Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Crítica do Filme: The Batman (2022)

O Cinema de Buteco adverte: A crítica de The Batman possui spoilers e deverá ser apreciada com moderação

THE BATMAN POSTERA PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR É: Martin Scorsese está orgulhoso da realização de Matt Reeves nesse mundo de “Parque de Diversões” que o cinema virou desde que os fãs de HQ’s tiveram a impressão que a Marvel inventou a sétima arte?

Reeves (Cloverfield; Deixe-me Entrar; Planeta dos Macacos – O Confronto; Planeta dos Macacos – A Guerra) não se intimidou com a responsabilidade de não apenas substituir Ben Affleck, como também cuidar de uma nova versão da joia mais preciosa da DC/Warner. Ao lado de Peter Craig (roteirista de Atração Perigosa) escreveu um roteiro pesado e cheio de mistérios para mostrar pela primeira vez o lado detetive do herói.

- Advertisement -

Os minutos iniciais, com uma breve referência ao clássico Janela Indiscreta, de Alfred Hitchcock, dão o tom violento e escuro que aproximam The Batman mais do suspense que da ação. O prefeito de Gotham está distraído com os resultados da campanha e nem percebe a presença perigosa de alguém na sua sala. Quando o vilão finalmente entra em ação, Reeves escolhe filmar sem cortes e o resultado é uma cena crua e real. Nunca, nem mesmo em O Cavaleiro das Trevas, tivemos uma morte tão chocante nas adaptações de Batman. Olhar para o visual do vilão Charada e não pensar em Zodíaco, de David Fincher, é praticamente impossível. Inclusive, The Batman também tem ecos de Seven, do mesmo diretor, quando dedica tempo para as sequências de investigação.

A introdução é sucedida por uma sequência de cenas mostrando vários grupos de criminosos da nova Gotham City, uma cidade dominada pela corrupção e violência. Reeves coloca em prática os ensinamentos de Billy Wilder em Pacto de Sangue e Crepúsculo dos Deuses para estabelecer o universo usando o voice over (narração) de forma inteligente e não expositiva. Assim ele não apenas poupa tempo, como garante a melhor introdução do Homem-Morcego nos cinemas.

Como não se arrepiar quando os vilões começam a encarar um corredor escuro e escutam o barulho de passos lentos e pesados se aproximando? Reeves declarou ser fã do cinema de Sergio Leone, o que pode explicar a total ausência de pressa para o personagem entrar em ação. O novo Batman surge como um cowboy do inferno para aterrorizar os criminosos. E isso se repete em outra sequência, após uma eletrizante perseguição de carro.

THE BATMAN CATWOMAN

A apresentação do personagem continua na próxima cena. A câmera subjetiva mostra um homem caminhando entre um corredor de policiais, que olham diretamente para o espectador com expressões negativas. O ambiente é propositalmente sufocante, incômodo e desconfortável, algo que nos faz pensar em Seven mais uma vez. O Batman não conta com o apoio da classe policial, afinal ele é uma ameaça contra todos aqueles que infringem a lei. E quem é que vai gostar de quem pode acabar com a sua festa?

Muito se perguntava sobre a atuação de Robert Pattinson como Bruce Wayne/Batman. Em uma ou outra cena, Reeves demonstra um sadismo cruel para evocar o “clássico” (só que não) Edward Cullen, personagem de Pattinson nas adaptações de Crepúsculo. Fora esses momentos, Pattinson está excelente na encarnação do protagonista. Ao lado dele podemos destacar a breve (mas eficiente) participação de Andy Serkis como Alfred. A relação pai/filho do eterno mordomo nunca foi tão bem trabalhada quando se pensa na construção de conflitos para criar profundidade no personagem. O novo Alfred (até na idade) é ativo e demonstra um sentimento de culpa muito forte pela morte dos Wayne. Jeffrey Wright surge como o Gordon mais competente de todas as adaptações (e olha que sou fã do Gary Oldman).

As primeiras cenas com Zoe Kravitz, que interpreta a Mulher-Gato, prestam uma das referências mais legais de The Batman: um remake do lendário momento em que Michelle Pfeiffer cai em cima de Michael Keaton e dá uma lambidinha felina, mas desta vez invertendo os papéis. Existe uma cena parecida no final, ainda mais parecida com a eternizada no filme de 1992. Kravitz faz um trabalho incrível e não me surpreenderia se ganhasse um projeto só seu no futuro.

Falando dos vilões, o Charada funciona repetindo os mesmos princípios do Coringa em O Cavaleiro das Trevas. A diferença é que ao invés de querer apenas tacar fogo no mundo, o vilão vivido por Paul Dano tem um desejo de vingança contra todos a que considera como culpados pela situação de Gotham. Ou seja, é um autêntico delinquente acreditando que faz a coisa certa ao punir aqueles considerados como vilões. Ao lado dele temos John Turturro vivendo o mafioso Carmine Falcone, que faz um trabalho excepcional. Sem precisar de muito esforço, caras e bocas, Falcone é uma daquelas encarnações perfeitas da corrupção, dos vilões da vida real. Ainda assim, mesmo com um elenco desses, quem realmente tocou o terror e se destacou mais foi o irreconhecível Colin Farrell, como o Pinguim. Com uma maquiagem incrível (me faz pensar em Robert de Niro em Os Intocáveis, de Brian de Palma), o vilão é responsável pelos raros momentos de humor e também pela já citada sequência de perseguição, uma das melhores do filme.

THE BATMAN PINGUIM

Aliás, aqui vai um outro elogio para o roteiro de Reeves e Craig: sempre foi muito comum incluir piadinhas nos filmes do Batman. Nem mesmo o “realismo” proposto por Christopher Nolan, escapou dos momentos de leveza. Isso não acontece em The Batman. Quando o Pinguim faz seus comentários espirituosos (e criticando os norte-americanos e sua famosa xenoglossofobia) é totalmente dentro do sarcasmo do personagem e não para atender desejos dos executivos por “mais cores, mais humor”.

Citei a perseguição de carro e não poderia deixar de citar a forma como o Batmóvel aparece em cena. Assim como o seu motorista, o veículo surge no meio da escuridão, mas possui um barulho super sônico, sei lá que porra é essa, arrepiante e assustador. No hall das homenagens e referências, Reeves não brincou quando indicou as semelhanças com Christine, de John Carpenter. Especialmente quando surge no meio de uma explosão para aterrorizar o Pinguim.

A trilha sonora original de Michael Giacchino é um outro ponto fora da curva dentro do universo das adaptações do Batman, que já teve Danny Elfman e Hans Zimmer como compositores. O tema principal tem um encaixe perfeito com as introduções e sequências de ação do herói. Para somar (e aumentar o clima depressivo e pesado da narrativa), a faixa “Something in the Way”, do Nirvana, é usada para encerrar as introduções e concentrar somente com o desenvolvimento da narrativa.

Mesmo com tantos méritos, The Batman sofre com a irregularidade no seu ritmo na sua metade final. Não dá mesmo para manter o espectador tenso 100% do tempo ao longo de 2h45min, mas a impressão é que Reeves quis ser ambicioso demais e precisou lidar com as consequências de prosseguir com a história mesmo após tantos momentos para encerrar e subir os créditos. Não chega a ser um grande problema ou mesmo novidade nas adaptações de Batman: O Cavaleiro das Trevas passa a mesma impressão, em menores proporções, verdade seja dita. Não é o suficiente para diminuir o feito e a qualidade da obra.

Respondendo a pergunta que te fiz no começo do texto, eu diria que Scorsese está sim orgulhoso de ver um trabalho ousado e fora da zona de conforto estabelecida pelo multicolorido universo da Marvel. Que as continuações sigam a mesma linha para consolidar essa nova versão do Batman como a “melhor de todos os tempos da última semana”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.