A Madonna dos Clipes e do Cinema

19

NUNCA FUI UM AUTÊNTICO FÃ DA MADONNA, embora me arrependa amargamente de não ter tentado ir para a fila do Maracanã quando ela veio e os cambistas revendiam ingressos por valores simbólicos de R$ 15 e R$ 30. Acompanhar um show desta mulher deve ser um daqueles eventos inesquecíveis em que a música vira apenas um detalhe. E que detalhe, diga-se de passagem. Ainda que os últimos anos não tenham sido lá muito interessantes, o legado musical de Madonna permanece firme e forte. Para qualquer pessoa ligada ao mundo da música e do cinema é praticamente impossível não reconhecer pelo menos umas cinco canções clássicas que fizeram muita gente cantar e dançar nos anos 80. Na verdade, arrisco dizer que todo cinéfilo tem a obrigação de conhecer “Like a Virgin”, numa cortesia do diretor Quentin Tarantino durante a introdução de Cães de Aluguel.

A relação de Madonna com o cinema começou em meados da década de 1980, quando empresários oportunistas aproveitaram o sucesso da cantora para lançar um longa-metragem chamado Um Certo Sacrifício, produzido em 1979 e lançado em 1985. No mesmo ano, Em Busca da Vitória chegava aos cinemas com uma cena de Madonna cantando “Crazy for You” dentro de um bar. Mas foi com Procura-se Susan Desesperadamente, também de 85, que tudo ficou sério e Madonna conseguiu sucesso de crítica e público no cinema. Sua popularidade continuou em alta, o que rendeu convites para diversos outras obras, como Quem é Essa Garota?, Dick Tracy e, claro, Evita.

No último dia 16 de agosto, a rainha do pop comemorou 55 anos e a gente não podia deixar a data passar em branco. Com a ajuda da publicitária Rachel Brandão de Lima (que também assina como redatora no Judão), selecionamos alguns vídeos inesquecíveis de Madonna que tenham alguma relação com o mundo da sétima arte. Ou não. Confira:

“Crazy for You”, de Em Busca da Vitória

“Into the Groove”, de Procura-se Susan Desesperadamente

“Live to Tell”, de Caminhos Violentos

O cineasta James Foley (Medo) dirigiu o clipe de “Live to Tell” para a trilha sonora de Caminhos Violentos, thriller estrelado por Christopher Walken e Sean Penn, que logo viveria um turbulento casamento com Madonna.

Foley voltou a trabalhar com a cantora em “Papa Don’t Preach” e “True Blue”, com destaque especialmente para o primeiro. Além de ser uma música divertida com uma letra extremamente curiosa (e relevante), o vídeo apresenta Madonna em uma sensual sequência de dança solo enquanto reflete sobre a melhor maneira de contar para o seu pai (vivido por Danny Aiello) que ele será avô. Épico.

“Who’s That Girl”, de Quem é Essa Garota?

“Sooner or Later”, de Dick Tracy

Madonna canta com um vestido justo e mostra seu verdadeiro lado de femme fatale no incrível Dick Tracy. Tudo bem que não é nenhum clipe, ou seja, não devia estar aqui na lista, mas basta assistir a sequência para se apaixonar perdidamente pela loira.

“Don’t Cry For Me Argentina”, de Evita

Arrepiante é uma boa maneira de tentar descrever “Don’t Cry for me Argentina”. A música tocava diariamente nas rádios da época (inclusive numa versão remixada e desprovida da beleza da versão original) e acabou enjoando a maioria, exceto algumas boas almas. Alan Parker, diretor de Evita, assinou o vídeo e trabalhou com Madonna novamente em “You Must Love Me”.

“Beautiful Stranger”, de Austin Powers: O Agente Bond Cama

Se você conhece o Austin Powers, sabe que ele é uma sátira ao agente 007, e é considerado um sex symbol britanico que foi congelado na década de 1960, e voltou a ativa nos anos 1990. Assistir aos seus filmes poderá fazer com que você consiga entender por quê de tanta graça no fato de ele usar todo seu MOJO para tentar conquistar a Madonna.

Agora se não tiver assistido a nenhum dos filmes dele, confira o clipe dirigido por Brett Ratner que conta com cenas envolvendo o personagem, mas que foram feitas especialmente para o vídeo. E perceba que o simples fato de Mike Myers e suas caras e bocas, bailando ao som da “Beautiful Stranger”, que é uma musica bem bacanuda, já confere a este clipe o selo “não deixe passar em branco”. (Joubert Maia)

“Die Another Day”, de 007 – Um Novo Dia Para Morrer

Embora não seja uma música ruim, a Madonna deixou a desejar com o tema do James Bond. Tudo bem, pois o clipe é realmente interessante e mostra todo um cuidado da cantora em mostrar que ainda encara fugir do lugar comum e se meter em sérias enrascadas, ao invés de ficar apenas dançando. Ver a Madonna forte daquele jeito é realmente uma maneira curiosa de ter motivos para babar ainda mais na cantora. A direção do clipe ficou com o coletivo sueco Traktor, que bolou uma trama capaz de inserir Madonna no meio de todas as aventuras que o espião vive no longa-metragem. Em tempo: a cantora faz uma pequena participação especial no filme como uma instrutora de esgrima.

Muita gente deve saber, mas não custa escrever: muitos anos antes de dirigir o premiado A Rede Social, o cineasta David Fincher era um dos principais diretores de vídeos musicais da década de 1990. A parceria com Madonna começou em 1989, com o elogiado “Express Yourself”, que custou US$ 5 milhões. Na época, era um dos clipes mais caros da história, mas a homenagem ao clássico Metrópolis é considerado até hoje como um dos principais trabalhos da cantora. Fincher dirigiria mais três clipes para Madonna: o dito autobiográfico “Oh, Father”, “Vogue”, de 1990; e “Bad Girl”, de 1993.


[cinco]

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.