Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Os Vingadores

hulk

AINDA ME PERGUNTO QUAL É A MÁGICA POR TRÁS DE TODO O SUCESSO DE OS VINGADORES. Será que me sinto tão orfão assim de obras parecidas com Curtindo a Vida Adoidado, aquelas que você consegue assistir mil vezes sem se cansar – independente de ter decorado cada diálogo. Sei exatamente o que será dito pelo Homem de Ferro, mas mesmo assim tenho vontade de rir. Antecipo os movimentos do Hulk, e mesmo assim, continuo impressionado como fiquei da primeira vez que assisti ao filme.

Joss Whedon e a Marvel foram inteligentes e prepararam o terreno quatro anos antes, com a estreia de Homem de Ferro, de Jon Favreau. Após estudarem os fiascos de tantas adaptações de histórias em quadrinhos, e perceberem o sucesso da fórmula utilizada por Christopher Nolan na trilogia O Cavaleiro das Trevas, o estúdio conseguiu balancear o impossível com a realidade. Não que eu acredite na possibilidade de um Deus lindo loiro e forte (com dinheiro e um Escorte) surgir rodando o martelo para eliminar as ameaças do trânsito caótico de nossas cidades ou de uma invasão alienígena, óbvio. O que quero dizer é que os filmes de Nolan aproximaram o universo fantasioso dos heróis em algo mais concreto. O espectador acompanha a evolução daqueles personagens, como criam suas armaduras e sente que eles são pessoas reais que acabaram “escolhidas” para proteger o mundo.

- Advertisement -

scarlett viuva negra

Depois do primeiro Homem de Ferro, foi a vez de O Incrível Hulk, também lançado em 2008. A origem do Gigante Esmeralda já havia sido explorada no injustiçado longa-metragem de Ang Lee, e como ainda era bem recente na memória do público, os produtores aproveitaram para investir mais na ação. Não fez o sucesso esperado, mas era o suficiente para a Marvel continuar investindo em seus heróis. Homem de Ferro 2 chegou aos cinemas em 2010, e no ano seguinte, o público finalmente acompanhou a primeira aparição de Thor e Capitão América. Estava tudo preparado para a maior reunião de heróis do cinema, e tudo poderia dar muito errado. Afinal, nossas experiências com Batman e Robin, de Joel Schumacher; e Homem-Aranha 3, de Sam Raimi; provaram que muitos personagens grandes reunidos é sinônimo de desastre. Felizmente, Os Vingadores foi uma surpresa feliz e que pode ser considerado como o melhor produto da série cinematográfica da Marvel até o momento.

Os maiores heróis do mundo precisam lidar com suas diferenças (sim, pois a falta das brigas entre si deixaria as crianças desapontadas) para conseguirem lutar juntos contra uma ameaça capaz de escravizar o planeta. Loki (Tom Hiddleston, vulgo sósia da Rooney Mara) é um vilão fraco. Ele é manipulado (ou espancado, como na hilária tentativa de confronto com o Hulk) por todos os personagens, mas ainda assim representa uma ameaça importante e essencial para que aqueles seres poderosos conseguissem agir em conjunto. Se fosse um vilão menos medroso, as coisas seriam bem mais complicadas e não haveria um momento para que cada um dos heróis deixasse de lado seu ego e darem o braço a torcer. Se eles não tinham nada em comum até serem vítimas das mentiras de Loki, todos se sentiram motivados para buscar vingança contra as atitudes do vilão.

O roteiro “apresenta” os personagens aos poucos. Não há muita necessidade de se esforçar nisso, considerando que cada um deles ganhou um filme solo (exceto o Gavião Arqueiro e a Viúva Negra). Um detalhe interessante do trabalho de Whedon está na maneira como é abordado o medo da heroína ruiva vivida por Scarlett Johansson quando recruta Bruce Banner (Mark Ruffalo). Logo depois, o roteiro volta a explorar esse horror quando ela precisa fugir da fúria do Hulk para não morrer esmagada.

As cenas de ação divertem pessoas de todas as idades, mas é o Hulk que rouba a cena. E ainda que seja uma pena que ele só apareça em duas cenas, o seu sucesso está justamente na sabedoria como Whedon usou o personagem. Deu pouco para o público, mas o suficiente para deixar aquele gosto de quero mais. Hulk é como se fosse o cachorro gigante da família, o mascote desajeitado que resolve os problemas e salva a pátria. Capitão América, Gavião Arqueiro e Viúva Negra sofrem do mal de não terem nenhum poder especial (bem, a Viúva consegue hipnotizar os homens, mas acho que não vem ao caso) e destoam de Thor e Homem de Ferro. Robert Downey Jr. é o ator mais a vontade na trama, e seu personagem deita e rola, sendo o responsável pelas melhores piadas da obra.

Os Vingadores é um filme magnético. Como disse, mesmo sabendo o que irá acontecer, você não sente vontade de abandonar a sala. O carisma daqueles heróis, o senso de humor quase digno de Os Trapalhões, e o fato de ser um resgate da época em que ficavamos sentadinhos assistindo aos desenhos na televisão, tudo isso ajuda a transformar Os Vingadores em um entretenimento de primeira qualidade e completamente irresistível. Existem defeitos, claro que eles estão lá, mas diante tanto esforço para realizarem um dos maiores eventos do cinema de ação e aventura (comparo com o encontro de Sylvester Stallone, Bruce Willis e Arnold Schwarzenegger em Os Mercenários, por exemplo), nós simplesmente fechamos os olhos, pegamos a pipoca e mergulhamos no mundo fantástico oferecido.

 

os vingadores todos
Nota:[quatro]