Cinema por quem entende mais de mesa de bar

O uso de cores em O Cavaleiro das Trevas

BCT01

- Advertisement -

MUITO JÁ SE FALOU SOBRE O CAVALEIRO DAS TREVAS, segundo longa de Christopher Nolan sobre o Homem-Morcego, seja pela atuação de Heath Ledger como o Coringa, seja pela personalidade do vigilante. O objetivo deste texto é falar sobre como o diretor Nolan preparou as cenas em que o Batman aparece até certo ponto de clímax. Sim, este texto contém spoilers. Não leia se não tiver assistido ao filme.
Nolan trabalha com paletas de cores e cenografias diferentes para, basicamente, dois tipos de cena. A primeira – e mais comum no longa – têm as cores que estão mais condizentes com o real, para aproximar o filme do objetivo inicial da trilogia: tornar as histórias do Batman mais factíveis. É como podemos ver, por exemplo, na Batcaverna mais higtech dos filmes do herói (sob o comando de Nolan, as “Bat-coisas” ficaram muito mais empolgantes), com a presença de Bruce Wayne (Christian Bale) e Alfred (Michael Cane). Há uma luz intensa no teto aumentando a sensação de amplidão do espaço. O mesmo acontece no laboratório secreto de Lucius Fox (Morgan Freeman), onde são desenvolvidos todos os artefatos que facilitam a vida do nosso herói.
Paralelamente, temos também cenários em que janelas enormes de vidro inteiriço deixam entrever, do lado de fora, a cidade de Gotham com todo o seu ar de metrópole. É assim  nos escritórios do promotor Harvey Dent (Aaron Eckhart) e do prefeito e na cobertura de Wayne. As janelas, os corredores, os caminhos longos e as luzes contextualizam a amplidão, a pequenez dos personagens na cidade.
BCT02Por outro lado, quando a paleta de cores passa a ser azulada, ou o Batman está em cena ou o terreno está sendo preparado para a sua aparição. Basta ver a passagem em Hong Kong – durante o dia, paleta de cores normal. À noite, prevalece o azul, as sombras. E mesmo as janelas inteiras do escritório de Lau, que durante o dia tinham um leve tom esverdeado, estão agora azuladas para contextualizar a aparição do Batman. Uma das cenas mais emblemáticas dessas passagens é quando o Comissário Gordon (Gary Oldman) entra na sala para interrogar o Coringa. Tudo está envolto em penumbra, só há a luz do abajur sobre a mesa. Quando Gordon deixa a sala, Batman já está ali, atrás do Coringa.
 É assim, mesclando os dois tipos de cores e ambientes que Christopher Nolan monta o ápice de seu filme, após a morte de Rachel Dawes (Maggie Gyllenhaal): é a primeira cena em tons azulados em que Bruce e Batman estão fundidos em um só. O herói está largado em uma poltrona de sua cobertura olhando os prédios de Gotham pelas janelas, vestindo a roupa de Batman, mas sem a máscara. Neste momento, em que ele pergunta a Alfred se a morte de Rachel foi sua culpa, vemos o herói humanizado. Mais próximo dos mortais (e dos espectadores) do que em qualquer outro momento da trilogia de Nolan. É ali que Bruce consegue transmitir seus sentimentos, por Rachel e por Gotham, sem precisar se expressar. A cenografia, a direção de arte e a fotografia falam por ele.
Mais sobre o Batman no Cinema de Buteco? Veja também:
Batman, por Tullio Dias
Batman – O Retorno, por Lucas Paio
Batman Eternamente, por Tullio Dias
Batman Begins , por Fred
Os vilões do Batman, por Lucas Paio
Bane, por Daniel Bessa

BCT03

 

Título original: The Dark Knight 
Direção: Christopher Nolan
Roteiro: Jonatha Nolan, Christopher Nolan
Elenco: Christian Bale, Heath Ledger, Aaron Eckhart, Michael Caine, Maggie Gyllenhaal, Gary Oldman, Morgan Freeman
Lançamento: 2008
Nota:[quatro]

5 Comentários
  1. Maurilei Rocha Diz

    Muito bom; sensacional !!!

  2. Conrado Tramontini Diz

    É parecido com o que M. Night Shyamalan fez com a cor vermelha em Sexto Sentido.

  3. Julio Costa Pereira Diz

    Fodástico…

  4. Elen Barcelos Diz

    genial !!!

  5. Aleks Fonseca Diz

    Por isso vou sempre continuar dizendo… prestem atenção!!!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.