Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Filme: Minions

minions crítica

Como não amar os Minions? Eles são muito, mas muito fofos e simpáticos e isso conquista o coração dos espectadores, não tem jeito. Esses personagens amarelos conquistaram o público em Meu Malvado Favorito, só que chegou a hora de ganharem um filme só para eles. Em Minions (Minions, EUA, 2015), conhecemos sua origem no mundo e seu encontro com dois vilões que vão dar trabalho e sofrer com eles, mesmo que sem querer por parte dos Minions – eles são leais, mas bem desastrados. O resultado não é incrível ou marcante, vou ser sincera. Só que, para quem os ama, vale a pena aproveitar a oportunidade para passar um tempinho a sós com eles no cinema.

O trailer quase que revela totalmente os primeiros minutos da animação dirigida por Pierre Coffin e Kyle Balda: a chegada dos Minions ao planeta, sua relação com os dinossauros, homem das cavernas, drácula, faraós, revoluções, entre outros. No entanto, quando eles ficam deprimidos pela falta de um mestre, o trio formado pelo líder Kevin, o rebelde Stuart e o pequeno Bob (Coffin dubla todos os Minions) resolve desbravar o mundo em busca dessa pessoa. E eles a encontram em Nova York, no ano de 1968: Scarlet Overkill (Adriana Esteves), a primeira vilã do mundo e a mais amada também.

- Advertisement -

Em um evento voltado para super vilões, a personagem lança um desafio e quem realizá-lo poderá ser seu novo escudeiro. É claro que, como de se esperar, os Minions vencem e são eleitos os novos capangas da mulher. Como missão, Scarlet e seu marido, Herb (Vladimir Brichta), pedem ao trio para roubar a coroa da Rainha Elizabeth e eles terão o que quiserem como recompensa. O problema é que eles são os Minions, ou seja, isso não vai sair como o esperado.

É praticamente impossível não se apaixonar pelos protagonistas porque, digo novamente, eles são fofos demais. A paixão que têm por banana, o jeito desleixado, a língua bizarra que falam mas que todos nós entendemos mesmo assim, a lealdade aos seus chefões…tanto crianças quanto adultos vão se divertir com isso. Os dois antagonistas também são interessantes. Scarlet e Herb formam um casal malvado, mas amoroso e carismático, não é à toa que escolheram Esteves e Brichta para dublarem eles. Os brasileiros foram muito bem e apresentaram uma excelente química juntos.

Por que nada de incrível? Bom, Minions é um filme feito para nos divertir e nos fazer rir constantemente. Sim, é possível fazer filmes de comédia que sejam marcantes, é óbvio, porém, neste caso a Universal não chegou a esse nível. A produção é engraçadíssima, mas a história é apenas OK; os Minions conseguem sua vilã, fazem besteiras consecutivas que levam Scarlet e o marido a irem atrás deles e, no final, temos um conflito de alta proporção. Nada demais.

Talvez tivesse sido mais legal se o roteiro de Brian Lynch tivesse aprofundado mais nas cenas do trio com os vilões, ainda mais porque a relação deles com o mestre Gru em Meu Malvado Favorito foi bem desenvolvida, então, esperava-se que aqui os Minions tivessem construído certa proximidade com o casal. Como o enredo se desenvolve rapidamente, não temos a oportunidade de vermos isso ser transmitido de forma mais profunda e isso atrapalha um pouco o nosso envolvimento com tudo aquilo. Temos um caso de amor e ódio entre ambas as partes, mas esse caso não foi explorado devidamente; eu queria mais!

Além disso, com exceção da última cena, que vai surpreender muita gente – e para o bem! -, os últimos minutos foram um pouco, digamos, mal pensados. Não posso dar spoilers, mas você vê e fica: “Ah, sério que vai ser assim?”. Foi um pouco decepcionante, faltou imaginação.

Minions não é um longa inesquecível e tem algumas falhas, mas atende aos fãs que estavam doidos para vê-los na telona mais uma vez. Eles estão hilários e vale a pena o ingresso para matar a saudade, especialmente da voz única que eles têm. Ela está presente do início ao fim, até mesmo na trilha de introdução ao filme!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.