Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Ip Man 4: The Finale (2019)

O fim de um legado para toda uma década.

Yip (Donnie Yen) precisa viajar para os Estados Unidos para tentar matricular seu filho em uma escola privada. Para isso, ele terá que enfrentar um dos maiores desafios de sua vida: o racismo.

O Diretor Wilson Yip começou a franquia com Ip Man (2010) , um filme modesto de luta com uma história simples, que trata os seus temas com cuidado e cautela. Depois disso, veio uma sequência superior ao antecessor. Veio o terceiro filme e alguns problemas a mais começaram a surgir, como roteiro apressado e atuações fracas. Ip Man 4 chega para tentar corrigir os erros anteriormente ocorridos.

- Advertisement -

Elenco

Do elenco, não há muito o que comentar. Os atores simplesmente estão lá para a história seguir, não fazendo nada de muito notável. Os dois personagens que mais se destacam são o próprio Yip (Donnie Yen), um sujeito que, mesmo calmo e com poucas demonstrações de emoção, consegue deixar aparecer uma profundidade imensa, que faz o telespectador sentir o impacto de cada situação, e Bruce Lee (Danny Chan), que com poucas cenas conseguiu ser um dos pontos mais fortes do filme. E ele é bem diferente da representação de “Era Uma Vez… Em Hollywood”, (De Quentin Tarantino). Essa nova versão irá fazer o público se animar em suas poltronas na sessão.

Visual Técnico

Na questão de fotografia, o filme equilibra bem as cores quando a mudança do local é feita. Na China, as cores são mais sujas, enquanto nos Estados Unidos a cor fica mais clara e limpa. Um dos pontos mais elogiados na quadrilogia é a sonoplastia e aqui não é diferente: os sons de luta são totalmente satisfatórios e bem colocados, dão a sensação da força que está sendo usada em combate e de um impacto real.

Veredito

Ip man 4: The Finale (2019) é uma experiência satisfatória, com momentos emocionantes. O filme fecha a franquia com um final digno e um enredo que consegue ser mais importante do que as lutas. O ritmo do filme às vezes dá uma diminuída e poderiam ter cortado alguns minutos, o que faria o filme ter sido um pouco mais coeso. As cenas finais são um agradecimento a quem acompanhou toda a jornada. O filme ainda não tem data de lançamento aqui no Brasil.