Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Sons de Buteco: O Corvo

O CORVO FOI LANÇADO EM MAIO DE 1994, ou seja, se passaram vinte anos desde o seu lançamento e até hoje existe toda uma mística especial em torno da produção. A tragédia que ocasiou na morte de Brandon Lee (numa morte misteriosa enquanto filmava uma cena de tiroteio) possivelmente é a principal responsável por sustentar a obra de Alex Proyas.

É claro que os espectadores modernos não sentirão o mesmo tesão assistindo ao filme hoje. Primeiro porque compararão a caracterização de Eric (Lee) com o Coringa vivido por Heath Ledger em O Cavaleiro das Trevas. E segundo, talvez mais importante, os efeitos visuais são bem toscos. Tipo, bem toscos mesmo. Mas quem ignorar esses dois fatores poderá se divertir muito com um verdadeiro filme de herói de qualidade produzido nos anos 90, quando apenas o Batman conseguia atrair público. A atmosfera gótica do universo do Homem-Morcego certamente influenciou muito o desenvolvimento de O Corvo, personagem criado por James O’Barr em 1989 para uma HQ, e o cineasta conseguiu se manter fiel ao original e acertou em cheio na escolha das músicas da trilha sonora, que deixam o filme ainda melhor.

Mais do que um filme gótico de herói, O Corvo é um belo exemplar de obras relacionadas ao tema “vingança”. Eric volta a viver um ano depois de ser assassinado por uma gangue de delinquentes (os vilões são totalmente superficiais e unidimensionais, parecem mesmo terem saído de histórias em quadrinhos descompromissadas) e tem apenas a intenção de vingar a sua morte, e a da noiva. O Corvo, infelizmente, parece ser ignorado na maioria das listas que citam os grandes filmes do gênero, quando na verdade pode ter uma influência bem maior do que o imaginado.

- Advertisement -

Para homenagear essa obra inesquecível do sub-gênero filmes de heróis, aproveite para conhecer mais sobre as músicas que fazem parte de O Corvo:

“Burn” – The Cure

The Cure serviu como uma das grandes influências de James O’Barr para criar seu personagem. A faixa “Burn” é a primeira a ser tocada em O Corvo, e logo na sequência em que Eric volta a viver e sai do cemitério rumo ao seu apartamento.

“Dead Souls” – Nine Inch Nails

O Nine Inch Nails, do vencedor do Oscar Trent Reznor, fez uma cover inspirada da faixa do Joy Division. Escutamos a música logo no comecinho, quando Eric corre pelos prédios (do mesmo jeito que Peter Parker faria em Homem-Aranha quase dez anos depois) descobrindo seus poderes e rumando para iniciar a sua vingança.

“Big Empty” – Stone Temple Pilots

A faixa “Big Empty” fez a sua estreia na trilha sonora de O Corvo, mas foi usada no repertório do segundo disco da banda Stone Temple Pilots. Dá para reparar no quanto a faixa se parece com “Creep“, já que ambas usam a mesma estrutura de acordes leves nos versos e distorção pesada no refrão. Só pela referência, já merece ser ouvida!

“Darkness (Of Greed)” – Rage Against the Machine

RATM numa trilha sonora é sinal de respeito. Você tem que parar, ouvir, admirar e se controlar para não fazer o headbanger e esquecer que está vendo um filme. A faixa foi deixada de lado do álbum de estreia e foi lançada apenas como um b-side.

“Snakedriver” – The Jesus and Mary Chain

Se você quer fazer um filme gótico com uma trilha sonora memorável não poderia de jeito nenhum deixar de fora o The Jesus and Mary Chain, que junto do The Cure e Joy Division (presente indiretamente com a versão do NiN) fazem parte da tríade sagrada do estilo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.