#5 Motivos Pelos Quais Você Deveria Assistir Casual


CasualBig (1)

Depois de seu grande sucesso no cinema alternativo, Jason Reitman resolveu voltar os seus olhos para o crescente mercado da TV on Demand, e ao lado de Zander Lehmann nos presenteou com essa pérola chamada Casual. Muito mais pervertida do que propriamente engraçada, a série nos entrega uma profunda reflexão sobre a banalidade dos relacionamentos contemporâneos, e o Cinema de Buteco lista cinco razões pelas quais você não deve tratar essa produção casualmente.

#1 Porquê mostra o empoderamento sexual da mulher.

Assunto presente em quatro dentre cinco conversas de mesas de bar, sexo e a forma como ele afeta os nossos relacionamentos é sempre uma questão atual. Criador de um site de relacionamentos online, Alex tem uma postura completamente cética em relação aos mesmos. Com a chegada de sua irmã e de sua sobrinha, pontos de vista são colocados em conflitos e muitas indagações tomam lugar na mesa de jantar. Divorciada e com uma vontade insaciável de recuperar o tempo perdido, Valerie se lança de cabeça no “mercado do amor”. E com uma filha adolescente, tão excitada quanto, a série mostra o empoderamento das mulheres nesse padrão de relacionamento contemporâneo, e a força das mesmas para determinarem o que querem e quando querem.

#2 Porquê dialoga com todos os tipos de relacionamentos contemporâneos.

O questionamento da monogamia, tão recorrente, não poderia deixar de ser explorado em uma série que aborda intimidade. Tendo em vista o exemplo fracassado de Valerie, Alex segue na busca por algo diferente e prova que estamos sim, muito mais receptivos à novos modelos de relacionamentos e redes de suporte familiares, neste caso estruturada por Tio, Mãe e Filha. E com o advento da internet, e o crescimento intelectual cada vez mais precoce dos adolescentes, até mesmo o assunto consentimento sexual é trazido à tona pelo show.

#3 Porquê reflete o comportamento de todas as gerações sobre o assunto.

Roteirizando a história de uma divorciada, um solteirão e uma adolescente, não tem muito para onde correr quando o assunto é identificação com os personagens. Afinal, você está ou já passou por alguma dessas etapas da vida, e é muito fácil criar empatia pelas situações atravessadas por eles. Seja pela busca pela satisfação sexual, estabilidade sentimental ou apenas iniciação amorosa, cada um deles acrescenta um questionamento no fim do dia. Até mesmo os pais dos irmãos mostram que não existe idade para a movimentação da vida romântica.

#4 Porquê são vinte minutos de análise gratuita.

A personagem central, Valerie, tem a psicologia como o seu ganha pão, mas parece que suas análises não ficam apenas dentro do consultório. Ela está sempre tentando estudar o as reações da filha após o seu divórcio e não entende como o irmão nunca conseguiu desenvolver um relacionamento estável em sua vida. A situação só complica mais ainda com a chegada dos pais dos mesmos, que ajudam a desenterrar justificativas do passado para o comportamento atual de seus filhos. É um exercício automático acabar se auto-analisando ao assistir Casual.

#5 Porquê representa a estabilidade do cinema alternativo na TV.

Depois de anos acompanhando a trajetória de filmes independentes americanos, na sua maioria com roteiros contemporâneos e despretensiosos, é refrescante ver se consolidar na televisão esse mesmo formato. A diferença de séries como Transparent, Looking ou Weeds para Casual, é que esta não apresenta nenhuma temática forte em específico. Bebe da mesma fonte, tem uma direção nos mesmos moldes, mas é muito mais blasé, podendo ser referida como apenas mais uma dramédia na TV… Ajudando a reforçar a ideia de que o formato de sitcoms que acompanhamos por anos está cada vez mais fadado à perder espaço para produções desse tipo.

Casual estreou recentemente e possui apenas dez episódios de vinte minutos em sua temporada de estréia. Com atuações de peso como as de Frances Conroy, Michaela Watkins, Fred Melamed e Eliza Coupe, você não pode deixar de conferir essa tímida pérola através do Hulu.

Jairo Borges