Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Meu Nome é Dolemite (Netflix)

Eddie Murphy está de volta. E voltou com tudo!

Depois de ouvir histórias de rua, Rudy Ray Moore (Eddie Murphy) resolve recontar tudo com piadas sujas e cheias de palavrões, ganhando o sucesso que gostaria. Mas depois de seu sucesso, os seus desejos vão mais além e ele tentará a carreira de cinema sem saber o grande desafio que está por vir. Esse é apenas um pequeno resumo de Meu Nome é Dolemite (2019), lançado em outubro na Netflix.

O diretor Craig Brewer conseguiu mostrar que o seu estilo de dirigir com música é notável. Percebemos que, com esse filme, é a terceira vez que ele acerta. É um longa controverso, já que vai deixar muitos satisfeitos e outros o completo oposto. A linguagem é bem pesada e suja, mas é isso que faz a produção ficar hilária.

- Advertisement -

Rudy/Dolemite

Depois de tentar vários papéis em estilos totalmente diferentes, chega um personagem tão marcante e memorável que você pensa que Murphy nasceu para ele. O ator consegue colocar todos os seus jeitos de uma forma tão natural, que consegue convencer o público e levá-lo a ter uma empatia pelo personagem. Além de torná-lo engraçado todas as vezes que ele nos tenta tirar algumas risadas!

O melhor ponto do enredo é que toda vez que achamos que algo irá dar errado, Rudy consegue dar a volta por cima com seu fictício Dolemite. Parece impossível, mas mesmo assim torcemos para que tudo tenha um desfecho satisfatório.

Elenco e visual técnico

Os personagens secundários D’urville Martin (Wesley Snipes), Jerry Jones (Keegan-Michael Key) e Lady Reed (Da’vine Joy Randolph) se destacam e fazem jus a cada momento que têm destaque. Todos têm motivações e não parecem somente jogados para completar o roteiro.

A fotografia é bem simples, mas eficaz. A ambientação dos anos 70, as cores vibrantes das roupas e o tom marrom do cenário conseguem mostrar o tipo de estilo que o filme quer seguir: divertido, pesado e sujo.

Veredito

Meu Nome É Dolemite tem um roteiro simples, mas consegue abordar a história tão bem que acerta em todos os aspectos. A comédia acerta no fato de mostrar o que rolava entre os bastidores de Dolemite (1975) e pode até mesmo ser comparado a O Artista Do Desastre (2017), que tenta mostrar como The Room (2003) havia sido feito.

Apesar dos objetivos serem iguais, tudo é feito de maneiras diferente. Os assuntos tratados, como Blaxploitation, a visão de cada etnia sobre piadas feitas por negros e as mensagens, conseguem deixar o filme melhor por se conectarem tão bem no enredo. As chances de concorrer ao Oscar 2020 são bem pequenas, mas não descartáveis.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.