Cinema por quem entende mais de mesa de bar

A origem

A Origem - Inception

SIM, NESSE SITE EXISTEM TRÊS ARTIGOS deste filme de Christopher Nolan: Uma criada pelo Tullio, onde podemos ver uma comparação entre Matrix e a história do filme, outra feita pelo João, que lembra muito bem o filósofo Decartes que em sua teoria diz que “estamos vivendo numa realidade paralela” (mesma filosofia de Matrix, para lembrar) e outra feita pelo Fred que destaca as cenas de ações, que realmente são lindas e muito bem feitas. Leia todas antes de ler esta porque será um complemento. Como Matrix, este filme não acaba quando sobe as letrinhas dos créditos. É muito além disso.

Comparando A Origem com outro filme, Brilho eterno de uma mente sem lembranças, os sonhos sao tratados de uma maneira diferente. Se no primeiro têm a ver com um pesadelo, onde a culpa e o inconsciente estão sempre presentes, o segundo mostra os sonhos como uma lembrança, algo não tão profundo, como se fosse uma resenha do seu dia. Olhando esteticamente os dois, o filme de Nolan tem uma imagem escura, algo tenebroso e sombrio, como uma tempestade. Já no filme de Michel Gondry, as imagens são mais nítidas e limpas, com algumas imagens fora do lugar ou com caras borradas.

- Advertisement -

A Origem - Inception

Outro detalhe é “o que você faz dormindo vai influenciar seu sonho diretamente”. Repare que isso acontece na cena do primeiro nível (como chamam o primeiro sonho, um mais leve): O sonhador está com vontade de ir ao banheiro então toda a história é passada na chuva. Quem nunca sonhou que estava num trio elétrico quando na verdade estava ouvindo seu celular tocar? Lembre-se também que para eles saberem que é hora de agilizar as coisas porque logo acordarão, eles ouvem Edith Piaf, a música na qual a autora fala que não se arrepende de nada do que fez na vida inteira (Non, Je Ne Regrette Rien). Outra ligação: Marion Cotillard, a Mal do filme (Nome abreviado de Malorie, derivado de Malheur que em francês significa desgraça. Além de Mal, para a gente significa maldade mesmo) foi Piaf nos cinemas e por causa deste filme ganhou um Oscar e o mundo (apesar de Nolan disse que a escolha da música foi pura coincidência).

Existem referências da psicanálise encontradas no filme: Melanie Klein possui uma teoria de fantasia. Segundo ela, as fantasias pré- conscientes e conscientes fazem a personalidade do individuo deste de criança. Usamos a fantasia, por exemplo, para esconder algo ruim. Voltando ao Inception, o personagem de Leonardo Dicaprio, Cobb (o nome é referência a outro filme de Nolan, Following onde há dúvida se o protagonista realmente é um ladrão) prende sua amada, que se suicidou, numa espécie de porão da culpa, onde ela sempre espera que ele volte. Freud também está presente. A teoria de sonho dele é que são manifestações do inconsciente. Lembraram-se da cena onde um trem aparece no meio da rua?

A Origem - Inception

Uma referência artística é as escadas de Escher, grande gravurista do século XX. Em suas obras Escher usava muito as escadas sem fim e nem começo como na sua obra Relativity. No filme, a referência aparece na hora em que Arthur (personagem de  Joseph Gordon-Levitt) ensina a Ariadne (Ellen Page) como o sonho funciona. Escher também trabalhava muito com sonhos (apesar de não ser surrealista) e algumas de suas gravuras exprimem a agonia de um pesadelo (ou de um sonho muito doido). Alias, Ariadne é outro nome que não foi dado a toa: Na mitologia Grega ela é filha de Rei Minos e ajuda Teseu a passar pelo labirinto do Minotauro. Lembrando que no filme Page é a Arquiteta dos sonhos.

Outras situações que aparecem no filme e que é legal comparar com a vida real: Você não vai conseguir colocar uma ideia cabeça de uma pessoa se infiltrando lá. Há umas teorias de que se ouvir algo enquanto está dormindo, como por exemplo, a matéria da sua prova de matemática, você estará estudando porque é na hora da sua cochilada que a mente funciona melhor. Quem não se lembra do episódio de Friends que para Chandler parar de fumar ele passa a ouvir uma fita cassete com este tipo de conselho. A fita era para mulheres e ele acaba ficando mais feminino por isso. Isso não acontece na realidade. Pode chegar a influenciar seu sonho, mas não pode fazer com que haja uma mudança brusca de ideia.

O sonho não dura mais que o sono. Você não vai dormir por 6 horas e vai sonhar uma história de 1 semana. Sonhamos o tempo no relógio. Mas aquele fato de que não tem como se lembrar de quando começa um sonho é real. Tente fazer isso como experiência: acordar de uma boa noite de sono e tentar recordar do inicio… Não vai… Até porque, “neuromodulador que controla a memória, não está presente”(Superinteressante, outubro, 2010), ou seja, lembraremos apenas do final dele e não do inicio.

É tanta informação que duvido que você veja o filme com olhos inocentes desta vez. Depois comente aqui e me fala “O que significa o número 528-491 ?” ou /spoiler “Será que para Cobb tudo não passou de um sonho?” /spoiler . Tenho minhas conclusões, mas a melhor coisa deste filme é que você tire as suas.

Título original: Inception
Direção: Christopher Nolan
Produção: Christopher Nolan, Emma Thomas
Roteiro:Christopher Nolan
Elenco: Leonardo DiCaprio, Ken Watanabe, Joseph Gordon-Levitt, Marion Cotillard, Ellen Page, Tom Hardy, Cillian Murphy, Dileep Rao, Tom Berenger, Michael Caine
Lançamento:2010
Nota:[cinco ]