Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Adam – Crítica do Filme (2019)

Representante do Marrocos no Oscar, filme expõe sutilmente o machismo no país, por meio da relação entre duas mulheres.

Primeiro filme da diretora e roteirista marroquina Maryam Touzani, Adam (2019) fala sobre a relação entre duas mulheres. Abla (Lubna Azabal) é uma viúva dona de uma pequena padaria em Casablanca, onde vive com sua filha de oito anos Warda (Douae Belkhaouda). Ao se deparar com Samia (Nisrin Erradi), uma jovem grávida que está dormindo na rua, decide ajudar a garota. Ela permite que fique em sua casa por algumas noites mesmo que relutante, uma vez que não é bem visto pela sociedade marroquina uma mulher grávida que não seja casada.

A relação entre as mulheres é construída lentamente. Durante muito tempo, apenas acompanhamos a rotina delas, por vezes em silêncio. Isso pode parecer simples ou monótono, mas não é. Tal construção é importante para entender a evolução do laço delas.

Além disso, o filme quase não tem outros personagens. Portanto, a grande chave para o seu sucesso está na interpretação das protagonistas. Erradi expressa muita generosidade através de seu olhar, enquanto Azabal, famosa por filmes como “Incêndios” e “Paradise Now”, é o oposto, expressando muita dureza. Ambas as personagens vão mudando suas personalidades ao longo do filme, vale lembrar.

- Advertisement -

Eu não sabia de muita coisa sobre a situação atual da mulher no Marrocos, mas acho importante entender o contexto em que o longa se passa. Ter um filho fora do casamento é considerado ilegal. Para mulher, isso significa ser repudiada para sempre pela sociedade. Por isso, devo ressaltar a importância dessa obra, quase toda produzida por mulheres.  Além da diretora e das atrizes, a polonesa Virginie Surdej é responsável pela fotografia e a edição é da belga Julie Naas.

“Adam” fez parte da seleção oficial da mostra “Um Certo Olhar”, em Cannes. Recentemente, foi escolhido para representar o Marrocos na categoria de Melhor Filme Internacional do Oscar 2020.

O drama estreia no Brasil em 14 de novembro e a diretora vai a São Paulo para o lançamento.