Cinema por quem entende mais de mesa de bar

No Country for Javier Bardem

Quem foi que inventou de sair dizendo por aí que Onde Os Fracos Não Tem Vez é um daqueles filmes que se você morre sem assistir, vai diretinho pro inferno dos *sem cultura* sem escalas?
Assumo que não sou grande conhecedora do trabalho dos irmãos Coen, mas se essa última produção é a obra prima da dupla, qual seria o seu pior trabalho? Será que foi queimado num impulso de vergonha junto as cópias do pornô da Xuxa?

Mesmo com toda publicidade feita para o filme ainda na época de seu lançamento e da premiação do Oscar, não tive o mínimo interesse em sair de casa para assistir. Durante os últimos meses, fui bombardeada pela insistencia de amigos para que eu gastasse 2 preciosas horas das minhas férias vendo um dos melhores filmes do ano.
Enfim, ontem resolvi me aventurar na locadora a procura de um bom filme, e aí dei de cara com o rostinho ameaçador do Bardem e sua arma de fogo me obrigando a levá-lo pra casa. (confesso que aluguei muito mais porque a capa estava nova do que por vontade de ver o filme).
Cheguei em casa e fui correndo assistir. Foram os primeiros 40 minutos de filme mais intediantes de toda a minha vida. Achei que não estava com humor pra coisa e resolvi recomeçar a ver no dia seguinte. E assim foi. Mais 40 minutos insuportáveis de ausencias angustiantes de diálogos. Tiros, sangue, roubos, mexicanos *made in texas*, xerifes com estrelinhas no bolso e chapéu de cowboy e um doido com o cabelo escovado vagando pelos Estados Unidos atrás de uma mala de dinheiro.

- Advertisement -

Mas aí eu parei e pensei que não podia ser tão ruim e que o final ia me surpreender. Daí eu ia sair por aí pagando língua e dizendo que esse era um dos melhores filmes do ano. Mais uma vez, eu estava errada. Final? Que final? Teve final? Nem uma frase de efeito daquelas de fim de Sessão da Tarde.
Perdi 2 horas da minha vida? Nãããooo. Aprendi que o Javier Bardem é um péssimo ator mesmo.
E que, definitivamente, o Oscar nunca foi minha referência de bons filmes.

Sem comentários
  1. 2T Diz

    Por isso que a idéia de todo mundo opinar sobre os mesmos filmes é boa. Acho que ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ foi o filme mais discutido nas páginas do blog (a vila será o segundo). Quando o Joubert viu o filme, também não gostou e criou um post. O João discordou e fez outro post. E analisando os três, são bem diferentes. Torna mais interessante ver o filme, mesmo que seja apenas para meter o pau.
    Eu gostei demais, me lembrou o clima dos INFILTRADOS e por ser tão “seco”, realmente foi um dos grandes filmes que vi nos últimos tempos. Só não posso respeitar a parte que vocÊ diz que o Javier é um péssimo ator. O cara é o ponto máximo do filme, que tem pelo menos uma sequência animada (o tiroteiro nas ruas). Assiste AMOR NOS TEMPOS DE COLERA… outro filme dele.

    Bom post, Magui!!!

  2. João Diz

    javier bardem é ótimo!!! (mar adentro talvez seja sua melhor performance!)
    mas não há palavra final sobre um filme dos cohen… TODOS são assim sabe? “ame-o ou deixe-o”

    as enfim… gosto né?

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.