Cinema por quem entende mais de mesa de bar

The Dark Knight

Passado quase um mês da estréia do filme do ano e percebendo o semi-esquecimento a que a obra foi submetida no Cinema de Buteco (não fosse o post do John e da Flá, ninguém mais comentaria sobre o filme), decidi expor minha opinião sobre a última aventura e mais espetacular filme já feito sobre um super-herói. Ou melhor, um cavaleiro das trevas.

Filmes como “Homem Aranha 2”, “X-Men”, “X-Men 2”, “Iron Man” e “Incrível Hulk”, eram considerados os melhores exemplos de como se devia fazer um filme sobre personagens consagrados das hq’s. Os dois últimos, mais recentes, conseguiram algo inédito: a interação de um personagem principal no filme do outro. Tudo isso já pensando no futuro filme dos Vingadores e do Capitão América, o que prova que filmes de heróis já não correm o risco de serem um grande fiasco como no passado. Joel Schumacher foi o responsável pela quase extinção desses filmes, quando teve a coragem (e audácia) de lançar o carnavalesco “Batman e Robin”. Desde então, os estúdios ficaram receosos com os heróis e o coitado do homem-morcego sofreu longos anos dentro de sua batcaverna. Mas aí… Christopher Nolan apareceu.

- Advertisement -

Quando “Batman Begins” estreou, o diretor estava receoso com a aceitação do público. Afinal de contas, ele havia mudado tudo. Recomeçado a história do Morcego e contado de uma maneira que soasse real. Tornou o personagem mais humano e ao mesmo tempo, criou a verdadeira Gotham City que Bob Kane (criador do personagem) imaginava. Tudo estava perfeito e crítica/público enlouqueceram com o resultado. Finalmente um ator conseguiu soar bem como Bruce Wayne/Batman. Nunca pensei que o “psicopata americano” Christian Bale, poderia um dia encarnar o herói mais incrível do universo dos quadrinhos. E outro ponto para se chamar a atenção no filme de Nolan, foi a inclusão de dois vilões pouco significativos para o grande público e até mesmo para os fãs. Mas com o mestre Lian Neeson como Rãs Al’Ghul, nada poderia dar errado. E não deu.

Três anos após o sucesso da primeira parte, foi a vez de “O Cavaleiro das Trevas” entrar em cena. O filme ganhou divulgação extra (e desnecessária) com a morte acidental de Heath Ledger e tudo isso serviu para aumentar a expectativa com o filme e a atuação do ator. Para muitos, ele merece uma homenagem na próxima edição do Oscar e não seria exagero. Ledger realmente criou um personagem especial e deixou Jack Nicholson na memória dos tios xiitas. Ele é o Coringa definitivo. Além de Ledger, outro reforço de peso é o ator Aaron Eckhart, como Harvey Dent. Com um elenco de peso (e inspiradissímo), não seria de se imaginar um resultado negativo. Baseado nas histórias “O Longo Dia das Bruxas” e principalmente “A Piada Mortal” (verdadeiro clássico das revistas em quadrinho), o filme apresenta uma Gotham City em transformação. Os criminosos temem a noite e pessoas normais começam a fazer justiça com as próprias mãos, se inspirando no exemplo de Batman. A máfia vai perdendo força com as apreensões organizadas pelo tenente Gordon e o promotor Harvey Dent, além claro, do próprio homem morcego. É aí que entra em cena o psicótico do Coringa. Em uma cena memorável, ele oferece seus serviços para os mafiosos e põe inicio o seu plano de destruir o Batman e instalar o caos na cidade.

Pode se dizer que “Cavaleiro das Trevas” é um mix do projeto Caos de Chuck Palahniuk em “O Clube da Luta” e os drugues de Kubryck em “Laranja Mecânica”. A violência, perversidade e loucura do Coringa, chegam a causar arrepios. Heath Ledger estudou a entonação do ator Marlon Brando e alcançou um resultado extraordinário e que prende a atenção do espectador. Seu personagem aparece mais que o próprio Batman e sua intenção de provar que não existe ninguém 100% equilibrado, atinge o já atormentado Harvey Dent, dando origem ao outro vilão do filme: Duas Caras.

Para quem ainda não saiu de casa (veja bem: saiu de casa. Vá ao cinema!), não deixe de conferir. Se me perguntassem hoje, qual o melhor filme de 2008, não hesitaria em responder que o “Dark Knight” é o meu escolhido. Recomendo demaaaaaaaais!

The Dark Knight [O Cavaleiro das Trevas, 2008]
Direção: Christopher Nolan
Roteiro: Christopher Nolan e Jonathan Nolan
Gênero: Ação
Duração: 153 min
Elenco: Christian Bale (Bruce Wayne/Batman), Heath Ledger (Coringa), Aaron Eckhart (Harvey Dent), Michael Caine (Alfred), Gary Oldman (James Gordon), Morgan Freeman (Lucius Fox), Maggie Gyllenhaal (Rachel Dawes), Chin Han (Lau).

Veja também o post do John

Veja também o post da Flá

5 Comentários
  1. Joubert Diz

    Só leio/comento depois que assistir.

  2. Fla Diz

    muito bom

    assisti de novo, queria reformular meu post, mas deixa…

  3. mel Diz

    Filme lindíssimo…
    Ver harvey ser destruído psicologicamente pelo coringa me faz ficar ainda mais fascinada pela sua obstinação. Fazer o maior descer ao chão, fazer do melhor o pior.
    A fotografia do filme é demais, a psicologia usada, a atuação do Ledger é tão perfeita ao meu ver que quase “esqueço” que estou vendo um filme do Batman.
    Heath Ledger, toda essência está nele. Ver um ser ilimitado, totalmente insano, sem nenhum tipo de amor próprio ou sem nem um tipo de amor que diz ser capaz destruir o que agente acredita é sem dúvidas o ponto detonador da trajetória.

    Enfim!
    Vai demorar muito pra ter outro assim, um tão bom quanto este.

    “Why so serious”?
    “let’s put a smile on that face…”

  4. Fabricio Carlos Diz

    Quse nunca escrevo por aqui… mas dessa vez nõ desisti..
    o filme é realmetne muito bom …
    Fui na estreia e dois dias depois tava lá para ver de novo (dessa vez a cópia legendada)

    Concordo com o que disse… um filme muito bom.. quando vi Iron Man, pensei que ele seria o melhor filme de heroi do ano, mas Batman… é tenso! pesado! e… real!

    Quanto as intereções do Hulk com Homem de Ferro e com Os Vingadores, temos que agradecer ao Cabeça de Teia e aos X-men, pois foi graças ao sucesso de bilheteria deles que proporcionou a Mavel a criar o próprio estúdio de filmagem e ter um dominio muito maior sobre as obras deles… fazendo com que os filmes literalmente e entrem no Universo Marvel!
    E por tal fato afirmo sem pensar duas vezes, que Vingadores será muito melhor do que A Liga da justiça, pois ter o controle de da obra na mão dos ‘donos’, é muito melhor do que ter vários estúdio de filmagem dando pitaco errado…

    Abraços…

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.