Connect with us

Críticas de filmes

Hanna

Published

on

HANNA É UM DAQUELES FILMES QUE DIVERTEM. Você abandona qualquer pretensão de assistir uma história coerente e mergulha de cabeça no mundo fantasioso criado por Joe Wright, diretor de Desejo e Reparação, longa que também é estrelado pela talentosa Saoirse Ronan. Mas isso não significa que a produção deixe a desejar, já que mesmo narrando uma história fraca e que não convence o público, ela é divertida o suficiente para que o espectador aproveite cada sequência. Por mais bitolada que seja.

Logo no começo do longa-metragem é possível perceber referências ao excelente Kick-ass – Quebrando Tudo, de Matthew Vaughn. Se Chloe Grace Moretz sendo espancada causou um choque inicial durante a adaptação da graphic novel, uma sequência parecida passa batida e sem chocar. O mais interessante é a cena onde um alce é atingido por Hanna (Ronan) e começa a agonizar até ser executado pela garota.

Eric Bana surge como o pai e mestre da adolescente. Eles vivem juntos numa área remota e longe da civilização. A paz acaba quando Hanna decide que está pronta para conhecer o mundo real. O problema disso é que se ela terá que evitar ser encontrada pela perigosa Marissa (Cate Blanchett), uma perigosa agente da Inteligência Secreta. Durante o caminho para o mundo real, Hanna faz amizade com uma família suburbana, tem o seu primeiro encontro romântico (que como acontece na maioria dos casos normais, é desastroso) e é perseguida por um trio de vilões babacas e sem expressão.

O grande problema de Hanna, além dessa trama pouco convincente (ou atraente, entenda como quiser), é a ausência de carisma dos personagens. Não fosse pela performance de Blanchett, o elenco inteiro deixaria a peteca cair e transformar a produção em uma semi-tediosa aventura para garotas se divertirem. Algo como imaginar como seria o encontro de Lara Croft com Mogli e os genes modificados da personagem de Milla Jovovich na franquia Resident Evil. Os personagens não são bem trabalhados, possuem zero de carisma e até mesmo Blanchett escorrega em alguns momentos, mas a vilã possui uma frieza impossível de ser ignorada e acabamos torcendo por ela o mesmo tanto que torcemos para que ela seja assassinada pela heroína.

Wright acerta nas sequências de ação, pelo menos. Após “abraçar” uma ingênua agente, Hanna tenta escapar das garras da organização secreta da qual Marissa faz parte. Enquanto distribui socos e pontapés em seguranças, a loirinha que nunca viu um pente na vida se esgueira pelos corredores e subsolos até conseguir escapar. O longa ainda tem outros momentos de tensão, alguns meio clichês (a famosa cena em que alguém se esconde debaixo da cama), mas a maioria é satisfatória se tratando de uma produção sem muita ambição de ser levada a sério.

Aliás, já que comentei sobre a falta de propósito no roteiro de Seth Lochhead, qual será a mensagem final de Hanna? Será que é um filme para mostrar que o exílio nunca será melhor do que a vida em sociedade? Ou será que tudo não passa de uma boa e velha forma tarantinesca de contar uma história de vingança? Se for esse o caso, Wright se esqueceu de incluir um pouquinho de sangue na trama. O contraste do vermelho ficaria lindo na cena em que Hanna executa o azarado Bambi, que deitou na neve enquanto aguardava pelo momento de bater biela para sempre.

Hanna escapa dos exageros do estereotipo de personagens modificados geneticamente, o que oferece uma garota vulnerável e que pode ser capturada, ainda que seja letal e extremamente escorregadia. Ainda que o encerramento use a estrutura aristotélica do discurso, o recurso acaba deixando a desejar e é usado em vão. Mas se tratando de um filme de ação que não tenha o Jason Statham no elenco, provavelmente não deixará a desejar.

Título original: Hanna
Direção: Joe Wright
Roteiro: Seth Lochhead
Elenco: Saoirse Ronan, Eric Bana, Cate Blanchett
Nota:

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Críticas de filmes

Lightyear: Buzz recruta turma de desajustados em aventura do Comando Estelar

Published

on

A franquia Toy Story é sem dúvidas um dos maiores sucessos da história do cinema, tanto no desempenho nas bilheterias quanto na aclamação da crítica e do público em geral. Um dos motivos que explicam tamanho êxito é o carisma e simpatia de personagens como Woody, Rex, Sr. Cabeça de Batata e Buzz Lightyear. Este último ganhou seu spin-off que estreia dia 16 de junho no Brasil.

Os fãs de Toy Story, provavelmente devem se lembrar que em 1995, Andy  ganhou um exemplar do brinquedo Buzz, personagem principal do seu filme favorito. Assim, Lightyear, como indica o nome, se propõe a contar a história original de como Buzz se tornou o lendário patrulheiro espacial. 

No enredo, Buzz é ainda um jovem astronauta e junto de sua parceira de equipe, Izzy, estão a explorar um planeta desconhecido, porém as coisas se complicam quando plantas hostis atacam a nave de Buzz. A tentativa de escapar do local dá errado e Buzz e a tripulação são forçados a ficar no local e elaborar um plano arriscado de fuga. 

Dessa forma, o filme percorre várias referências e alusões a clássicos da ficção científica. De fato, em sua missão para conseguir retornar à Terra, Buzz precisa encontrar uma maneira de viajar entre o tempo e o espaço.  Assim, em suas tentativas, o patrulheiro envelhece alguns minutos, enquanto seus amigos envelhecem por anos e, a cada falha de Buzz, ele se distancia da idade das pessoas. 

Além disso, esse fato traz diversos conflitos para o protagonista: Buzz se sente muito frustrado por não conseguir cumprir a missão e não consegue se integrar à nova realidade. Dessa maneira, o roteiro usa as investidas que falharam para mostrar características da personalidade de Buzz, ele ainda é muito teimoso e se recusa a aceitar ajuda. 

Todas essas qualidades são acentuadas quando Buzz se junta à uma turma de patrulheiros desajustados. Nesse momento, o protagonista precisa aprender a lidar com seus defeitos e, principalmente, a trabalhar em equipe. Os elementos de nostalgia são explorados na medida mas nunca em exager. Assim, o filme destaca valores de amizade, companheirismo e força de vontade. 

Outro momento especial que acompanhamos são as mudanças de traje do Buzz, que vão evoluindo no decorrer da história. De modo geral, Lightyear é divertido e tem personagens carismáticos que vão agradar a todos os públicos. O enredo se mantém consistente e no terceiro ato traz elementos novos mas sem grandes reviravoltas.  A Pixar trouxe uma experiência cinematográfica depois de dois anos sem lançamentos no cinema e vale a pena conferir. 

Continue Reading

Ação

TOP GUN: Maverick

Published

on

Em entrevista realizada após a exibição de Top Gun: Maverick no Festival de Cinema de Cannes, Tom Cruise disse que valoriza a experiência cinematográfica acima de tudo, enfatizando que ele faz filmes para a telona.  Nesse sentido, Top Gun: Maverick, que estreia no Brasil dia 26 de maio, é o perfeito exemplo de que o astro não mede esforços para proporcionar à audiência umas das melhores experiências nos cinemas que poderíamos pedir.

Top Gun: Maverick traz de volta, o piloto Pete “Maverick” Mitchell, interpretado por Tom Cruise, que após 30 anos servindo a Marinha Americana como piloto de testes, precisa voltar a escola de pilotos de elite Top Gun para treinar um grupo de graduados em uma missão (quase) impossível. Neste momento de sua vida, Maverick se encontra mais maduro ainda que sofra com eventos trágicos do primeiro filme. 

Um dos motivos que deixam Maverick apreensivo com esse treinamento é o piloto Bradley “Rooster” Bradshaw, vivido por Miles Teller de Whiplash: Em Busca da Perfeição, que é filho de seu falecido amigo e co-piloto Goose (Anthony Edwards). Para quem é familiarizado com o primeiro filme, Top Gun: Ases Indomáveis, sabe que apesar de Goose ter morrido em um acidente e que Maverick ainda se sente culpado. Dessa forma, Maverick e Rooster precisam resolver suas mágoas e conflitos para conseguir trabalhar juntos nessa tarefa. 

Além disso, o longa adiciona personagens carismáticos e que se assemelham em algumas características às personalidades dos pilotos de Top Gun. Isto é, em vários momentos o filme presta homenagem a esse universo, com cenas semelhantes e participações especiais. Porém, há uma melhora considerável de um filme para outro, tanto em aspectos técnicos quanto em sua carga dramática.

Top Gun: Maverick poderia ter escolhido o caminho mais fácil e colocar seu herói principal no papel de mentor dos pilotos jovens, seria algo simples e eficiente. Contudo, o roteiro cumpre o que próprio nome do filme já sugere, Maverick é o protagonista e trabalhar essa figura tão intrigante é a prioridade da história. Desse modo, entendemos porque a reputação de Maverick o precede, ele sempre se prova e acima de tudo, se supera. Como ele mesmo cita em uma das linhas de diálogos mais legais do filme, “não é o avião, é o piloto”. 

Assim, a jornada dele é emocionante de se acompanhar. Nas cenas em terra firme, as interações de Maverick e personagens importantes nunca é rasa, embora sejam rápidas, comovem. Há uma cena em especial, que me deixou com os olhos marejados.  E quando vamos para o céu com Maverick e sua turma, viramos seu co-piloto. O trabalho de som realizado aqui é de um nível imersivo que nos deixa arrepiados com todas as acrobacias. Aviso aos cardíacos e aos não cardíacos também, seu coração vai saltar muitas vezes e isso é incrível. 

Conclusão

De maneira geral, Top Gun: Maverick consegue elevar a ação e coração que é a marca registrada do filme. Ademais, reúne tudo que esperamos de um Blockbuster “raiz”, é divertido, é tocante, soube usar a nostalgia a seu favor e não como uma muleta. É possível arriscar que ele irá configurar em listas de melhores da década no futuro. Tom Cruise e sua equipe prepararam o longa para que você tenha a melhor experiência possível ao ir ao cinema. Eles conseguiram, não perca a oportunidade.  

Continue Reading

Terror

Crítica: A Médium (2021)

Published

on

Em 2004, os fãs de terror tiveram uma grata surpresa, o tailandês Espíritos: A morte
está ao seu lado, dirigido pela dupla Banjong Pisanthanakun e Parkpoom Wongpoom.
O filme não prometia muita coisa, mas entregou tudo e , dezoito anos após o seu
lançamento, ainda é lembrado e bem comentado. A saga do casal Jane e Tun,
assombrados por uma figura que começa a aparecer em suas fotos, ganhou o remake
norte-americano Imagens do além, em 2008, dirigido pelo japonês Masayuki Ochiai e
não tão bem recebido. Antes, em 2007, veio Espíritos 2: Você nunca está sozinho,
também elogiado e marcou a última colaboração entre os dois cineastas. Depois de anos
longe dos cinemas brasileiros, Banjong Pisanthanakun está de volta com A Médium,
terror que aborda xamanismo, found footage e heranças de família.
A história começa com Nim (Sawanee Utoomma), uma médium que explica como e por
que desenvolveu a sua mediunidade. Ela domina bem o assunto e dá detalhes do que é
permitido, sagrado e que deve ser respeitado. Enquanto isso, sua sobrinha, Mink (Narilya
Gulmongkolpech), passa a se comportar de maneira estranha e dá indícios de que está
sendo possuída. É importante salientar que a mediunidade está presente na família de
Nim há gerações e é sempre “passada” para um dos filhos. Nim, a princípio, não seria
médium, mas a sua irmã, mãe de Mink, não aceitou o dom no passado, então Nim teve
que assumir essa missão.
O que vem a seguir é uma sequência de descobertas acerca da família e de forças
mediúnicas, deixando de lado a já conhecida abordagem de possessões quando a ideia
é baseada no cristianismo. Aqui há muito mais a ser conhecido, e Nim passa a questionar
se o seu conhecimento e sua força serão o suficiente para conter o que, supostamente,
está dominando a sobrinha.
A transformação de Mink acontece aos poucos e Narilya Gulmongkolpech consegue
passar a energia de quem está sendo devorada internamente. Ao mesmo tempo em que
segredos de família são revelados, ela cede ao que quer dominá-la.
A expectativa por um novo filme de Pisanthanakun não era tão alta, mas seu nome
carrega o respeito conquistado pelos trabalhos dos anos 2000. Ele consegue trazer um
pouco do que o público queria, mas o espectador já não é o mesmo de 2004, agora ele
quer mais do que lhe foi dado no passado e Pisanthanakun não consegue sanar essa
ânsia por surpresa.

A Médium consegue, assim, prender a atenção do espectador. Seu horror não surge de
maneira óbvia, mas se rende a alguns momentos tradicionais do gênero. O filme diverte,
porém não atinge o que os filmes anteriores do cineasta atingiram: impacto, debates e
discussões a respeito. Mesmo depois de ficar impressionado no cinema, não vai ser
difícil ter uma noite tranquila de sono.

Continue Reading

Bombando!