Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Filha do Mal

ENGRAÇADO QUANDO VOCÊ VAI AO CINEMA ARMADO ATÉ OS DENTES PARA SE PROTEGER DE TODAS AS ATROCIDADES QUE UM LONGA-METRAGEM PODE LHE PROPORCIONAR. Você se pega criando um pré-conceito em cima de um filme que apenas viu os trailers e por todos serem extremamente interessantes, a sensação era de que Filha do Mal seria mais um daqueles filmes que só funcionam no trailer. Todo o meu interesse em cima do horror foi criado durante a época em que escrevia quase que diariamente notícias e vídeos para o Cinema em Cena. No entanto, o passado já havia deixado lições dolorosas (1408) sobre o quanto um trailer pode ser enganador. As opiniões de quem viu não foram nada positivas e isso apenas reforçou o meu escudo e armamento, mas seria realmente inevitável ir ao cinema e descobrir o quanto Filha do Mal poderia ser ruim.

Para a minha surpresa, me surpreendi muito com a história do filme e os seus personagens. Aqui irei dizer que do ponta de vista técnico, o longa-metragem é um lixo, bem como as performances “dramáticas” de seus atores. Existem diversas cenas desnecessárias e que só estão lá para enrolar, que nem o garçom que resolve entregar o refrigerante antes do prato principal: ele sabe que você vai tomar aquilo e vai acabar pedindo outro copo. Só que se você for capaz de ignorar as deficiências da produção (que é completamente sem identidade e se perde no meio das influências de Atividade Paranormal, A Bruxa de Blair e outros exemplos de found footage que existem pipocando por aí) e não se sentir na obrigação de levar sustos, talvez seja possível se divertir com a trama estrelada pela brasileira Fernanda Andrade.

- Advertisement -

Sou suspeito para defender Filha do Mal, pois enxerguei o filme da mesma maneira que vejo Atividade Paranormal. Sem querer comparar os dois (seria como comparar vodka Natasha com Orloff), muitas pessoas se decepcionam com o jeito que Atividade Paranormal é conduzido, pois esperam ação, suspense e muito terror, quando na verdade, o filme quer justamente mexer com os nervos do espectador e deixa-lo confortável em longas cenas em que nada acontece explicitamente. Filha do Mal não tem esse apuro conceitual e mesmo estético, mas está longe de ser o desastre completo que muitos afirmaram.

O grande problema talvez seja a escolha de um caminho previsível e clichê para a conclusão do longa-metragem, que deixa várias possibilidades abertas para uma eventual sequência. A ideia de Filha do Mal se transformar em uma franquia é mais assustadora que o próprio filme, especialmente se não houver preocupação com uma escolha de um roteiro melhor e que se arrisque mais no terror psicológico ou que saiba explorar bem as possibilidades de uma possessão demoníaca.

Nota: