Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Never Rarely Sometimes Always – Crítica do Filme

Premiado nos festivais de Sundance e Berlim, o filme é um drama sensível e cru sobre adolescência e aborto nos Estados Unidos.

Em Never Rarely Sometimes Always (EUA, 2020), Autumn (Sidney Flanigan) é uma adolescente de 17 anos, que mora na Pensilvânia e descobre que está grávida. Com a ajuda de Skylar (Talia Ryder), sua prima e também companheira de trabalho em um supermercado, elas vão juntas à Nova York, em busca de ajuda médica para interromper a gravidez indesejada.

Trata-se do terceiro filme da diretora Eliza Hittman, que demonstra uma habilidade gigantesca em retratar com realismo os anseios da adolescência. Poderia dizer que ela o faz tão bem por ser mulher e, portanto, conhecer melhor as personagens mulheres. Mas seria injusto, já que em seu trabalho anterior, “Ratos de Praia” (disponível na Netflix), ela retrata com excelência as dores e desejos de um garoto gay.

Outra característica da diretora é que ela aborda temas sensíveis de uma maneira muito crua, dessa vez sobre o aborto. Aos poucos, vamos entendendo como funciona tal questão nos Estados Unidos, desde leis diferentes por estado, até o atendimento clínico.

- Advertisement -

No entanto, o tema não é maior do que a protagonista. Autumn é o centro de tudo e a atriz novata Sidney Flanigan tem uma performance introspectiva, muito condizente com todas as experiências ruins que a personagem viveu – também por ser uma forma de como adolescentes em geral se expressam. A cena em que a jovem mais se expressa é justamente aquela que dá título ao filme (que em português significa “nunca, raramente, às vezes, sempre”), quando uma funcionária da clínica questiona sobre a vida pessoal de Autumn e ela deve responder com uma dessas opções.

Outro ponto que merece destaque é a fotografia da francesa Hélène Louvart, que já havia trabalhado com a diretora em “Ratos de Praia”, e no brasileiro “A Vida Invisível”. Seu trabalho aqui é essencial, pois a cinegrafista retrata uma Nova York subterrânea um pouco assustadora, que representa o sentimento das meninas que estão conhecendo a cidade pela primeira vez, em circunstâncias não favoráveis.

Never Rarely Sometimes Always” ganhou o grande prêmio do júri do Festival de Sundance e no Festival de Berlim. Devido ao Covid-19, o lançamento nos Estados Unidos foi feito diretamente no mercado digital.

Curiosidade: a cantora Sharon Van Etten faz uma pequena participação como a mãe da protagonista.