Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Soldado Universal 3: Regeneração

Há muitos anos o diretor Roland Emmerich, famoso por dirigir filmes catástrofe como Independence Day e 2012, levava para o cinema a história de super soldados do exército norte-americano. Na época o ator Jean Claude Van Damme gozava de certa reputação como astro dos filmes de ação e podemos dizer que até chegaram a existir bons filmes (embora fossem raros) como Timecop e O Alvo, além desse Soldado Universal original. Hoje, quase vinte anos depois, o ator ainda continua na ativa e, como não podia deixar de ser, investindo em filmes de ação de qualidade duvidosa.

- Advertisement -

Curioso lembrar que recentemente ele estrelou uma espécie de biografia (no melhor estilo O Lutador, onde mostrava sua decadência como artista) e conseguiu surpreender ao mostrar que podia ser (um pouco) mais que músculos e chutes. Depois de JCVDparecia que a carreira de Van Damme voltaria aos eixos e ele se tornaria, novamente, um ator de respeito. Mas não foi bem isso que aconteceu. Além de esnobar o convite de Sylvester Stallone para integrar o elenco de Os Mercenários (longa que promete realizar os sonhos de todo fã do cinema de ação dos anos 80/90), o belga resolve revisitar um de seus grandes sucessos. Soldado Universal 3: Regeneração não chega a ser horrível, mas está bem longe de evitar a vergonha alheia que acabamos sentindo ao ver Van Damme tentando esboçar emoções.
O filme aparentemente não tem conexão nenhuma com a parte dois (a qual eu não vi e não tenho intenção nenhuma de ver algum dia) e começa logo onde o original parou. A personagem que JCVD interpreta está se recuperando e em período de adaptação na sociedade. Porém tudo muda quando outro super soldado sequestra os filhos de um líder político e ameaça explodir uma bomba nuclear no país. O exército não tem outra chance que não usar o velho super soldado para salvar a pátria e evitar o pior.
Poderia até ser interessante rever o encontro de Dolph Lundgren e JCVD, mas tudo acontece de uma forma extremamente pateta. Lundgren é um cara inteligente, mestre em química e com um alto nível de Q.I., mas parece que seu hobby é aparecer em filmes e fingir que é ator. Nem mesmo o Murilo Benício tem expressões faciais tão reduzidas. Seu personagem aparece de maneira inexplicável e se era criada a expectativa de ver os dois lutadores lutando contra um super soldado from hell, acabamos desiludidos ao perceber que o personagem de Lundgren nem mesmo encontra o novo soldado. Previsível e nada interessante. Poderia ter um resultado bem melhor se o roteiro usasse a união dos dois inimigos contra um sujeito ainda mais poderoso.
Infelizmente Soldado Universal 3 começa ruim (a sequência inicial é um tanto mongol e tosca) e tem um daqueles finais que nós imploramos para não ver nunca. Sabem quando o filme termina com o sorriso do vilão e indicando que não acabou ali e ainda vamos ouvir falar dele? E’ exatamente desta maneira que o filme acaba. E para quem teve que aguentar o Dolph Lundgren com crise existencial na parte final do filme, o resultado é um grande exercício para a paciéncia do espectador. No meu caso ela é quase nula e apostaria várias balas juquinha que a sua não deve ser lá muito diferente…
Ficha Técnica:
Soldado Universal 3: Regeneração (2009)
Dirigido: John Hyams
Roteiro: Victor Ostrovsky
Genêro: Ação
Elenco:Jean Claude Van Damme

Trailer: