Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Zelig


OARGUMENTO DE QUE “TODOS OS FILMES DE WOODY ALLEN” SÃO IGUAIS NÃO SE APLICA A ZELIG. De fato, muitos dos filmes de Allen têm no personagem principal um ponto em comum, pois se trata de um reflexo da personalidade do próprio roteirista e diretor. No entanto, o cineasta nunca explorou seu alter ego de forma tão inusitada quanto em Zelig.

Sim, Allen é novamente o protagonista. Desta vez, interpreta Leonard Zelig, um “camaleão humano” – homem problemático que, devido ao desejo extremo de aprovação, desenvolve a estranha habilidade de se transformar e se adequar ao tipo de pessoas que o cercam. Em poucos segundos, ele se torna chinês, acima do peso ou um médico. O fenômeno atrai a atenção da mídia e da psiquiatra Eudora Fletcher (Mia Farrow), que se empenha para estudar o enigmático paciente e curá-lo.

A forma com que o roteirista consegue expor suas manias e neuroses é metafórica – e muitas delas aparecem quando Zelig é submetido à hipnose. Embora caricato, o personagem traz um atributo inerente ao ser humano: a necessidade de se sentir parte de um grupo, de ser aceito. Aos poucos se descobre que Leonard começou a se transformar em outras pessoas pois se sentiu envergonhado ao ser questionado se já tinha lido o clássico Moby Dick, de Herman Melville. Eu mesma me rendi ao filme para não ter de justificar mais uma vez o porquê de não ter visto Zelig ainda.

- Advertisement -

Filmado no estilo documentário, o longa consegue impressionar com a inserção do personagem-título em filmagens históricas de verdade – desde imagens de personalidades como Charlie Chaplin, James Cagney e Babe Ruth a cenas de comícios nazistas, com a aparição do próprio Führer. Para o início dos anos 80, a técnica não decepciona, e, aliada à narração característica dos documentários antigos, consegue convencer.

Esta é uma comédia que faz rir, de verdade. É uma sátira, uma paródia, mas, principalmente, Zelig é uma deliciosa crônica sobre a hipocrisia, máscaras e a importância de ter personalidade. E, quase trinta anos depois, ainda serve como uma boa reflexão sobre a sociedade em que vivemos.

Título:  Zelig
Direção: Woody Allen
Roteiro: Woody Allen
Elenco: Woody Allen
Mia Farrow