Histórias de Cinema #2: Batman Eternamente

A coluna Histórias de Cinema é uma visita ao passado com os nossos escritores relembrando como foi a experiência de assistir a determinadas obras. Caso você queira participar, veja como no final do texto!

Historias de Cinema - Batman Eternamente
O ano era mil, novecentos e noventa e cinco.

Eu tinha 10 anos e aguardava ansiosamente o lançamento de Batman Eternamente. Depois de ter visto O Máskara e Débi & Lóide, fiquei empolgadaço ao saber que o Jim Carrey seria o vilão do novo bat-filme. Já tinha até o bonequinho do Charada (de uma coleção baseada na ótima série animada que passava na época) e estava preparado para recriar todas as cenas do filme lá em casa.

- Advertisement -

Fui com meu pai num belo final de semana, um sábado, assistir ao filme no BH Shopping. Nessa época, o principal shopping da capital mineira possuía apenas três salas de cinema. Duas ficavam no segundo andar, onde hoje é o Hot Zone, e a terceira num canto escondido de uma praça de alimentação, perto da saudosa Sweet Sweet Way.

Em frente à sala 1 havia uma fila enorme para Batman Eternamente, enquanto a sala 2 exibia Gasparzinho. Descobrimos que os ingressos haviam se esgotado e, para não perder a viagem, compramos ingresso para a sala 2 mesmo. Para uma criança de 10 anos foi até bacana: tinha umas referências a Caça-Fantasmas e efeitos visuais de primeira (bom, pelo menos para 1995). Mas o Gasparzinho não dirigia um Gasparmóvel, não tinha frases de efeito como “I’m Casper” e não tinha dado origem a trocentos bonequinhos legais.

Voltamos no dia seguinte para cumprir a nossa saga. Fiquei satisfeito na época. Era o Batman, pô! E daí que Jim Carrey e Tommy Lee Jones pareciam mais o Coringa de “Feira da Fruta” do que Charada e Duas-Caras? E daí que Val Kilmer era um Batman bem chinfrim, sem química nenhuma com a Nicole Kidman e que pegava pra criar um Robin que já tinha 25 anos nas costas? Pelo menos era melhor do que chegar com toda aquela expectativa pelo Cavaleiro das Trevas e ter que se contentar com o pálido Fantasminha Camarada.

A coluna Histórias de Cinema é colaborativa e o espaço está aberto para os nossos leitores. Caso você tenha alguma história legal relacionada com algum filme, envie para contato@cinemadebuteco.com com o assunto “Histórias de Cinema”.

Comentários