Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Eu Sou o Número 4

D.J. Caruso gosta de Kings of Leon. Longe de ser um diretor competente, pelo menos o responsável por Paranóia demonstra ter um pouco de bom gosto musical na escolha das músicas de seus filmes. Logo no começo da adaptação do livro de Eu Sou o Número 4, a faixa “Radioactive” embala uma sequência onde os personagens se divertem numa tarde ensolarada. Não seria um crime dizer que este é o melhor momento do filme…

Estrelado por Alex Pettyfer (galã favorito da amiga Selhe Moreira) e com a participação de Timothy Olyphant, a adaptação começou a ser filmada antes mesmo do livro ser finalizado. Em tempos atuais, quando Harry Potter se despede dos cinemas e O Hobbit parece ser o último suspiro de adaptações de qualidade, os estúdios buscam novas fontes de renda na literatura adolescente e Eu Sou o Número 4 tinha todos os pré-requisitos para agradar ao público jovem. O diretor Michael Bay estava cotado para a direção, mas um conflito na agenda (leia-se Transformers 3) o impediu de ter mais um “assassinato” no seu vasto currículo de serial killer do cinema. Não que isso tenha significado muita coisa, pois o resultado final de Eu Sou o Número 4 é decepcionante, mas pelo menos o espectador não corre o risco de ficar tonto com os cortes frenéticos a cada 4 segundos e as inúmeras explosões de Michael Bay.

- Advertisement -

O roteiro PARECE ser original e divertido, mas a história do alien sobrevivente que precisa lutar contra os perigosos (cabeçudos e horrorosos) mogadorianos para salvar o planeta, não convence. Dos efeitos especiais aos clichês do roteiro (bullying até quando? se apaixonar pela bonitona da escola? brigar com os valentões?) até a atuação fraca dos atores, nada corresponde às expectativas. Olyphant tenta ser o mestre e “pai” de Pettyfer, mas o personagem é tão “perigoso” que ele acaba se perdendo e criando o encontro distorcido do mestre Yoda com o senhor Myagi de Karate Kid. Mas seria esperar demais boas atuações em um filme feito para o público adolescente dos anos 2000, quando a maioria aguarda ansiosamente pelos lançamentos da franquia Crepúsculo.

Eu Sou o Número 4 pelo menos tem uma estrutura de princípio, meio e fim. Mesmo que não ganhe uma sequência (o final deixa claro que existe um prosseguimento nas aventuras dos personagens), as pontas soltas do roteiro são aceitáveis e deixam abertas as possibilidades de uma continuação ou não. Contando que tenha Kings of Leon na trilha sonora de novo, podemos até esperar com os ouvidos cheios de ansiedade…

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.