi forçado a modificar alguns aspectos das políticas e dos procedimentos do Departamento de Polícia de San Francisco e do Instituto Médico Legal para poder criar uma história mais linear, mostrando o seu cuidado ao tratar de tantos detalhes técnicos presentes no livro. 

E só para deixar claro, o livro não tem um desfecho tão claro, o que dá brecha para uma possível continuação 😉

Sinopse:

Você já teve um sonho que jurou ser real? Ou até mesmo aquela sensação de déjà-vu ao passar por um lugar em que com certeza nunca esteve? Agora imagine se esse local for uma cena de crime e você, um detetive de homicídios? Para piorar: e se, nos sonhos, você fosse o próprio assassino para, num piscar de olhos, acordar e estar no mundo real com uma pessoa morta aos seus pés? É exatamente essa a situação em que Bryan Clauser, um policial de San Francisco, se encontra. Como aconteceria a qualquer um de nós, ele pensa que está perdendo a cabeça — mas os pesadelos, infelizmente, são muito reais. Junto com o parceiro Pookie Chang e a ex-namorada Robin, Bryan começa a investigar os crimes que, de alguma forma, ele vê em primeiríssima mão, no momento em que estão sendo cometidos.

A questão que não quer calar é: quem está cometendo esses assassinatos? Quando as investigações levam Bryan e Pookie a um adolescente chamado Rex Deprovdechuck e ao fato de que todas as vítimas mortas faziam bullying com ele no colégio, os dois acham que o mistério está praticamente no fim — e que Bryan será inocentado. No entanto, quanto mais o detetive explora esse mistério, mais ele descobre sobre uma conspiração e um estranho culto que opera em San Francisco praticamente desde a sua fundação. Existe uma cidade viva e faminta nas sombras — e ela pode colocar todo o mundo em risco.

Especificações Técnicas:

Título | Noturno
Autor | Scott Sigler
Tradutor | Eduardo Alves
Editora | DarkSide®
Edição | 1a
Idioma | Português
Especificações | 512 páginas, capa dura

Compre sua edição clicando aqui

Sobre o autor:

Scott Sigler, autor best-seller do New York Times, já escreveu quinze livros, doze novelas e dúzias de contos. Além disso, é autor de um famoso podcast disponível semanalmente todo domingo em scottsigler.com. Ele vive em San Diego com o seu cachorro, Reesie. Ambos são torcedores doentes do Detroit Lions.

Comentários