Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Melhores filmes de Drama de 2018

#10- O Ódio Que Você Semeia

filmes de drama de 2018 - o odio que voce semeia(The Hate U Give, George Tillman Jr., 2018) Se aprendemos alguma coisa nas últimas eleições, não só no Brasil como no mundo, é que precisamos chegar às pessoas com mensagens mais claras e diretas, e essa á proposta de O Ódio Que Você Semeia, uma obra direta e até simples que fala sobre questão racial sem entrar em terrenos complicados como tentar explicar o que é racismo estrutural.

Apesar de ser direcionado aos mais jovens, a história encontra meios de falar com vários nichos que podem praticar as mesmas atitudes de alguns personagens e ainda assim não se consideram racistas. E mesmo sendo cinematograficamente um tanto óbvio e dotado de uma ingenuidade, esse ar de fábula confere ao um filme uma mensagem de esperança que carecemos na sociedade hoje. (Tiago Paes Lira – Leia a crítica completa em Um Tigre no Cinema)

- Advertisement -

Recomendado para quem gosta de: Filmes sobre combate ao racismo


#9- As Viúvas

melhores filmes de drama de 2018 - viuvas

(Widows, Steve McQueen, 2018) Viola Davis, sempre que tem oportunidade, mostra que é uma senhora atriz e que segura tranquilamente um filme nas costas.

Mesmo que o resto do elenco seja bem interessante, ela sempre se sobressai. O veículo do momento para mostrar seu talento é As Viúvas (Widows, 2018), novo trabalho do elogiado diretor Steve McQueen. Com uma dupla dessas, não tinha como dar errado, e o resultado prende e diverte o público. (Marcelo Seabra – Leia o review completo em O Pipoqueiro)

Recomendado para quem gosta de: Steve McQueen; Filmes sobre crime


#8- Bohemian Rhapsody

bohemian rhapsody - melhores filmes de drama de 2018(Bryan Singer, 2018) Que o cantor viveu loucuras regadas a drogas e sexo, ninguém tem dúvida. Se Bohemian Rhapsody não entra a fundo nesse ponto, é questão de foco.

A história de Freddie se confunde com a história da AIDS, e isso fica muito claro. O roteiro pode buscar saídas fáceis, com alguns diálogos expositivos e simplificações. Mas ver a banda se apresentando no Live Aid, frente a milhares de pessoas indo à loucura, com tudo reconstituído à perfeição, supera qualquer coisa. Muitos dirão que poderia ter sido um filme melhor. Mas, ainda assim, o resultado não vai sair tão cedo da cabeça de quem assistir.

E, porque não, ficamos na expectativa de uma continuação: The Show Must Go On. (Marcelo Seabra – Leia o texto completo em O Pipoqueiro)

Recomendado para quem gosta de: Queen


#7- The Post: A Guerra Secreta

melhores filmes de drama de 2018 - the post

(The Post, Steven Spielberg, 2017) A sinopse do Google diz o seguinte: “Em 1971, os editores Katharine Graham e Ben Bradlee do Washington Post arriscam suas carreiras e liberdade para expor segredos governamentais que abrangem três décadas e quatro presidentes dos Estados Unidos.”

O que ela não diz é que The Post é um daqueles exemplares de cinema que prendem o público do começo ao fim ao combinar personagens carismáticos, boas doses de suspense e tensão, uma luta por uma boa causa e aquela sensação de querer que tudo dê certo com nossos protagonistas.

Se você amou Todos os Homens do Presidente, The Post é obrigatório. Se você é jornalista, The Post é obrigatório – e conhecer a nossa lista de melhores filmes sobre jornalismo também.


Recomendado para quem gosta de
: Filmes sobre jornalismo; Todos os Homens do Presidente


#6- Roma

MELHORES FILMES DE DRAMA DE 2018 - ROMA(Alfonso Cuaron, 2018) Arrancando elogios em festivais e nas redes sociais, Roma (2018) foca em uma família para falar da vida. Aparentemente trazendo a banalidade do dia a dia, o roteiro, do também diretor Alfonso Cuarón, tem espaço para desenvolver seus personagens e as sutilezas falam mais que qualquer efeito especial. De forma bem delicada, o mexicano nos entrega a provável melhor obra distribuída pela Netflix. A história bem poderia ser baseada na infância de Cuarón, tamanho é o frescor com que os fatos são tratados – e, em partes, é. A fotografia em preto em branco, também assinada por Cuarón, nos proporciona essa proximidade. Mesmo se passando no México, falada em espanhol (e no dialeto local), a produção poderia ser ambientada em vários lugares pelo mundo. (Marcelo Seabra – leia a crítica completa em O Pipoqueiro)

Disponível na Netflix.

Recomendado para quem gosta de: Alfonso Cuaron