Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Jojo Rabbit (2019) – Crítica do filme

O CINEMA DE BUTECO ADVERTE: A crítica do filme Jojo Rabbit possui spoilers e deverá ser apreciada com moderação.

melhores filmes de comédia de 2020 - jojo rabbitQUANDO PARECIA QUE O CINEMA HAVIA ESGOTADO TODAS AS FORMAS DE FALAR SOBRE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL, surge o cineasta Taika Waititi com uma verdadeira joia chamada Jojo Rabbit combinando todo humor, sensibilidade e inocência necessários para se tornar imperdível. E inesquecível.

Jojo (o pequeno Roman Griffin Davis) é uma criança nazista. Seu grande sonho é virar guarda pessoal do furher em pessoa. Então, como qualquer outro menino da sua idade, ele apela para a sua imaginação para conseguir realizar seu sonho.

- Advertisement -

No entanto, sua doce ilusão começa a se despedaçar após descobrir um segredo que o obriga a questionar sua “fidelidade”: Sua mãe (Scarlett Johansson) está escondendo uma judia dentro da sua própria casa. Jojo precisa tomar uma decisão… e bem, nazistas de verdade não pensariam duas vezes antes de resolver a situação…

Você se lembra de A Vida é Bela? É aquele filme que “tirou” o Oscar do brasileiro Central do Brasil em 1999 e conta a história de um homem tentando fingir para o filho pequeno que estava tudo bem, que os judeus não corriam risco de vida na Segunda Guerra Mundial e que os campos de concentração eram um jogo que os adultos brincavam. Jojo Rabbit é um pouco parecido, digamos assim.

Apesar de Waititi desde o começo deixar claro que sua história zela pela sátira do comportamento dos nazistas, o pequeno Jojo é uma “vítima” da propaganda. Ele acredita em todas as mentiras contadas pelos nazistas, que tanto admira, e por isso mesmo, não questiona quando dizem que os judeus são monstros devoradores de almas. Sua admiração por Adolf Hitler é tamanha, que ele passa até mesmo a imaginá-lo ao seu lado em vários momentos. Detalhe: o próprio diretor assumiu o fardo de interpretar o Adolf imaginário.

Jojo é uma criança solitária, que na ausência do pai, busca um refúgio na própria mente para conseguir a companhia que precisa para se sentir bem. Adolf é nada mais que a figura paterna que lhe resta. Pensando na força que o sujeito tinha na Alemanha, não é de se surpreender sua influência nas crianças. Especialmente aquelas crescendo longe dos pais, que muitas vezes estavam combatendo as Forças Aliadas ou simplesmente fugiram para não serem assassinados (como é o caso aqui).

Inclusive, Waititi liga o botão do foda-se e apresenta um ato inicial surreal com o acampamento das crianças nazistas. Somos apresentados a um Capitão de um olho só (Sam Rockwell), que está o tempo inteiro bebendo e não possui a menor ideia de como cuidar de crianças – e isso tem como consequência o acidente que faz Jojo ficar com o rosto cheio de cicatrizes.

O roteiro é recheado de ironias e cria personagens fantásticos. O próprio Capitão, por exemplo, é um nazista que precisa disfarçar que é gay. Seu guarda pessoal vivido por Alfie Allen, o Theon Greyjoy de Game of Thrones, é extremamente possessivo e está o tempo inteiro com cara de cu – exceto obviamente quando aparece pela última vez. Rebel Wilson tem uma participação pequena, mas que funciona muito bem para a atmosfera exagerada da narrativa. Por fim, a mãe vivida por Johansson se esforça para ser compreensiva com o filho nazista ao mesmo tempo que busca equilibrar o medo das consequências de sua escolha.

Mas fora o Hitler imaginário, a única pessoa que realmente faz Jojo refletir e mudar sua opinião é Elsa (Thomasin McKenzie). O que começa como ódio e medo, lentamente se transforma no mais puro e transformador dos sentimentos. Jojo percebe que a moradora secreta da sua casa não é um monstro, que tudo que sabia sobre os judeus estava errado… E assim, é permitido que ele mude de ideia sobre o nazismo.

Vale reforçar que a doçura e inocência de Jojo é reforçada com a sequência em que os escoteiros nazistas tentam obrigá-lo a matar um coelho. Jojo era uma criança perdida num mundo adulto passando por um momento em que seria impossível compreender. Mas suas intenções são claras (se ele fosse do mal, teria denunciado a própria mãe e tentado expulsar a jovem Elsa). Ao olhar para um dos desenhos do seu livro sobre os segredos dos judeus, que pretendia dar de presente para o Hitler real, ele observa um desenho dele próprio com um coelho dentro de uma gaiola. A metáfora perfeita para a pobre Elsa, que vivia dentro do buraco na parede, condenada a ter uma existência em constante risco de extinção.

Jojo Rabbit foi o único filme de 2019 capaz de arrancar tantas risadas e lágrimas, e por isso mesmo, se torna desde já, um dos meus lançamentos (tardios) favoritos da temporada. Taika Waititi consegue a proeza de transformar uma narrativa sobre a Segunda Guerra Mundial em algo engraçado através da perspectiva fantástica de uma criança tentando dar voz e rosto para sua carência afetiva. E isso é especial demais para a gente ignorar. Que filme.