Cinema por quem entende mais de mesa de bar

UM MANIFESTO DISPERSO

Os cidadãos brasileiros, exercendo seu direito soberano, elegeram no pleito de 2018 uma plêiade de novos governantes para os estados membros desta República Federativa e também para o cargo máximo desta Nação: o de Presidente do País.

Estranha decisão da maioria dos eleitores deste país e do nosso Estado (MG):

- Advertisement -

– Nunca tivemos um governador tão apático. Ele não é um administrador público. Deve saber bem administrar seus empreendimentos particulares. Um Estado da Federação não. Nunca.

– Suas  posições são frontalmente divergentes quanto aos interesses de nós mineiros. Bajula ministros de estado, aqueles mesmos: desqualificados e submissos. Afaga (às vezes fica em cima do muro) ao Presidente, que como presidente não tem nada a apresentar. Este, coitado, é tão insano e irresponsável que o mercado de ações entra em polvorosa todas as vezes que ele vai falar em público: lá vem mais um festival de besteirol, de idéias estapafúrdias, sem lógica, sem embasamento legal e técnico, partindo de um personagem com sérios problemas cognitivos. Desconstrói pela crítica ilógica todas as ações, idéias, propostas e posições daqueles que ele considera seus inimigos, que em todas as oportunidades, diga-se de passagem, sempre estão a favor do povo e do país. Nessa conta só sobram poucos: Paulo Jegues, os três patetas (seus filhos), o Olavo (o negacionista),  Artur Lira (o autentico político ficha suja), o veio vestido de periquito do mato, e mais uns outros.

Surge assim mais um bombardeio na estabilidade pública e econômica deste país. E aí vem queda na Bolsa de Valores, alta assustadora do dólar, do diesel, do gás de cozinha, dos alimentos. 

E quem é o perdedor neste embate? Todo o povo brasileiro, não somente o eleitorado “enganado”, que por decisão soberana nas urnas elegeu esses inúteis e desqualificados governantes.

Agora vem cá: o povo brasileiro é soberano para algumas ações e submisso para outras? 

Tá na hora de dar um basta neste turbilhão de coisas. Chega de enganação.

Vamos ver alguns exemplos:

– Auxílio emergencial, que não compra sequer uma cesta básica e é por tempo definido. Já encerrou.

– Auxílio Brasil, outro engodo: será pago a pouco mais de dez milhões de beneficiários, quando sabemos que no Brasil existem mais de 40 milhões de desempregados, desassistidos, invisíveis e os sem renda fixa (os fazedores de bico).

E é só R$400,00, se chegar lá. Dois terços de uma cesta básica.

Acorda cidadão.

– E os um milhão de empregos que o Jegues prometeu para o dia seguinte a assinatura da reforma da Previdência? 

Até agora só vimos a lista de extinção de postos de trabalho: 6 milhões.

Se não buscarmos um fim, um já chegou, um não vem que não tem, um pare de me enrolar, dados em alto e bom tom pelo povo soberano dessa nação, seremos riscados do Mapa Mundi. Só sobrarão os abastados (morando em Miami ou Dubai) e os amigos do chefe (são poucos, hein?). A esta altura ele já não cativa muitas pessoas. Pouco mais que seu curralzinho de acéfalos.

Se deixarmos como está, se não manifestarmos nossa decepção, nosso assombro a este estado de coisas, nosso desprazer em ver e ouvir esses políticos repugnantes e enganadores ficaremos só nisto: UM MANIFESTO DISPERSO.

 

Por Marcelo F.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.