Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Invocação do Mal

invocação do mal casal

VOCÊ JÁ VIU ESSE FILME ANTES? Claro. Filmes de exorcismo existem aos montes, como o recente O Último Exorcismo, por exemplo. Mas se Invocação do Mal trabalha com um tema batido, por que tantas pessoas estão dizendo que se trata de um dos filmes mais assustadores dos últimos anos? O que ele tem de diferente para fazer todo esse sucesso? O grande culpado é o cineasta James Wan (Jogos Mortais e Sobrenatural), que se consolida como um dos principais nomes do terror moderno e demonstra um talento incrível para manipular as emoções de seus espectadores. Do mesmo jeito que uma comédia que se preze tem a obrigação de arrancar risadas, uma obra de terror precisa no mínimo deixar o público tenso, e fazer com que ele pule (literalmente) da cadeira. Invocação do Mal consegue as duas coisas.

Arrisco dizer que, se os produtores preferissem trazer a história para os dias de hoje, talvez o impacto ainda fosse maior. O filme se passada na década de 1970, o que acaba reforçando a sugestão do medo e poder sobrenatural na casa. O período da trama pode ser uma justificativa para a horrível fonte amarela da versão traduzida do título. Amarelo não dá medo, dá enjôo. Bem diferente, bem desagradável.

- Advertisement -

invocacao do mal vera farmiga

Uma família humilde acaba de se mudar para uma casa no campo (clichê). A filha adolescente desce do carro reclamando da mudança (clichê 2). Eles tem um cachorro e uma filha pequenininha (clichê 3). A família começa a ver e ouvir coisas (clichê 4), quadros e panelas começam a ser quebrados/arremessados (clichê 5). Eles buscam a ajuda de um especialista (clichê 6), que no começo se recusa (clichê 7), mas logo aceita a missão e descobre terríveis verdades sobre o passado daquela casa aparentemente tranquila (clichê 8). Ah, tudo isso é, supostamente, baseado em eventos reais.

Em cada um dos clichês é possível lembrar de outro título do gênero. Poltergeist, O Exorcista, Horror em Amityville (que inclusive é baseado em uma história do mesmo casal exorcista que estrela Invocação do Mal) são algumas das obras que estalam rapidamente na cabeça do espectador. James Wan foi inteligente ao usar suas referências e demonstrou ter aprendido muito sobre o gênero, pois soube criar diversos momentos de tensão absoluta com sustos (às vezes nada óbvios), mas nada disso funcionaria se Wan não tivesse a química (e eficiência) do casal interpretado por Patrick Wilson e Vera Farmiga ao seu dispor. A gente até cria afinidade pela família amaldiçoada, só que são os caça-fantasmas malucos que ganham nosso coração desde a primeira cena em que aparecem juntos.

invocação do mal boneca

No entanto, assim como aconteceu com Mama (que também garante bons sustos), o roteiro acaba não sendo esforçado o suficiente para tentar introduzir elementos novos no estilo. Invocação do Mal possui méritos, claro, mas a impressão é que deixar o espectador tenso (e aterrorizado) justifica a sua existência. Mesmo com uma conclusão de tirar o fôlego, é inevitável prever como tudo aquilo vai terminar. Não há chance para surpreender o espectador. Se não fosse pela inquestionável qualidade da direção de Wan, no sentido de manipular as emoções mais básicas de seus espectadores, e pelo elenco, Invocação do Mal poderia ser uma produção assustadora, mas efêmera e incapaz de garantir um espaço na mente dos fãs de horror.

Toda essa agitação em torno do trabalho mais recente de James Wan é merecida. Para aqueles espectadores mais céticos, que costumam debochar do sobrenatural, uma sugestão: tentem manter o celular desligado durante o filme inteiro e se permitam viver o drama daquela família sem dar vazão ao impulso irritante de fazer piadinhas para disfarçar o seu incômodo – e acabarem desconcentrando aqueles que estiverem realmente concentrados na obra. Quem aprecia o assunto, certamente sentirá calafrios e precisará dormir com as luzes acesas por alguns bons dias.

invocação do mal poster

Nota:[quatro]

Comentários