Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Melhores Filmes de 2021

Você quer saber quais foram os melhores filmes de 2021 e como pode encontrar cada um deles para assistir e matar a sua curiosidade?

Todo ano o Cinema de Buteco prepara uma lista especial com as recomendações do portal e nosso material com os melhores filmes de 2021 começa a partir de agora com uma pequena lista para você se divertir.

Em breve vamos atualizar a lista com mais dicas!

- Advertisement -

10- The Night

(Kourosh Ahari, 2020) Um casal iraniano passa uma noite assustadora dentro de um hotel nos EUA e revisitam seus próprios fantasmas pessoais.

O melhor cinema de terror/horror não está necessariamente em Hollywood. Se não fosse o iraniano The Night na nossa lista, seria o tailandês The Medium ou o indonésio The Queen of Black Magic. O que não falta é opção para a gente discutir, assistir, e claro, sentir medo.

The Night é muito mais que apenas uma bela homenagem ao clássico O Iluminado, de Stanley Kubrick. Kourosh Ahari cria uma atmosfera sombria para o espectador sentir medo junto dos personagens principais da obra. E sabe muito bem como usar as nossas emoções e expectativas ao seu favor para aumentar a tensão dentro de uma narrativa cheia de metáforas.

Disponível na HBO Max.

Indicado para quem gosta de: O Iluminado, Filmes de terror

9- Anônimo

(Nobody, Ilya Naishuller, 2021) Após ter a casa assaltada, um pai de família normal e sem energia vital começa a se revelar uma pessoa cheia de segredos perigosos.

A ideia de Anônimo não é novidade. Viggo Mortensen já foi esse cara em Marcas da Violência, de David Cronenberg. Keanu Reeves é esse cara na franquia John Wick. Mas ainda assim funciona. Especialmente quando temos um ator querido do mundo das séries surpreendendo como astro de cinema de ação.

Bob Odenkirk não é o único responsável pela qualidade de Anônimo, obviamente, mas sem ele, eu não sei se o filme seria tão divertido assim.

A sequência do ônibus está entre os momentos cinematográficos mais divertidos do ano e faz a gente recordar da memorável briga no corredor em Oldboy. É quando o protagonista descarrega tudo que precisou aguentar da vida. É poesia pura feita com punhos, nariz quebrados, destruição de patrimônio público e sangue.

Disponível no NOW.

Indicado para quem gosta de: John Wick, Bob Odenkirk, Melhores filmes de ação

8- Noite Passada em Soho

(Last Night in Soho, Edgar Wright, 2021) Coloca uma talentosa estudante de moda criando uma estranha conexão com uma artista dos anos 1960 sufocada pelo machismo e violência da época.

Assim como Matrix Resurrections, qualquer detalhe excessivo pode prejudicar a surpresa do espectador na hora de descobrir a nova empreitada de Edgar Wright. O que posso dizer é: imagine como seria Meia-noite em Paris, de Woody Allen, se fosse um filme de terror para quem gosta de tomar bala e curtir a balada.

Thomasin McKenzie e Anya Taylor-Joy cumprem a difícil missão de tornar suas personagens iguais ao mesmo tempo em que são extremamente diferentes. O resultado é arrepiante.

Disponível em lugar nenhum, jovem. Vai ter que esperar para assistir sem usar meios alternativos e altamente ilegais.

Indicado para quem gosta de: Meia-noite em Paris, Edgar Wright, Excelentes trilhas sonoras

7- Val

(Ting Poo, Leo Scott, 2021) Val Kilmer realizou filmagens amadoras durante toda a sua carreira e transformou todas as horas de gravação em um verdadeiro hino de amor ao cinema – ainda que a rosa tenha tantos espinhos.

Adiei meses até dedicar tempo e atenção para descobrir o que Kilmer tinha a dizer. Confesso ter me surpreendido bastante com a sua vida, profissionalismo e forma de encarar os desafios. Val Kilmer é um personagem e tanto, e é uma pessoa real. Talvez um gênio. Vai saber.

Val é um belo registro histórico da carreira de um astro, suas decisões criativas que tanto prejudicaram sua trajetória, e claro, o impacto do câncer acabando com a chance de seguir atuando. Excelente dica.

Disponível em Amazon Prime.

Indicado para quem gosta de: Cinema, Documentários

6- Matrix Resurrections

(Lana Wachowski, 2021) Quando se pensa no novo Matrix, a verdade é que entregar qualquer detalhe da sinopse já implica no risco de estragar a surpresa preparada pela equipe criativa da sequência.

Muita gente pode considerar Matrix 4 como uma continuação desnecessária ou que pode até estragar o legado da franquia. Eu digo: como um filme bom pode estragar algo que já foi contaminado com os medíocres Reloaded e Revolutions? Resurrections é a sequência que o Matrix original merece.

Boa parte do primeiro ato é para confundir o público com as suas várias homenagens e surpresas. Geralmente esse recurso é condenável, afinal ninguém gosta de ser feito de idiota enquanto assiste a um filme, mas Wachowski faz isso para provocar a indústria. E consegue divertir os espectadores ao mesmo tempo que lança críticas para nossos desejos de consumir o que já é conhecido.

Matrix Resurrections é aquele tipo de sequência que a gente nunca imaginou o quanto seria bem-vinda. E é sensacional mesmo.

Disponível em breve na HBO Max.

Indicado para quem gosta de: Matrix, Igualdade, Política, Crítica social

5- Não Olhe Para Cima

(Don’t Look Up, Adam McKay, 2021) Dois cientistas descobrem que o planeta Terra está prestes a ser destruído por um cometa, mas ninguém acredita neles.

Adam McKay é um diretor/roteirista complexo e seus filmes têm como principal função confundir o espectador. Ou nos fazer sentir como idiotas incapazes de entender que porra seus personagens estão dizendo/fazendo/sentindo. Não Olhe Para Cima é um pouco diferente.

Ainda que inclua uma sofisticação narrativa, McKay opta pela simplicidade para dialogar com o público alvo da sua crítica. É curioso pensar que todo o roteiro foi escrito antes da pandemia da COVID-19 e ganhou contornos políticos ainda mais fortes por essa feliz (?) coincidência.

Disponível na Netflix.

Indicado para quem gosta de: Xingar negacionista, Ofender terra-planista, Criticar governo bolsonarista, Quem torce para o cometa chegar de verdade.

4- A Mão de Deus

(È stata la mano di Dio, Paolo Sorrentino, 2021) A história se passa na cidade de Nápoles na década de 1980, quando o argentino Diego Maradona foi contratado para jogar no time local. Mas não se engane: o futebol é somente o pano de fundo para apresentar os dilemas e conflitos de uma tradicional família italiana.

A Mão de Deus foi a surpresa mais feliz que tive no cinema em 2021. Não imaginava o quanto iria me divertir e rir (às vezes mais do que deveria) com as brigas de uma família cheia de imperfeições e problemas.

Em sua autobiografia, Sorrentino nos presenteia com uma deliciosa produção coming of age indispensável para quem ama se emocionar com a sétima arte. Fazer rir e chorar no mesmo filme é algo para poucos.

Disponível na Netflix.

Indicado para quem gosta de: Filmes sobre família, Filmes sobre amadurecimento

3- A Casa Sombria

(The Night House, David Bruckner, 2021) Uma viúva começa a descobrir os segredos do marido enquanto vive sozinha na sua casa.

Em um ano recheado de excelentes filmes de terror no circuito comercial e alternativo, A Casa Sombria se destacou por três fatores principais: 1- Rebecca Hall cria uma personagem marcante com o seu luto, dor e medo; 2- Enquanto as atenções para os novos realizadores de terror/horror ficam concentradas em Jordan Peele, Ari Aster e Robert Eggers, David Bruckner vai lentamente reservando um espaço com filmes excelentes e pouco falados; 3- Entender que o gênero funciona melhor quando existe uma metáfora forte por trás da história.

A Casa Sombria desbancou Maligno, de James Wan, da minha lista de melhores filmes de terror e isso significa muita coisa. Recomendo demais.

Disponível no Telecine Play.

Indicado para quem gosta de: Filmes de terror, Metáforas para luto e depressão, Filmes do Capeta

2- Meu Pai

(The Father, Florian Zeller, 2020) Anthony Hopkins interpreta um idoso lidando com as severas consequências do seu envelhecimento.

Meu Pai é um exemplo técnico perfeito para se entender como a montagem e direção de arte funcionam no desenvolvimento da narrativa. Na medida em que o protagonista vai perdendo a sua consciência, os cenários se transformam. É realmente um feito e tanto para uma obra que já chama a atenção pelo desempenho inspirado do seu elenco e se torna ainda melhor com o virtuosismo da equipe técnica.

Nós, do Cinema de Buteco, costumamos repetir o quanto a premiação do Oscar é injusta, mas definitivamente o trabalho mais excepcional da temporada foi reconhecido na categoria de Melhor Ator.

Uma dica: o próximo trabalho de Zeller já está em pré-produção e tem tudo para agradar em cheio aos fãs apaixonados pela sua estreia. The Son está previsto para 2022.

Disponível no Paramount Plus.

Indicado para quem gosta de: Anthony Hopkins, Olivia Colman, Filmes incríveis

1- Pig

(Michael Sarnoski, 2021) A porca de estimação de um homem solitário é sequestrada e ele precisa deixar sua vida no meio do mato para encontrá-la.

A expectativa é sempre uma ferramenta surpreendente na nossa relação com o cinema. O anúncio de um filme em que Nicolas Cage precisa resgatar sua porca de estimação fez boa parte do público pensar em John Wick e esperar por um banho de sangue sem noção, com vários berros insanos dignos da carreira do ator.

Pig não é absolutamente nada disso.

O diretor Michael Sarnoski vai conduzindo a sua narrativa com leveza enquanto aprofunda os dramas pessoais do seu protagonista, inclusive é bom ressaltar o quanto Cage é um tremendo arrombado filho da puta preguiçoso (e cheio de dívidas). Sua atuação deixa os fãs com raiva por tantas escolhas profissionais duvidosas e desempenhos esquisitos.

Pig é um presente para os cinéfilos.

Disponível no Telecine Play.

Indicado para quem gosta de: Nicolas Cage, Filmes lentos, Bruce Springsteen

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.