Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Sociologia de Buteco – É verdade?

Essas eleições deram muito o que falar, ler, compartilhar (compartilhar sem ler) e discutir. Alguns perderam amigos virtuais, outros só a compostura. No meio disso tudo, a grande imprensa e as redes sociais em seu papel preponderante na divulgação de informações, com capas, denúncias, gráficos, pesquisas. A exibição de “verdades” para todos os gostos. Muitas, no entanto, pra lá de duvidosas.

Mas a verdade é: nem tudo o que é verossímil a alguns é verdadeiro e nem tudo que é verdadeiro é verossímil a todos. Metalinguístico isso, não? Pra exemplificar, nada melhor do que uma das peças publicitárias mais prestigiadas da propaganda brasileira. Trinta segundos que valem a pena:

- Advertisement -

Bom, apenas alguns dos exemplos entre tantos outros, inúmeros são os filmes que brincam com essa dicotomia entre verdade e veracidade que, obviamente, vai muito além da política. Show de Trumam (Peter Weir, 1998) conta a história de um personagem que vive, sem saber, dentro de um programa de TV. Obrigado por Fumar (Jason Reitman, 2005) retrata o poder de convencimento de um lobista das companhias de cigarro. Caché (Michael Haneke,2005) relata uma família que começa a receber gravações de seu próprio dia-a-dia, mostrando como é complicado distinguir, a partir de si mesmos, o que é fato, o que é mentira e o que é verdade. Sinedoque, Nova York (Charlie Kaufman,2008) mostra a montagem de uma peça de teatro cuja finalidade seria retratar a realidade do próprio autor da peça, mas que acaba por deixar o espectador sem clareza sobre o que é ficcional e o que é realidade.

A construção da verdade passa, obrigatoriamente, pelo o que é verossímil. A palavra construção, no início desse parágrafo, é essencial, visto que é absolutamente comum o ceticismo de terceiros em relação ao meu verdadeiro, isto é, se é que existe realmente a “verdade” e se ela não seria relativa ou subjetiva, portanto, construída.

– Mas contra fatos não há argumentos!

Na “verdade” há sim. E todo tipo de argumento, dependendo da realidade histórica de cada um, da subjetividade do conhecimento de cada indivíduo e como isso é partilhado e aceito socialmente. Ok, vamos aos exemplos:

Isaac Newton, ao explicar o átomo, escreveu: “Parece provável para mim que Deus no começo formou a matéria em partículas movíveis, impenetráveis, duras, volumosas, sólidas (…) e nenhum poder comum é capaz de dividir o que Deus, ele próprio, fez na primeira criação”. Kepler dizia que seus estudos científicos serviriam para construir um templo para Deus. Para Pascal, Jesus Cristo era o centro de tudo e Copérnico, aquele que colocou a Terra no seu devido lugar com sua teoria heliocêntrica, foi cônego na Catedral de Frauenberg.

Os conhecimentos mencionados acima só poderiam ser aceitos como verossímeis a partir do conhecimento social da época. Posteriormente, com a ascensão da burguesia e do movimento filosófico iluminista (o qual buscava a separação entre a ciência e a religião, com a ideia de que o progresso humano poderia ser ilimitado se estivesse “livre das tolices, ignorâncias, superstições e misticismos”) a realidade do conhecimento partilhado passou a ser outra. Laplace, por exemplo, ao ser perguntado por Napoleão Bonaparte sobre por que ele não mencionara Deus em seu livro Mecânica Celeste, respondeu:

– Sua Excelência, eu não preciso dessa hipótese. 

A verdade, portanto, não seria mais revelada pelo divino, mas pelos próprios homens, apresentando-se de maneira diametralmente distinta: a “verdade” científica como processo de investigação, com o ideal de racionalidade como base de sustentação, versus a “verdade” religiosa, dada como espiritual e emocional, isenta da necessidade de provas ou contestações. Desta forma, os argumentos de um não são válidos para corroborar ou arguir os argumentos do outro e, sob este aspecto, a discordância e o conflito tornam-se permanente entre ambas as verdades.

Sabemos que a verdade religiosa influencia ainda hoje, mas não como influenciara tempos atrás. Giordano Bruno, queimado vivo, que o diga (se pudesse). Durkheim, considerado o pai da sociologia moderna, não trata a verdade como se independesse da sociedade humana e sua história. Para ele, criamos o conhecimento e a verdade da mesma forma como criamos as instituições: não de qualquer forma, mas em relação com a nossa história e com base naquilo que as gerações passadas descobriram ou criaram.

Atualmente se dão de várias maneiras as construções e a difusão dos diversos discursos contidas nas informações partilhadas. A busca pela veracidade das histórias contadas na imprensa e nas redes sociais, por exemplo, com muita frequência não passam de meras denúncias. E todos nós, que permeamos o senso-comum e a superficialidade em algum ponto, causa fundamental da repetição e reprodução das inúmeras verdades, suas diferenças e discordâncias, estamos suscetíveis à reproduzi-las. Daí até chegar a tal da polaridade, não se anda muito.

A máxima “ganhar uma discussão não significa convencer o oponente”, dita muito antes das nossas infindáveis discussões políticas e amizades perdidas nas redes sociais, tem lá seu fundo de verdade. Portanto, não adianta ficar indignado que, mesmo diante de todo o seu esforço compartilhando informações e argumentando parágrafos inteiros numa discussão em um post qualquer, outras pessoas não compactuem da mesma verdade. Isto vai muito além de você.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.