Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Crítica de Mulher-Maravilha 1984: Jenkins e Gadot acertam de novo

Patty Jenkins e Gal Gadot acertam mais uma vez em nova aventura da heroína da DC Comics.

mulher-maravilha 1984 crítica

Crítica de Mulher Maravilha 1984: Jenkins e Gadot acertam de novo.

Três anos e meio após o lançamento de Mulher-Maravilha (2017), finalmente pude conferir a sua aguardada continuação. Agora, o cenário passa da Primeira Guerra Mundial para o ano de 1984. Por isso, o título Mulher-Maravilha 1984. Já adianto que, para quem gostou do longa anterior, este é tão bom quanto.

- Advertisement -

Inicialmente, senti que a produção de 2017 havia me surpreendido mais. No entanto, vi que não foi isso. Na verdade, tive essa impressão porque na época foi algo novo: foi a primeira vez que eu assisti a um filme baseado em quadrinhos com uma mulher (Gal Gadot) como protagonista. Então, foi um misto de “que filme foda”, com “cara, esperei tanto tempo, que emoção”. Após ver o segundo filme e refletir por um período, cheguei à conclusão de que vale o tempo tanto quanto o outro.

Novo cenário

A diferença é que este tem uma história bem diferente e outro foco. Estamos na década de 80, em Washington. Jenkins mostra o período com todas as cores, estilo e vida que ele merece. O processo de adaptação de Steve (Chris Pine) é hilário. Afinal, o último mundo que ele conheceu foi em 1918. Imagina o choque em ver esse lugar completamente diferente quase 70 anos depois! Esse é um dos pontos positivos da releitura feita pela diretora: um visual colorido, com humor e drama bem equilibrados. DC Comics não é só sombra e drama. Essa mesmice estava irritando, mesmo com filmes sólidos como os da trilogia de Christopher Nolan, por exemplo.

Aproveito para destacar a química de Gadot e Pine. Se em 2017 os dois estavam perfeitos, em 2020 repetem o êxito. A conexão de ambos é convincente o tempo todo, passando por momentos que se dividem entre emoção extrema e risos. Sem dúvidas, um casal que nos apaixona e nos diverte.

Enredo

O vilão da história não é o Deus da guerra. O vilão é um artefato de origem desconhecida, que causa estragos absurdos com quem o usa. No caso, o mundo se vê em grande perigo por causa da ganância e egoísmo de Maxell Lord (um excelente Pedro Pascal). Já adianto que ele não é um monstro ou algo do tipo. Jenkins humaniza bem o personagem, que sim, erra bastante e provoca o caos, mas não passa de um pai que quer deixar o seu filho orgulhoso, e acredita que dinheiro e poder são os ingredientes necessários pra isso.

Outro ponto interessante do roteiro é Barbara Minerva (Kristen Wiig). Uma mulher brilhante, bondosa e alto astral, mas com uma baixa autoestima enorme, que acaba cegando-a e fazendo com que ela transforme a sua inveja e raiva em violência. Assim como Pascal, Wiig se destaca nas cenas em que aparece. Seria legal vê-la novamente na franquia.

Mulher Maravilha

Gadot é o tipo de atriz que você vê e diz: “ela nasceu para esse papel”. Desta vez, ela nos encanta com um toque ainda mais especial: uma trilha sonora de Hans Zimmer. Seus olhares, movimentos e carisma a fazem dominar o filme ponta a ponta. Não dá pra tirar o olho da tela. Dá pra entender a admiração de todos que olham pra ela em qualquer lugar que entra.

Porém, uma das coisas que mais gostei no filme foi ver o lado frágil da heroína. Os primeiros minutos da produção mostram ela criança, aprendendo com seus erros. O tempo passou e ela, por mais madura e inteligente que seja, ainda sofre por Steve, seu único amor. Ele morreu há quase sete décadas e ela ainda não conseguiu deixá-lo ir. Muito menos deu chance a outro homem. Ou seja, o fato de ser uma mulher empoderada, independente, forte e boa, não a faz imune de sofrimento e de não querer abrir mão do que quer. Ser uma heroína não a torna incapaz de sentir.

Veredito

Mulher Maravilha 1984 atende às expectativas. Como longa de ação, tem ótimas cenas de perseguição e luta. Destaco a sequência inicial e outra no Egito. Como drama, vemos os personagens com dilemas morais significativos e bem desenvolvidos. Jenkins abre espaço até para discutir sobre assédio sexual. Visualmente, um espetáculo; tanto o cenário quanto os efeitos especiais são muito bem detalhados e convincentes. Também preciso admitir que o longa chegou bem perto de me fazer chorar, algo que o primeiro não fez.

Ps: a cena pós-créditos é um presente para os fãs. Não saia da sala!