Cinema por quem entende mais de mesa de bar

O Lagosta (2015)

O CINEMA DE BUTECO ORGULHOSAMENTE RECEBE A CONVIDADA ESPECIAL ALINE PARA ESCREVER A CRÍTICA DE O LAGOSTA.

O que é isso que eles chamam de “amor”? cantam Sophia Loren e Tonis Maroudas na melancólica música que encerra esta história de amor pouco convencional, dirigida pelo grego Yorgos Lanthimos.

- Advertisement -

No roteiro escrito em parceria com Efthymis Filippou, os acontecimentos se passam numa distopia na qual pessoas solteiras são obrigadas a encontrarem seus pares confinadas num hotel, dentro de um prazo de 45 dias. Caso a missão falhe, serão transformadas, literalmente, em um animal de própria escolha.
Para quem não está acostumado com as premissas excêntricas que costumam habitar os projetos desse diretor, que tampouco se preocupa em dar maiores explicações, pode ser difícil enxergar um romance nessa história.
Além disso, a forma apática como os personagens articulam suas falas, como desprovidos de emoção e vontade própria, pode prejudicar o processo de identificação.
Porém, o que torna este filme fascinante é a forma como ele critica a concepção de relacionamento ideal. Tudo permeado por um humor deliciosamente sarcástico, que nos faz rir das regras absurdas impostas pela sociedade nessa eterna caçada pelo amor.
Desde o processo da conquista, o que buscamos no outro, como nos caracterizamos para as pessoas, o porquê da necessidade de se estar em um relacionamento e enfim, o que é preciso para manter um casamento bem-sucedido. A piada sobre filhos para “resolver” as crises é apenas uma das críticas sutis do filme que, apesar do tom absurdo, não deixa de manter relação com a nossa realidade.
Num determinado momento, somos apresentados aos rebeldes desse sistema, os Solitários, que vivem na floresta nos arredores do hotel. Eles, por sua vez, vivem sob outras regras, tão rígidas quanto as da instituição que desejam destruir. São proibidos o afeto e a intimidade. As punições partem desde mutilações até a morte solitária, numa cova cavada pelo próprio “infrator”. Mesmo durante uma comemoração, cada um dança sozinho sua própria coreografia de música eletrônica. Até mesmo o vislumbre de uma personagem isolada jogando seu Resta 1, demonstram a frieza da solidão.
Entre esses dois extremos, surge uma história de amor, que se inicia como tantas outras: num meio adverso e improvável, evoluindo para o encantamento e a criação de todo um mundo particular, com direito até a uma bizarra linguagem própria. No entanto, o caminho para o final feliz se depara com os velhos obstáculos: a inveja, os ciúmes e as dúvidas em relação aos sentimentos.
Afinal, o amor é algo que foi construído culturalmente e, por isso, deve seguir as regras sociais para perdurar ou é mesmo um sentimento livre que para perseverar necessita se libertar das amarras impostas tanto pelo coletivo como as individuais? Até que ponto vale se sacrificar por amor? Vale a pena viver numa mentira apenas para manter um relacionamento?
Eu particularmente adoro obras que me deixam cheias de perguntas, bagunçam minhas visões do mundo, demonstram outros pontos de vista. Agora, se a vibe é de ver uma história de amor fofa, que dê um calorzinho gostoso no coração, fuja para as montanhas! Os gregos não brincam em serviço!