Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Bohemian Rhapsody é destaque no Globo de Ouro 2019

Biografia do Queen vence os prêmios de melhor drama e ator na premiação.

Aconteceu ontem, 6 de janeiro, a 76ª edição do Globo de Ouro. A premiação reconhece os trabalhos de destaque do último ano no cinema e televisão, sendo organizada pela Hollywood Foreign Press Association (HFPA).

Trata-se do primeiro grande evento de 2019 e que já nos mostrou, pelo menos um pouco, a tendência desta temporada de premiações. Pouco porque é a imprensa estrangeira de Hollywood que escolhe os indicados e vencedores, público bastante diferente do SAG, BAFTA e Oscar. Ou seja, o resultado dá certa força aos ganhadores, mas não garante em nada a estatueta no fim de fevereiro.

O principal destaque da noite foi Bohemian Rhapsody, biografia do Queen: Melhor Filme de Drama e Ator de Drama (Rami Malek). Alguns jornalistas especializados já esperavam isso em função do quanto a HFPA amou o filme. Além disso, apesar das críticas fracas (62% no Rotten Tomatoes e 49/100 no Metacritic), o longa tem sido um grande sucesso de bilheteria pelo mundo: mais de $ 740 milhões arrecadados até o momento. Isso e, obviamente, a popularidade da banda e paixão pela figura de Freddie Mercury, lhe deu forças na corrida para o Oscar.

- Advertisement -

A briga nessas duas categorias ainda segue em aberto, pois Roma, Nasce uma Estrela e Green Book: O Guia também podem ser premiados como melhor filme. Afinal, são produções extremamente bem recebidas pela imprensa e premiadas em festivais. Na disputa de atuação masculina, Bradley Cooper é outro favorito. Ele tem a seu favor uma produção aprovada de forma consensual pela crítica, pelo público e uma carreira mais consolidada que a de Malek. O SAG vai nos confirmar de qualquer forma no dia 27.

Entre os coadjuvantes, Mahershala Ali pode seguir os passos de Christoph Waltz e ter duas estatuetas em casa nessa categoria. Reconhecido em 2017 por sua performance em Moonlight, o ator é destaque agora em Green Book. Nas próximas semanas, saberemos dizer com mais precisão se o Oscar realmente será dele ou se algum outro nome pode surpreender, como Richard E. Grant ou Sam Elliott.

Outro que deve fazer dobradinha é Alfonso Cuarón, favorito para a categoria de direção. O mexicano ganhou o Globo por seu trabalho em Roma, cinco anos após sua conquista por Gravidade. A produção, disponível na Netflix, também foi reconhecida como Melhor Filme Estrangeiro. Será que a Academia fará o mesmo?

No caso das performances femininas, é difícil fazer uma previsão. Regina King levou o prêmio de atriz coadjuvante no Globo de Ouro, mas foi esnobada no SAG. A última vez que uma atriz na situação dela venceu o Oscar foi em 2002, quando Jennifer Connelly conseguiu o feito sem ser indicada na cerimônia do Sindicato de Atores. Por isso, temos que aguardar o Critics’ Choice, BAFTA e SAG para ver se King terá alguma competição. Nada impede ela de ter o mesmo destino de Sylvester Stallone em 2016, que venceu o Globo de Ouro e o Critics’ Choice, mas foi esnobado no SAG e perdeu a estatueta para Mark Rylance, ganhador do BAFTA.

Na categoria de melhor atriz, tudo indica que está entre Glenn Close e Olivia Colman. Como a primeira acumula na carreira seis indicações ao Oscar, é um nome extremamente consolidado e respeitado na indústria e foi aclamada no drama A Esposa, a tendência é que a Academia lhe dê o Oscar no mês que vem.

Lady Gaga não deve ser premiada por sua atuação elogiada em Nasce uma Estrela, mas o Oscar de Canção Original é dela. É muito difícil vê-la perder a estatueta em 2019.

O Globo de Ouro não tem categorias específicas para os roteiros, premiando somente um. O Writers Guild Awards (WGA) vai nos dar uma melhor noção sobre os potenciais vencedores do Oscar. No entanto, a vitória de Green Book pode dar uma força ao filme na corrida dos roteiros originais, em especial contra Roma e A Favorita.

Lembrando que no dia 13, próximo domingo, acontece em Los Angeles o 24º Critic’s Choice Awards, promovido pela Broadcast Film Critics Association. Também é um evento da crítica, só que americana e canadense.

MELHOR FILME – DRAMA

Bohemian Rhapsody

 

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

Green Book: O Guia

 

MELHOR DIREÇÃO

Alfonso Cuarón, Roma

 

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Glenn Close, A Esposa

 

MELHOR ATOR – DRAMA

Rami Malek, Bohemian Rhapsody

 

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Olivia Colman, A Favorita

 

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Christian Bale, Vice

 

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Regina King, Se a Rua Beale Falasse

 

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Mahershala Ali, Green Book: O Guia

 

MELHOR TRILHA SONORA

Justin Hurwitz, O Primeiro Homem

 

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

Shallow, Nasce uma Estrela

 

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Roma

 

CECIL B. DEMILLE AWARD

Jeff Bridges

 

CAROL BURNETT AWARD

Carol Burnett

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.