Connect with us

Clipes no Buteco

Os Clipes de Avril Lavigne: Uma Viagem de Volta aos Anos 2000

Published

on

os clipes de avril lavigne

A cantora canadense Avril Lavigne surgiu nos início dos anos 2000,  a Era Dourada para o Pop Adolescente, com o hit “Complicated”. Lavigne ficou rapidamente conhecida por seu estilo punk, totalmente diferente das cantoras mais populares da época (Britney Spears e Christina Aguilera): calças e tênis largos, regatas e gravatas, usando pulseiras metálicas, a garota andava com os skatistas.

Esse conceito pode ser percebido em seus primeiros videoclipes que refletem o jeito simples e espontâneo de uma adolescente de 17 anos. Avril fez 36 anos de idade no dia 27 de setembro e completou 18 anos de carreira em 2020. Sem que perdesse sua essência, ela evoluiu artisticamente e sua videografia acompanhou tal processo, como podemos conferir em seu trabalho mais recente Head Above Water (BMG, 2017).

O Cinema de Buteco fez uma revisão em todos os clipes lançados ao longo de sua carreira. Participações especiais e comerciais foram excluídas da análise.

Álbum: Let Go (2002)
Canção: Complicated
Direção: The Malloys (“Love Dealer” – Esmeé Denters featuring Justin Timberlake)

Dude, do you wanna crash the mall?”  “Cara, vamo dar um rolê no shopping?” Avril pergunta no início do clipe e vemos em sequência ela e sua banda bagunçando as lojas, zoando e assustando as pessoas, experimentando roupas aleatórias e quebrando objetos. Com seu rosto angelical ela transforma vandalismo e total desprezo pelo patrimônio alheio em pura diversão (você também ficou com vontade de roubar um mini bug e dirigir desgovernado por aí!). O vídeo foi uma sensação e era constantemente número 1 na MTV.

Canção: SK8R BOI
Direção: Francis Lawrence (Jogos Vorazes: Em chamas, Eu Sou A Lenda)

Falando em diversão, não tem nada mais empolgante do que um show improvisado no meio da rua certo? Avril reuniu sua turma em uma performance com direito a skatistas e quebradeira (como ela amava quebrar as coisas!) até que a polícia, bem, eles não ficam muito satisfeitos com essa agitação.

Canção: I’m With You
Direção: David LaChapelle (Amy Winehouse – “Tears Dry On Their Own”)

O conceito urbano e caminhar cantando por uma cidade aleatória nunca foi novidade para vários artistas mas definitivamente Avril Lavigne adora a temática: ela traz variações disto em outros clipe, veja “What The Hell” e “Smile” por exemplo,  que combina bastante com o Let Go.

Canção: Losing Grip
Direção: Liz Friedlander (The Boys, Jessica Jones)

Se o show da Avril fosse um show de rock seria o vídeo clipe de “Losing Grip”.

Álbum: Under My Skin (2004)
Canção: Nobody’s Home
Direção: Diane Martel  (Mariah Carey – “All I Want For Christmas Is You”)

Avril Lavigne escreveu essa canção sobre uma amiga que passava por depressão e problemas emocionais. O vídeo tem um roteiro elaborado e consegue apresentar a temática sombria sem ser clichê. Avril atua bem no papel da personagem aflita e abandonada.

A diretora Diane Martel trabalhou com outros grandes nomes do pop, entre eles Beyoncé, Mariah Carey, Alicia Keys e Justin Timberlake.

Canção: He Wasn’t
Direção: The Malloys

O álbum Under My Skin é, em geral, mais agressivo em apresentar angústias e aflições em seu conteúdo. O clipe de “He Wasn’t”, em contraste, é o mais animado da era.

Canção: Don’t Tell Me
Direção: Liz Friedlander (The Boys, Jessica Jones)

Quando perguntada sobre a composição de “Don’t Tell Me” Avril disse que é sobre ser forte e não ceder à pressão de nenhum garoto. Procurando retratar os sentimentos da canção, Lavigne quebra copos, joga roupas de cama no chão e até  soca um espelho. Crianças não façam isso em casa!

Canção: My Happy Ending
Direção: Meiert Avis (Audioslave- “Like A Stone”)

O tópico relacionamentos é uma constante no Under My Skin e o clipe de “My Happy Ending” explora o fim de um romance. Avril assiste cenas do casal em um cinema, o filme que começa com uma fotografia colorida, logo se torna cinzento e escurece indicando, assim como na letra da música, que todas as memórias se perderam e tudo foi muito para um final feliz.

Álbum The Best Damn Thing (2007)
Canção: Girlfriend
Direção: The Malloys

“Girlfriend” foi considerado pela revista Rolling Stones um dos 18 clipes mais icônicos da história. E faz jus ao título de fenômeno mundial: o vídeo foi o primeiro a atingir a marca de 100 milhões de visualizações no Youtube. No Brasil, por meio de votação popular, ficou em primeiro lugar no ranking da MTV de clipes que mais marcaram a história da emissora. Não é exagero dizer que a cultura pop nunca mais foi a mesma depois dele, que é, sem dúvida, o mais famoso da carreira de Avril.

Canção: Hot
Direção: Matthew Rolston (Madonna: Celebration – The Video Collection)

O diretor Matthew Rolston é identificado como “Guardião do Glamour de Hollywood”, no clipe de “Hot” ele explora elegantemente o lado mais sexy e glamourizado da cantora. Fabulous!

Canção: The Best Damn Thing
Direção: Wayne Isham (Metallica & San Francisco Symphony)

Avril Lavigne sempre usou as cores rosa e preto para mostrar a todas as meninas que ter uma atitude Rock and Roll é extremamente feminino e divertido! Sim, uma coisa não anula a outra. Assim é o clipe de “The Best Damn Thing”!

Canção: When You’re Gone
Direção: Marc Klasfeld (Little Mix feat. Nicki Minaj – “Woman Like Me”)

A melancolia que nos abate quando sentimos saudade de alguém que perdemos. E sim, meus olhos se enchem d’água quando vejo aquele senhorzinho viúvo lamentando a morte da esposa.

Álbum Goodbye Lullaby (2011)
Canção: What The Hell
Direção: Marcus Raboy (Judd Apatow – The Return)

Como boa empreendedora que é, Lavigne faz várias propagandas de sua marca de roupas Abbey Dawn e de sua coleção de perfumes neste videoclipe. Outra observação importante: quantas tomadas será que a pequenininha (ela mede 1,55m) levou para acertar aquela bola de basquete na cesta?

Canção: Smile
Direção: Shane Drake (Fall Out Boy- “Saturday”)

Se na era The Best Damn Thing, Avril estava mais princesinha do pop do que punk rock chick, nos videoclipes de “What The Hell” e “Smile”  vemos ela resgatar a atitude do início da carreira, afinal de contas você sabe que ela é uma “crazy bitch!”.

Canção: Alice
Direção: Dave Meyers (Taylor Swift feat Brendon Urie –  “ME!”)

Avril pessoalmente pediu ao diretor Tim Burton para escrever uma canção para o filme Alice no País das Maravilhas, além de criar um segmento de mesmo tema para sua linha de roupas Abbey Dawn. Nesse vídeo, estão inseridas cenas do filme de 2010 em paralelo com a própria Lavigne vivendo um dia de Alice.

Canção: Wish You Were Here
Direção:Dave Meyers (Billie Eillish – “Bad Guy”)

Em entrevista ao Zach Sang Show, Avril relata que o diretor de “Wish You Were Here” ofereceu cebola cortadas para ajudar na interpretação, porém, ela recusou e conseguiu chorar de verdade nas cenas. Parabéns garota!

Canção: Goodbye
Direção: Mark Liddell

Com a fotografia toda em preto e branco e um estilo retrô no visual da cantora, o último videoclipe da Era Black Star foi todo filmado no hotel Chateau Marmont. Bem chique!

Álbum Avril Lavigne (2013)
Canção: Hello Kitty
Direção: Sem informações

O clipe mais controverso da carreira da cantora, “Hello Kitty” foi removido do Youtube depois de acusações de racismos e apropriação cultural, entretanto, no Japão, país onde foi gravado, o vídeo recebeu críticas positivas e foi defendido pelos fãs nipônicos da cantora. Na minha percepção, que é bem leiga no assunto, o vejo mais como uma tentativa de Avril (que tem uma coleção gigante de bonecas Hello Kitty) demonstrar seu apreço pela cultura japonesa. Acho a música um tanto irritante mas assista pela polêmica e tire suas conclusões.

Canção: Rock N Roll:
Direção: Chris Marrs Piliero (Ariana Grande ft. Future –  “Everyday”)

O vídeo clipe é cheio de referências da cultura pop: de quadrinhos e seriados a bandas famosas de Rock e até própria carreira de Avril Lavigne estão nessa odisseia maluca que ela e sua namorada (no clipe) vivem para salvar o “Rock N Roll”. Repare o que acontece no 1:45 (é isso mesmo que você viu: ela deu uma bandejada em um boneco que supostamente seria um bebê?!). Insano!

Canção: Here’s To Never Growing Up
Direção: Robert Hales (Muse – “Dead Inside”)

Tudo neste clipe combina com a Avril: juventude, festa, música e banda, amigos, passear de skate no meio do corredor, fazer bagunça mas, acima de tudo, se divertir! Naturalmente a canção virou um hit em todas as formaturas por aí.

Canção: Let Me Go
Direção: Christopher Sims (Sigma feat. Birdy – “Find Me”)

Nesse Vídeo estaria a personagem de Avril morta e assombrando a velhice de seu antigo parceiro? Como se libertar dessas memórias? Com a participação de Chad Kroeger (vocalista e guitarrista do Nickelback), que era na época, seu marido, o vídeo é visualmente sombreado e traz ela tocando piano, instrumento que é figura carimbada em sua discografia.

Canção: Give You What You Like
Direção: Sem Informações

No canal do Youtube oficial da Avril Lavigne esse clipe encontra-se indisponível mas é possível assisti-lo em outras contas.  Por fazer parte da trilha de A Vida Secreta das Babás (2015) exibe cenas do filme e trechos de Avril em um local, aparentemente uma igreja escura cercada por velas. O irmão dela faz uma participação tocando violão.

Álbum: Head Above Water (2018)
Canção: Head Above Water
Direção: Elliott Lester (Em Busca de Vingança)

Avril compôs “Head Above Water” enquanto enfrentava a doença de Lyme e, chegou a pensar que iria morrer. A canção é praticamente uma oração e o videoclipe transmite uma experiência de renascimento (aqui no caso, das águas) .Não por acaso ele foi lançado no mesmo dia do aniversário dela: 27 de setembro.

Canção: I Fell In Love With The Devil
Direção: Elliott Lester

“I Fell In Love With The Devil” é, tecnicamente, um dos melhores clipes da videografia de Avril, no meu ranking pessoal é o melhor, esteticamente acho muito lindo. A ideia do vídeo foi toda da cantora e é uma metáfora para relacionamentos tóxicos. Repetindo a parceria com o diretor Elliot Lester, Lavigne, queria que ele funcionasse como um mini filme, e provavelmente, o gênero seria terror ou suspense. Como não ficar assustada com a Avril dirigindo ela mesma dentro de um caixão? Ainda bem que ela consegue se libertar. Nas palavras da própria: “dark as fuck”.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Clipes no Buteco

Terceiro Mundo Bom homenageia vanguardas e clássicos do cinema no clipe “Pérolas Irregulares”

Published

on

Terceiro Mundo Bom - clipe Pérolas Irregulares 2

A banda Terceiro Mundo Bom volta no tempo em seu novo clipe, para a faixa “Pérolas Irregulares”. Enquanto o EP auto-intitulado traz um olhar ácido sobre a realidade brasileira atual, o vídeo faz um paralelo com o expressionismo alemão e o surrealismo, estilos cinematográfico vanguardistas do começo do século passado. O resultado é um registro que leva o vocalista Diogo Brandão por diversos pontos do Rio de Janeiro em meio a referências de grandes obras.

Assista ao clipe “Pérolas Irregulares”:

Ouça “Terceiro Mundo Bom”: http://smarturl.it/TerceiroMundoBomEP

Enquanto a música caminha por elementos da música brasileira, com inspirações em movimentos como Tropicália e mangue beat, ao mesmo tempo que a guitarra fuzz remete a Queens of the Stone Age, a letra traz um um lirismo rasgado. Os versos imagéticos agora são acompanhados de cenas e releituras de filmes clássicos, como “O Gabinete do Dr. Caligari” (Robert Wiene, 1920), “Metropolis” (Fritz Lang, 1927), “Um Cão Andaluz” (Luis Buñuel, 1929) e “Nosferatu” (Friedrich Wilhelm Murnau, 1922).

“Pérolas Irregulares” é o segundo clipe da banda. “Terceiro Mundo Bom”, faixa que dá nome ao projeto, ganhou um clima de filme de terror trash com aventura de Sessão da Tarde, também situando essas fantasias pelas ruas do Rio de Janeiro.

Veja o clipe da música “Terceiro Mundo Bom”: https://youtu.be/d1rB5NrH6Bw

Tudo isso para mostrar uma apreciação pelo cinema, além da música, trazendo a vivência de ator do vocalista Diogo Brandão em primeiro plano. Não por acaso, a ideia para o vídeo surgiu em uma de suas aulas na tradicional Escola de Cinema Darcy Ribeiro.

“Esse clipe é uma forma de mostrar o nosso amor pela sétima arte, dialogando com a nossa música. O roteiro veio como um exercício de direção de fotografia, no meu curso de Direção Cinematográfica. A Marcela Miller, amiga e colega de turma, elaborou alguns fragmentos de pequenas cenas e eu e Thiago Castro fizemos o grosso do trabalho, gravando a maioria das cenas somente nós dois. Os editores Gab e Felipe Monteiro, também tiveram papel fundamental no resultado, juntamente com os meus pitacos de diretor e pesquisa de cenas de filmes do período, para enriquecer esteticamente”, explica Diogo. Além dele, a banda é formada também por Marcos Almir (guitarra), Robson Riva (bateria) e Guga Leão (baixo).

O primeiro EP da Terceiro Mundo Bom mostra a versatilidade do conjunto, que destila referências para além do rock e MPB, como o rap e o trip hop. As faixas bem-humoradas vão desde relacionamentos voláteis até amores que surgem no meio de um protesto, oferecendo um olhar novo sobre o Brasil de 2019.

Contando com a produção de Lucas Vasconcellos (guitarrista da formação atual da Legião Urbana, Letuce), o EP conta com a participação de Donatinho, que assina todos os synths e teclados do disco, e Gabriel Ventura (Ventre, Lenine), que toca em duas faixas. Além deles, o álbum conta com arranjos de metais de Vitor Tosta no trombone e Pedro Paulo, do Bloco do Sargento Pimenta.

Continue Reading

Clipes no Buteco

Os melhores clipes de Madonna

Published

on

MADONNA LOUISE VERONICA CICCONE, TAMBÉM conhecida como Madonna, chegou ao mundo em 16 de agosto de 1958 e, aos poucos, mudou tudo ao seu redor. Começou a correr atrás de oportunidade ainda jovem, lançou seu primeiro álbum em 1983 e não demorou muito para o público perceber que Madonna veio para abalar o mundo da música.

Escolher os 20 melhores clipes da cantora não foi uma tarefa fácil. Maddona tem uma vasta videografia que inclui trabalhos de diretores incríveis como David Fincher, Luc Besson, Mary Lambert e Jonas Akerlund.

Apreciem sem moderação:

Bônus: Human Nature

O álbum “Erótica”, de 1993, e o livro “Sex” trouxeram julgamentos de pessoas que consideravam Madonna uma má influência por tratar o sexo como algo natural. Como resposta, a cantora lançou a música “Human Nature”, onde afirma que não se arrepende de nada e que tudo isso é natural. O clipe, dirigido por Jean-Baptiste Mondino, foi gravado em um cenário branco e mostra Madonna em roupas de couro ao lado de dançarinos que a conduzem um uma sequência sadomasoquista.

https://www.youtube.com/watch?v=XTSrV_0vG-4

10) Rain

Sob a direção de Mark Romanek, o clipe de “Rain” foi filmado em preto e branco e posteriormente pintado à mão com tons de azul. A música tem uma pegada mais romântica e faz um contraponto com outros singles do álbum “Erótica”.

9) Justify My Love

“I wanna kiss you in Paris”. É com esse verso que começa uma das músicas mais sexies do pop. Em 1990, Madonna mostrou como fazer uma celebração ao sexo. O clipe com cenas de sadomasoquismo, voyeurismo e bissexualidade escandalizou os mais puritanos e é encerrado com a frase “Poor is the man whose pleasures depend on the permission of another” (Pobre é o homem cujo prazer depende da permissão de outros). Ousada como poucos se permitem ser.

8) Material Girl

O apelido de “Material Girl” não surgiu por acaso. Em 1985, Madonna apareceu em um clipe com grande referência ao número de “Diamonds Are a Girl’s Best Friend”, que marca um dos grandes momentos de Marilyn Monroe, no filme Os Homens Preferem as Loiras. A direção ficou por conta de Mary Lambert (responsável pelo filme Cemitério Maldito).

https://www.youtube.com/watch?v=e3wYIjI8WcI

7) Music

Ano 2000. Em agosto, poucos dias após o nascimento do filho de Madonna e Guy Ritchie, o clipe dirigido por Jonas Akerlund foi lançado e ganhou o coração de público e crítica. Misturando cenas em uma limusine e em boates com animação, o clipe tem ainda a participação de Sacha Baron Cohen como seu personagem Ali G.

6) Take a Bow

Mostrando que diva também tem o coração partido, Madonna estrela esse clipe que mostra sua paixão por um toureiro espanhol. Muita sensualidade, uma bela fotografia e a dor causada pelo fim compõem o vídeo.

5) Die Another Day

007 – Um Novo Dia Para Morrer não é o filme mais querido do espião, mas trouxe umas das melhores músicas de Madonna lançadas no século XXI. Sem colocar cenas do longa no meio do vídeo, “Die Another Day” transporta a cantora no universo do filme e a leva para uma prisão prestes a ser morta na câmara de gás. Enquanto isso, o bem e o mal, representados por Madonna em dose dupla, lutam e fazem uso de diversos objetos como referência aos filmes de James Bond. A música concorreu ao Globo de Ouro, mas perdeu para “The Hands That Built America”, do U2, pelo filme Gangues de Nova York.

https://www.youtube.com/watch?v=QXXEpNa3CqQ

4) Ray of Light

Em 1998, Madonna lançou aquele que é considerado por muitos, inclusive pela cantora Melanie C., seu melhor álbum, o “Ray of Light”. O clipe da faixa-título foi dirigido por Jonas Akerlund e mostra o cotidiano de diversas pessoas em alta velocidade. Madonna canta e dança muito em uma balada, e o vídeo levou 5 prêmios no MTV Vídeo Music Awards, incluindo o mais concorrido, Vídeo do Ano.

https://www.youtube.com/watch?v=a4tD8dy9Reg

3) Like a Prayer

Em 1989, Madonna lançou seu quarto disco de estúdio, “Like a Prayer”, e a faixa-título ganhou um clipe que fez história. A cantora aparece morena, testemunha um crime inter-racial e vai rezar em uma igreja. Por conta de diversas cruzes pegando fogo e do beijo em um santo negro, o clipe virou uma grande polêmica entre grupos religiosos e a cantora foi proibida, pelo Papa João Paulo II, de aparecer na Itália. Até mesmo um contrato de Madonna com a Pepsi foi abalado por causa da repercussão do clipe dirigido por Mary Lambert.

2) Express Yourself

Depois de “Like a Prayer” e sua polêmica, muitos devem ter pensado que Madonna ia ficar longe dos holofotes por um tempo. Estavam redondamente enganados. Em seguida, com uma letra que incentiva o amor-próprio, “Express Yourself” ganhou um clipe arrebatador. O vídeo mais caro da época foi dirigido por David Fincher (diretor de Garota Exemplar) e inspirado no filme Metrópolis, de Fritz Lang. Com muitos homens musculosos e mostrando a cantora como uma líder e depois acorrentada, o vídeo mostra um dos grandes momentos da música pop.

1) Vogue

Os haters podem não admitir, mas “Vogue” é um marco na música pop. Filmado em preto e branco, o clipe é uma homenagem à era de ouro de Hollywood e carrega influências do movimento de jovens homossexuais e transexuais do Harlem, em Nova Tork. Sempre ao lado de polêmicas, Madonna bateu o pé e não permitiu que a MTV removesse a cena em que ela usa uma blusa de renda pura. A justificativa da emissora era a suposta exposição dos mamilos de Madonna, mas é certo que, sendo obra de arte que o clipe é, os mamilos passam quase despercebidos, pois o conjunto final é hipnotizante. Também foi dirigido por David Fincher.

 

 

Continue Reading

Clipes no Buteco

Os melhores clipes do Aerosmith

O nosso editor escolheu os melhores clipes do Aerosmith. A banda se apresenta no Brasil em outubro de 2016.

Published

on

O AEROSMITH ESTÁ EM SUA SEXTA VISITA AO BRASIL e estou roendo as unhas com a expectativa de conferir meu primeiro show dos caras. Além de uma matéria especial com um top5 de participações em trilhas sonoras, agora preparei essa lista com os melhores clipes da banda. Confira:

10- “Girls of Summer

O que gosto nos clipes do Aerosmith é a forma como eles contam histórias estreladas por garotas. Lançado em 2002, o vídeo apresenta três garotas endiabradas que aprontam mil confusões enquanto curtem a vida adoidado no verão. Divertido e sensual na medida certa.

9- “Jaded”

Francis Lawrence (Jogos Vorazes: Em Chamas) dirigiu Mila Kunis em um dos melhores papéis de sua carreira. OK. Fui cruel. Sacanagem. Ela está bem em Cisne Negro e tal, mas a verdade é que o vídeo apresenta uma verdadeira história psicodélica com uma garota aprisionada num lugar que parece ser a mistura das festas de O Grande Gatsby com Moulin Rouge.

8- “Sunshine”

Se Tim Burton tivesse pegado umas referências com o cineasta Samuel Bayer (A Hora do Pesadelo e o clipe de “Smells Like Teen Spirit) antes de filmar sua visão de Alice no País das Maravilhas, talvez o longa não tivesse sido um desastre. Em “Sunshine”, que é o termo como o LSD é conhecido nas ruas, acompanhamos uma leitura muito louca (e digna) do clássico de Lewis CarrolL.

7- “Pink”

“Pink” iniciou a porra toda. É um dos primeiros clipes musicais que lembro de ter assistido na vida e provavelmente foi o meu primeiro contato com diversidade sexual. Engraçado imaginar que o clipe foi produzido justamente para combater o preconceito e eu fui uma das pessoas atingidas, justamente numa época em que era tudo novo e fácil demais de ser combatido. Foi paixão à primeira vista, e mesmo com os efeitos visuais capengas, é uma das melhores coisas que o Aerosmith lançou.

6- “Hole in My Soul

Mulher Nota 1000 com certeza é uma referência para “Hole in My Soul”, vídeo que apresenta a história de um jovem nerd solitário que decide criar a mulher perfeita em uma máquina. No entanto, ele acaba perdendo todas as suas criações para os marmanjos folgados da faculdade. Eva Mendes é uma das criações do nosso nerdão carente.

5- “Love in an Elevator”

Era normal ver um excesso de hormônios e insinuações sexuais em tudo que o Aerosmith colocava nos seus clipes. Da própria forma como Steven Tyler age no palco com seus movimentos “atômicos” até as mais óbvias, como garotas dançando ou gente se pegando. No caso, o pessoal se pega no elevador. Gosto muito da piadinha: “going down?” da moça do elevador para Tyler no começo do vídeo.

4- “Falling in Love (Is Hard on Kness)”

Michael Bay é mais um dos vários cineastas renomados que já trabalharam com vídeos musicais no começo de sua carreira. Bay é o responsável pelo vídeo maluco e cheio de referências BDSM de “Falling in Love”, que diga-se de passagem, é uma das minhas canções favoritas dos caras. É até legal perceber que o estilo de câmera agitado e instável de Michael Bay combina perfeitamente com a proposta da canção.

3- “Janie’s Got a Gun”

David Fincher, como muitos devem saber, iniciou a sua carreira como diretor de clipes musicais. Uma das bandas que teve a sorte de trabalhar com o futuro diretor de A Rede Social e Clube da Luta foi o Aerosmith em 1989 no vídeo de “Janie`s Got a Gun”. Com direito a clima noir e toda uma história de mistério, Fincher acertou em cheio ao falar sobre relacionamentos abusivos.

2- “Cryin'” e “Amazing”

Defendo a ideia de que os dois clipes de complementam e que Alicia Silverstone interpreta a mesma garota nos dois vídeos. No primeiro ela se fode com brigas e frustrações com o ex, daí muda de vida e conhece um garotinho inocente do bem num jogo virtual.

1- “Crazy”

Lançado em 1994, “Crazy” permanece imbatível no topo dos melhores clipes musicais do Aerosmith. Afinal, como é que eles poderão superar algum dia a aventura de Alicia Silverstone e Liv Tyler fugindo da escola para viverem um dia inesquecível? É como comentei logo no começo do artigo: os vídeos da banda são fodas na arte de retratar garotas e aqui temos o melhor exemplo disso. Se inspiram sonhos eróticos e apaixonados nos garotos, as duas representam toda uma geração de garotas que sonhavam em ser exatamente como as protagonistas do clipe e viverem sem se preocupar com as “regras”.

O mais louco de “Crazy”, sem trocadilhos, é notar a bizarra semelhança entre Steven Tyler e sua filha, mas ainda assim saber que ele é muito feio e ela tão bonita que até ficou imortalizada como a Elfa Arwen na trilogia de O Senhor dos Anéis.

SERVIÇO:

11 de outubro: Porto Alegre @ Anfiteatro Beira Rio
15 de outubro: São Paulo @ Allianz Parque
21 de outubro: Recife @ Classic Hall

(Clique nas datas para informações completas de cada show)

Vendas: Ingresso Rápido (São Paulo e Recife) e Blue Ticket (em Porto Alegre).

Classificação etária: 14 anos (São Paulo) e 16 anos (Porto Alegre).

show-aerosmith-banner

Continue Reading

Bombando!