Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Filme: Homem Irracional (2)

A partir do momento que passamos a questionar o modelo de ética de Immanuel Kant, tudo é possível

homem-irracional-2

Homem Irracional é o lançamento nos cinemas que Woody Allen preparou para 2015. O diretor e roteirista octogenário mantém a regularidade de um longa-metragem por ano, alternando entre filmes bons e ruins, mas todos acima da média. De cara já é possível afirmar que Homem Irracional supera o sem graça Magiar ao Luar, de 2014.

- Advertisement -

Com uma pegada de mistério e crime, o filme resgata um pouco o ar hitchcockiano de Match Point, inclusive pela referência a Crime e Castigo, de Dostoiévsky, mas diferente do filme estrelado por Scarlett Johansson, aqui outros elementos filosóficos são introduzidos para rechear de conteúdo da trama com o posicionamento dos personagens em relação ao modelo de ética de moral e ética de Kant para antecipar seus atos futuros.

Abe Lucas (Joaquin Phoenix) é um professor de filosofia atormentado em seus próprios pensamentos e desiludido da vida. E sua vida volta a fazer sentido após ele aceitar lecionar numa universidade de uma pequena cidade do interior onde ele passa a relacionar-se com uma de suas estudantes Jill (Ema Stone) e Rita (Parker Posey), uma colega de trabalho. No entanto, a retomada das rédeas de sua vida não se dá ao fato simplesmente de seus relacionamentos amorosos, mas sim através de um, por assim dizer, ato de justiça.

O filme se baliza em três ótimas atuações: Parker Posey surpreende como uma professora entediada no casamento e disposta a correr riscos e partir para uma nova aventura; Emma Stone se confirma como uma atriz de grande potencial, vivendo uma jovem estudante que se deslumbra com os encantos intelectuais e altruístas de seu professor de filosofia, e parece ter caído nas graças de Woody Allen tornando-se mais uma de suas atrizes recorrentes; e Joaquin Phoenix já com uma carreira mais consolidada repete sua atuação convincente e fidedigna de uma cara neurótico (lembrem-se que seu personagem é um protagonista de um filme de Woody Allen), depressivo e desiludido com a vida.

O destaque fica para a trilha sonora, com a música “The “In” Crowd”, de The Ramsey Lewis trio, um jazz leve daqueles que dá vontade de estalar os dedos enquanto escuta. A música é introduzida em diversas cenas e reforça a narrativa de como estamos a mercê da aleatoriedade dos acontecimentos a nossa volta. O ponto fraco mais uma vez é o abuso da utilização da narração em off para descrever o que os personagens estão pensando e sentindo.

homem-irracional-1

Zona de Spoilers

Apesar do roteiro parecer simples e repetitivo, Woody Allen sabe muito bem como inserir elementos durante a trama para que sejam usados no seu desfecho. É fica claro concluir que a cena em que Abe elogia o trabalho de Emma Stone sobre Kant praticamente resume o argumento do filme de forma extremamente assertiva, pois descobrimos que Abe seria capaz de matar se achasse que aquilo tornaria o mundo um lugar melhor, rompendo com os conceitos de ética de Kant. Na seqüência, ele mesmo afirma que Jill estava contrapondo seus pontos de vista com argumentos novos, dando a entender que ela estava numa escala maior de ética e moral que ele.

E se Abe não se mata durante a roleta russa feita durante festa, ele o faz ao ganhar um prêmio numa espécie de roleta no parque de diversões. A lanterna escolhida por Jill é o elemento de mise-en-scène que volta a ser mostrado no desfecho do filme salvando sua vida. A lanterna em Homem Irracional cumpre o mesmo papel do anel em Match Point, decidindo o desfecho do filme reforçando a idéia principal de teoria do caos do filme em que nossas vidas são regidas por pequenos detalhes.

Trailer

Texto inicialmente publicado no Art Perceptions.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.