Cinema por quem entende mais de mesa de bar

O Último Rei da Escócia

Uma história real, baseada no déspota Idi Amin, que governou a Uganda entre 1971 e 1979. Ao dar um golpe militar e tirar do poder seu antecessor, Obote, Amin governa com punhos de ferro, fazendo grandes promessas de avanços no país africano. Nesses anos que esteve no poder, ele matou mais de 200.000 ugandenses (ou uganenses?).

- Advertisement -

Agora, porque não se dá tanta repercussão num ditador desses? Existe tanto preconceito, que eu tive o desprazer de ouvir o comentário infeliz de um imbecil, falando “Bom, é um meio de acabar com a pobreza do mundo”. Um tipo desses… grrr, enfim. Claro que na época a imprensa mostrou ao planeta as atrocidades que Amin cometeu. Mas porque ninguém se lembra, ou muito menos estudou isso? Me tirando como exemplo, pouco sabia sobre os conflitos da África antes de assistir a Hotel Ruanda. Agora, queira eu citar a data 11 de setembro. Ahá, te lembra algo? É o tipo de coisa que irrita. Mas isso é papo para discussões sobre história e sociedade, voltemos ao filme.

No longa, a figura de Amin (Forest Whitaker) aparece mais humanizada. Um personagem é acrescentado, Nicholas Carrigan (James McAvoy), um recém-formado médico que, cansado de perseguir a sombra do pai, resolve ir em busca de aventura no primeiro país que seu dedo apontar no globo. Ao chegar em Uganda, o presidente acaba de ser destituído e as ruas estão em festa para saudar o novo Messias, aquele que irá acabar com a fome e miséria desse país tão decadente. Por um acaso do destino, Nicholas se torna médico pessoal de Amin, vivendo na capital com luxo e mordomia, diferentemente da situação de antes.

Tudo vai bem, até que… Nicholas começa a enxergar no que o país está se transformando e, aterrorizado, tenta de todas as maneiras aconselhar Amin. Mexe com um ditador pra você ver…

O interessante do filme é justamente sabermos que holocausto não foi só na Alemanha. A África é um continente esquecido e entretanto a origem do mundo se encontra lá. De nós, brasileiros, principalmente. Então vamos esquecer os NORTE-americanos e seu atentado terroristazinho!

*Forest Whitaker levou a estatueta de melhor ator por sua ótima atuação.

Comentários