Review: Demolidor s02e01 – “Bang”

Demolidor Bang

Estamos de volta a Hells Kitchen! Meses depois de conhecer Jessica Jones, finalmente chegou o momento tão aguardado de reencontrar Matthew Murdock e o Demolidor na segunda temporada de uma das maiores surpresas de 2015. A parceria da Marvel com a Netflix funcionou muito bem e tratou com respeito um personagem que não experimentou a mesma sorte quando foi levado para as telonas.

Em “Bang”, primeiro capítulo da nova leva de episódios, os telespectadores acompanham mais uma sessão de violência que em nada nos faz pensar no universo cinematográfico da Marvel. As séries da Netflix possuem uma roupagem mais dark e não economizam no sangue, ao contrário do que se assiste no cinema. Seria um absurdo uma série do Demolidor ser bonitinha e limpinha como os filmes do Capitão América, por exemplo. Não é a toa que tanto Demolidor quanto Jessica Jones merecem destaque como os melhores produtos da Marvel nos últimos anos.

O episódio apresenta Matthew recebendo um novo cliente e investigando dois massacres de mafiosos na região. Pistas o levam a imaginar que está diante um exército letal em busca do legado deixado por Wilson Fisk, mas a grande surpresa é que parece que o serviço foi feito por apenas um homem…

O roteiro de “Bang” é ágil e despeja mil informações na nossa cabeça. Depois de uma introdução com uma bela sequência de ação para reforçar a imagem do herói (qualquer semelhança com o Batman é apenas mera coincidência), nós acompanhamos uma reunião de criminosos irlandeses que acaba com todos sendo metralhados – uma bela forma de introduzir o Justiceiro, diga-se de passagem. Aliás, o personagem é muito bem apresentado. Na sua primeira grande cena, Frank Castle caminha pelo hospital atrás do único sobrevivente do massacre e a câmera não foca o seu rosto em momento algum. Tudo para dar uma bela noção de perigo e ameaça.

O encerramento surpreende por já mostrar a primeira (e espero que sejam várias) luta entre Demolidor e o Justiceiro. Não é um confronto inesquecível como aquele momento lindo no corredor na primeira temporada, mas é marcante por colocar em cena um sonho dos grandes fãs de HQ’s que cresceram lendo as histórias com os conflitos de Murdock e Castle.

Essa é uma bela estreia, não tenha dúvidas.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.