Elektra | Cinema de Buteco

Elektra

elektra_ver2 Elektra

E o que é pior, SEMPRE pode ficar pior. Depois de 2 anos da estréia de Demolidor (2003), e da “ansiedade” (fãs do HQ – se é que existem -, me perdoem, mas que porcaria!) pela aparição da heroína, Elektra vai para as telonas, e… fiasco!

Ok, sendo a personagem grega, a única coisa que pode tornar a história interessante é a mitologia envolvida no nome:

Electra, filha de Agamemnon, maltratada pela mãe, leva um ódio mortal por ela e induz seu irmão a matá-la, para vingar a morte de seu pai (assassinado pelo amante de sua mãe). O termo “Complexo de Electra” designa a versão feminina do Complexo de Édipo.

Isso, de certa forma pode explicar algumas coisas no filme. A sede de vingança que a heroína tem, a sua conexão forte com o pai (percebida no Demolidor). Agora, uma breve história da personagem:

Criada por Frank Miller, Elektra foi o primeiro amor de Matt, mas, depois que seu pai é assassinado, se refugia na Grécia. Quando volta, devido à fúria acumulada pela morte do pai, é contratada como assassina do Rei do Crime – fato que gera a mais memorável briga em sua história, contra o Mercenário. Durante o duelo dos dois, ela morre, mas é trazida de volta, momento de transição entre vilã e anti-heroína, que culmina num tipo de “redenção”.

elektra_ver2 Elektra

No filme, Elektra (Jennifer Garner) é uma assassina profissional, cuja missão é matar uma menina de 13 anos e seu pai. Mas, depois de firmar laços com os dois, ela passa a defendê-los de inimigos com poderes sobrenaturais.

Sinceramente? Não assista. Não recomendo. A heroína tem, assim como o Demolidor, margem para uma história atraente e interessante. Mas o que vemos é uma narrativa chata, fictícia demais e sem sal. Nem a roupinha vermelha consegue chamar a atenção. Muito ruim!

Ficha Técnica
Título Original: Elektra
Gênero: Aventura
Tempo de Duração: 97 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 2005
Direção: Rob Bowman
Roteiro: Raven Metzner, Zak Penn e Stu Zicherman, baseado em estória de Zak Penn e na personagem criada por Frank Miller

Trailer:

Redação do Buteco

Cinema por quem entende mais de mesa de bar.

Comentários

  1. Bom o post, poderia ter falado mais, mais no básico, sabemos que o cinema ainda nao pegou o jeito para adaptar os quadrinhos, Olhamos pra trilgia X-men aff e o que dizer de Dragonball.
    Ou seja um dia eles vao parar e falar, vamos apenas filmar um roteiro q ja ta na revista e nao inventar coisas so pra vender bonequinhos….Parabens pelo blog ai…

  2. mais? só se for pra contar a parte em que a elektra joga a SAI (aquela faquinha de michelangelo das tartarugas ninjas) no cara cuja tatuagem cria vida e ataca a menina… ou pra contar que ela morre… mas, óóó, ela vive depois! iei

  3. hsuahs
    valeu pelo elogio sr eduardo e volte sempre…
    mas me recuso a ver esse filme! não dá! acho indigno…

  4. eu nem vi este.. mas sei que a elektra esta no filme demolidor ne?
    (q eu achei RUIM demais)
    aiuheiheaiheae
    só pq ele nao tem cu!
    pq quem tem cu tem medo!

  5. gostei do filme…(o primeiro aqui….)
    mas gosto de filmes mentirosos, com coisas forçadas….filmes pra se divertir e comer um pouco de pipoca às vezes tbm são bons, pra dar um tempo nos filmes complexos e com filosofias extremas.
    conconrdo com o q vcs disseram e tudo, e elektra não faz meu estilo de filme….
    mas me diverti!
    ateh mais!