Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Digam o que Quiserem


Cameron Crowe tem um estilo marcante e inconfundível. Seus filmes sempre contém uma história leve e fácil de acompanhar, além de levarem o jeito “croweniano” peculiar de tratar os relacionamentos. Mas o que realmente é sua assinatura – na minha opinião, claro – são as excelentes trilhas-sonoras.

Digam o que Quiserem é o primeiro filme do diretor estadunidense. De 1989, conta uma daquelas histórias que a Sessão da Tarde ama. John Cusack, novinho e bonitinho, é Lloyd, um garoto que acaba de se formar e não tem a mínima idéia do que fazer com sua vida. Diane (Ione Skye) se graduou com méritos e tem seu futuro pronto numa faculdade inglesa. No verão, prestes a se mudar e começar uma nova vida, ela resolve deixar que Lloyd a leve para sair. E aí, vocês já sabem. O filme não tem nada demais. Mas são personagens com dúvidas e sentimentos tão reais, que acaba chamando a atenção. Lloyd é um daqueles caras raros, sensível, rodeado de amigas que morrerão de inveja da sortuda que o conquistar. Diane é uma filha exemplar, focada em seus estudos e sem tempo de namorar. Os dois formam um casal simpático, desses que você tem certeza do casamento.

Para início de uma carreira brilhante, Cameron Crowe debutou com louvor. Destaque para o roteiro, com frases como “Eu quero me magoar!” e “Eu dei a ela meu coração e ela me deu uma caneta”, para a atuação dos personagens principais, mas principalmente, destaque merecido para a trilha-sonora: Living Colour, Soundgarden, Aerosmith, Red Hot Chilli Peppers, e por aí vai – até o jazz está presente com Dave Burbeck Quartet (e uma de minhas músicas preferidas).

- Advertisement -

Recomendo!

Trailer:

ps: post escrito em 13/11/2009

Comentários